POLÍTICA
22/07/2018 13:57 -03 | Atualizado 22/07/2018 13:57 -03

Jair Bolsonaro é oficializado candidato a presidente da República: 'Não sou salvador da Pátria'

Em auditório lotado no centro do Rio, deputado federal é exaltado por militantes. Embaralhada, escolha de vice fica para depois.

Miguel Schincariol/Getty Images
Jair Bolsonaro é confirmado candidato a presidente do Brasil.

Jair Bolsonaro foi oficializado candidato a presidente da República na convenção nacional do PSL neste domingo (22). Em um centro de eventos lotado no Rio de Janeiro, as vuvuzelas e os gritos de "mito" não paravam para saudar o deputado federal e seus aliados.

"Não sou salvador da Pátria; quem vai salvar a Pátria somos nós", disse, fazendo um trocadilho com seu sobrenome Messias. "O Brasil não precisa de populismo."

A cerimônia começou com a execução do Hino Nacional. O jingle da campanha, com tema de forró, tem também solo do hino. "Muda Brasil de Verdade", sinalizava o banner atrás da mesa da convenção.

Entre nomes do PSL, destacavam-se 2 aliados que foram cotados a vice de Bolsonaro, mas que teriam declinado do convite: o senador Magno Malta (PR-ES) e o general Augusto Heleno (PRP). Ambos fizeram questão de defender de modo enfático o nome de Bolsonaro para a Presidência e criticaram a imprensa pelos "rumores" publicados sobre a relação deles.

"Meu partido vai perder o bonde da História [por não coligar com Bolsonaro]", criticou Malta, em discurso inflamado, em referência à decisão do PR de apoiar Geraldo Alckmin (PSDB). "Naquele partido lá, que são 40 e poucos [parlamentares], mais de 30 são Bolsonaro", entregou.

Bolsonaro, aliás, voltou a alfinetar a coligação do Centrão com o PSDB: "quero agradecer a Geraldo Alckmin por ter juntado a nata do que há pior no Brasil a seu lado, por ter reunido a escória da política brasileira".

Tentativa de aproximação com mulheres

A inclinação por uma chapa puro sangue, com a advogada Janaina Paschoal (PSL-SP), é uma forma de Jair Bolsonaro se aproximar do eleitorado feminino. Segundo o último Datafolha, de junho, o deputado tem mais que o dobro de popularidade entre homens (26%) que entre mulheres (12%).

Hoje principal cotada para ser vice, ela foi ovacionada várias vezes na convenção do partido. Seu discurso buscou conferir equilíbrio à militância violenta que ataca os adversários.

"Corremos o risco de virar um PT ao contrário", disse, ao se referir a atitudes de militantes de Bolsonaro que atacam pessoas que pensam de forma diferente deles. "Não é hora de olhar com lupa e selecionar quem concorda com a gente, 'venha', quem não concorda, 'saia'. Isso não existe em uma república, em uma democracia."

A oficialização da candidatura a vice ficará para depois, como Janaina já havia adiantado pelo Twitter:

Em seu discurso, Bolsonaro afirmou que o País 31% de mães solteiras, e "todos saíram do ventre de uma mulher". Mais um aceno de que tentará se aproximar dessa fatia do eleitorado.

O tom de valorização da família foi feito também com a presença dos filhos — o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) — e de sua esposa, Michelle Bolsonaro.

Assista à convenção do PSL na íntegra: