ENTRETENIMENTO
19/07/2018 15:31 -03 | Atualizado 22/07/2018 15:38 -03

'Ilha dos Cachorros': Por que você deve assistir ao novo filme de Wes Anderson

"Este deve ser o filme mais político de Wes, um cineasta que nos brinda com um universo muito pessoal, de um colorido fabular."

Wes Anderson usa fábula de visual deslumbrante para discutir questões de cunho político e social.
Divulgação
Wes Anderson usa fábula de visual deslumbrante para discutir questões de cunho político e social.

Ilha dos Cachorros estreia no Brasil nesta quinta-feira (19) e não faltam motivos para você correr para o cinema mais próximo, pagar um ingresso, comprar um balde de pipoca e assisti-lo o quanto antes.

A produção é dirigida por Wes Anderson, cineasta premiado e conhecido por obras de forte apelo estético, repletas de cores marcantes, tomadas vistas do alto e cenas simétricas. No currículo, Anderson tem produções celebradas pela crítica como Os Excêntricos Tenenbaums (2001), Moonrise Kingdom (2012) e Grande Hotel Budapeste (2014).

Essa é a segunda animação em stop motion do diretor norte-americano. A primeira foi O Fantástico Sr. Raposo (2009). Nessa técnica, os personagens e elementos que compõem os cenários são feitos com materiais de verdade; no caso de Ilha dos Cachorros: marionetes de madeira e massinha de modelar.

Mas os pontos positivos da animação não estão apenas no campo estético.

Ilha dos Cachorros, que é indicado para maiores de 12 anos, aborda em sua elaborada narrativa questões políticos atuais, incluindo a experiência de um regime totalitário e xenofobia. O roteiro é assinado a oito mãos: além de Anderson, Jason Schwartzman, Kunichi Nomura e Roman Coppola aparecem nos créditos.

A trama gira em torno de Atari Kobayashi, um garoto japonês de 12 anos que mora na cidade de Megasaki, governada por um prefeito corrupto e autoritário chamado Kobayashi. Esse político aprova uma lei que proíbe cães de habitarem a região. Separado de seu melhor amigo canino, Atari decide roubar um jato e buscá-lo numa ilha coberta de lixo onde foram parar todos os ex-animais de estimação.

Ilha dos Cachorros conta também com grandes astros e estrelas de Hollywood no papel de dubladores dos personagens, incluindo Frances McDormand, Scarlett Johansson, Greta Gerwig e Bill Murray.

Em entrevista ao site Omelete, Murray comemorou a proposta da nova produção de Wes Anderson que, especula-se, está cotada para o Oscar 2019. "Este deve ser o filme mais político de Wes, um cineasta que nos brinda com um universo muito pessoal, de um colorido fabular. Investir na fábula neste momento em que a realidade do mundo anda tão dura parece uma subversão", disse o ator.

O jornal americano The New York Times cobriu o filme de elogios.

"Os cães proporcionam a emoção neste filme. Eles são surpreendentes, tocantes e companhias deliciosas caracterizadas por espirituosas vocalizações, marcas de expressão e de abuso - pelo emaranhada, feridas abertas, pernas com protuberâncias dolorosas e aquele olhar ansioso, triste de devoção que os cães mantêm até mesmo para os humanos mais indignos."

No Brasil, o clamor não é diferente.

"Difícil pontuar o que impressiona mais em Ilha dos Cachorros. A nova animação de Wes Anderson bombardeia o público de surpresas e estímulos vindos de todos os sentidos. Literalmente", diz a crítica do jornal Folha de S. Paulo.

Já o jornal O Globo aponta que a animação "constrói uma metáfora para a opressão autoritária de políticos e a falta de compaixão humana".

Assista ao trailer de Ilha dos Cachorros: