POLÍTICA
20/07/2018 14:32 -03 | Atualizado 16/08/2018 17:15 -03

Apoio do centrão a Alckmin em vez de Ciro é comemorado por parte do PDT

“Com a saída desses partidos a gente fica mais livre para defender aquilo que de fato acredita”, afirmou Tulio Gadêlha.

Namorado de Fátima Bernardes, Tulio Gadêlha comemora distanciamento de centrão e Ciro Gomes.
Montagem/Getty Images/Reprodução Instagram
Namorado de Fátima Bernardes, Tulio Gadêlha comemora distanciamento de centrão e Ciro Gomes.

A decisão do centrão de apoiar a candidatura presidencial de Geraldo Alckmin (PSDB) em vez de Ciro Gomes (PDT) foi comemorada parte dos pedestistas. Dentro do partido, alguns filiados temiam mudanças nas propostas de Ciro que o afastassem da esquerda.

"É importante que um candidato tenha tempo de televisão, mas particularmente para pessoas que são orgânicas dentro do PDT, para mim, achei boa a saída desses partidos porque é natural que todo candidato a presidente, para poder trazer aliados, tenha de moldar seu discurso e Ciro estava disposto a fazer isso", afirmou ao HuffPost Brasil Tulio Gadêlha, que avalia tentar uma vaga de deputado federal pelo PDT.

Na avaliação do militante ganhou projeção após começar a namorar a apresentadora de televisão da Rede Globo Fátima Bernardes, a decisão do centrão terá impacto no programa do presidenciável. "Com a saída desses partidos a gente fica mais livre para defender aquilo que de fato acredita", afirmou.

Por outro lado, Gadêlha aposta que um apoio do PSB e PCdoB pode ser mais benéfico para a campanha "São dois partidos com história, têm legado e são importantes na construção política de um projeto nacional. Muito nos entusiasma formar esse bloco ideológico."

Nesta quinta-feira (19), o bloco formado por DEM, Solidariedade, PP, PR e PRB decidiu apoiar o tucano, considerado mais previsível que Ciro. A decisão só deve ser formalizada na próxima semana, mas garante maior tempo de propaganda de rádio e televisão. Dessa forma, o pedetista ainda está isolado na formalização da candidatura nesta sexta-feira (20), na convenção nacional do partido.

Alguns aliados do ex-governador do Ceará ainda apostam que o centrão mude de ideia. Há também um esforço de tentar trazer o Solidariedade, ligado à Força Sindical. Ciro propõe uma revisão da reforma trabalhista, mas ainda não detalhou a proposta.

O presidenciável defende uma ampliação da política de cotas, mas não apresentou medidas concretas para promover a participação de mulheres na política, além de outras propostas de diversidade, ligadas à população LGBT. "O PTD tem tido um esforço para eleger mais mulheres. O Ciro tem se esforçado nessa pauta de negros, LGBT, mulheres e a juventude", afirmou Gadêlha. Atualmente, o PDT não tem mulheres como titulares na bancada da Câmara.