POLÍTICA
29/07/2018 17:56 -03 | Atualizado 29/07/2018 17:57 -03

'Para discutir o financiamento da Ciência é preciso discutir se é mais importante que creche', questiona José Camargo, do MDB

Representante de Henrique Meirelles, do MDB, em sabatina sobre eleições e Ciência, José Camargo afirmou que a sociedade “sempre evitou discutir prioridades”.

José Márcio Camargo foi o sexto sabatinado em evento deste domingo (29), na Casa de Portugal.
Reprodução/YouTube
José Márcio Camargo foi o sexto sabatinado em evento deste domingo (29), na Casa de Portugal.

Sexto sabatinado no Conhecer Eleições 2018, em São Paulo, José Márcio Camargo, representante de Henrique Meirelles (MDB) na corrida presidencial, se complicou quando questionado sobre como fazer para priorizar o investimento na área da Ciência, que diminuiu sensivelmente nos últimos anos.

"Para discutir o financiamento da ciência, é preciso discutir se é mais importante que a creche. De onde vem o dinheiro? Com o teto de gastos, a sociedade vai ter que discutir as prioridades, coisa que sempre evitou fazer."

Diante do impacto da frase que soltou no repletou auditório neste domingo (29) e da réplica dos sabatinadores, o representante do governo Temer tentou remediar sua colocação.

"O problema não é comparar Ciência com criancinha. É definir como Ciência é prioridade. Como você convence a sociedade de que Ciência é uma prioridade? Essa é a questão. Eu, como economista, passo décadas defendendo ideias. Uma delas é equilíbrio fiscal. Se não tiver equilíbrio fiscal, não vai a lugar nenhum: ou gera inflação ou aumento de carga tributária".

Prioridade ou não?

José Márcio Camargo foi questionado novamente sobre o assunto dos cortes orçamentários no setor e sobre qual será a posição do governo caso Henrique Meirelles vença o pleito eleitoral de outubro.

"O Meirelles acredita que a Ciência é uma prioridade e eu acredito que é uma prioridade. O déficit primário de quase 4% do PIB quebra o País. Teve corte em Ciência, mas em um monte de outras coisas, e aí entra a capacidade dos diferentes interesses de fazer valer esses interesses no Congresso. Se o Meirelles for eleito, a discussão do orçamento será o momento fundamental da democracia, como é em todos os lugares do mundo. É assim em uma democracia representativa."

Estoque humano e elogio aos "asiáticos"

Para o representante do MDB, uma das chaves para o crescimento da Ciência no País é justamente o "capital humano" brasileiro.

"Como funciona essa coisa da Ciência? Pega uma parte desse estoque de capital humano e coloca para se dedicar a fazer pesquisas de desenvolvimento e aumentar o bem-estar da sociedade no futuro."

A outra chave apontada por José Márcio Camargo foi se espelhar no que ele simplificou como "os asiáticos".

"Existem duas formas de fazer progresso tecnológico: Inovação e difusão. Difusão é basicamente copiar. Os asiáticos fizeram isso muito bem e crescem feito loucos. Eles imitam praticamente tudo."