COMPORTAMENTO
19/07/2018 12:13 -03 | Atualizado 19/07/2018 12:13 -03

Como a neuroplasticidade pode te ajudar a se livrar de seus péssimos hábitos

Quanto tempo se leva para modificar um hábito?

Getty Images/iStockphoto

Maus hábitos – todos nós os temos. Quer seja algo aparentemente insignificante, como roer as unhas (confesso que faço isso) ou alguma coisa mais séria, como fumar, é provável que todo o mundo tenha pelo menos um hábito desagradável ou indesejado do qual gostaria de se livrar.

O problema é que isso é difícil de fazer. Depois de passar anos e anos fazendo a mesma coisa, conscientemente ou não, não é fácil acordar um belo dia e falar "acabou, não vou mais fazer" tal coisa.

Isso não significa que seja impossível romper um hábito. Na realidade, Kristen Hansen, especialista em neuroliderança e autora de um livro novo, "Traction", diz que o segredo está em um processo relativamente simples chamado neuroplasticidade.

O que é a neuroplasticidade?

A neuroplasticidade é simplesmente a capacidade de adaptação e mudança do nosso cérebro. Pelo fato de formar novas ligaçõs neuronais ao longo da vida, o cérebro é capaz de "reorganizar-se" e de se adaptar às nossas necessidades cambiantes.

A neuroplasticidade autodirigida é a capacidade de mudar seu próprio cérebro. É o processo que, diz Hansen, pode nos ajudar a modificar nossos hábitos.

Como se formam os maus hábitos?

"Os hábitos são formados como atalhos, uma maneira de nos poupar tempo ou dinheiro e nos proporcionar bem-estar", disse Hansen ao HuffPost Austrália.

"Um exemplo: se você está estressado e chupa um pirulito, é uma maneira de se sentir bem em um momento que não é muito bom. Se você fizer isso uma segunda ou terceira vez, pode virar um hábito."

Cludio Policarpo / EyeEm via Getty Images

"Esses atalhos se consolidam porque viram circuitos neuronais mais fortes. E não estou falando apenas nos hábitos maiores, como fumar ou comer compulsivamente. Estou falando de todos os hábitos. Pode até ser algo como apertar o botão de soneca do seu despertador todas as manhãs.

"Sempre que isso ocorre, você está criando um hábito."

Como posso me desfazer de meus maus hábitos?

1. Identifique seus hábitos

Em primeiro lugar, vale observar que nem todos os hábitos precisam ser rompidos. Na realidade, existem hábitos realmente positivos que merecem ser encorajados.

"A primeira coisa a fazer é analisar nossa vida para ver quantas coisas fazemos que simplesmente viraram hábitos que não nos ajudam", disse Hansen.

Getty Images

"Muitos de nossos hábitos nos fazem bem. Se você pratica exercício físico cinco vezes por semana, esse é um hábito saudável.

"Acho que o mais importante é identificar quais partes de sua vida são hábitos que o beneficiam e quais os que não lhe fazem bem.

"O primeiro passo é identificar esses hábitos e dividi-los em positivos ou negativos."

2. Entenda como modificar o cérebro

Segundo Hansen, não é possível realmente livrar-se de um hábito, simplesmente. O segredo é substituir um hábito por outro.

"A melhor maneira de criar novos circuitos neuronais é prestar mais atenção ao que fazemos", disse Hansen. "Se reagirmos com consciência e atenção, conseguiremos modificar o modo como reagimos."

Anchiy via Getty Images

"A partir do momento em que você toma consciência dos seus gatilhos, pode começar a criar uma reação alternativa", prosseguiu Hansen. "Essa será a reação 'positiva, preferível', nossa alternativa à reação de praxe.

"A ideia é, sempre que surgir o estímulo ou o desejo de praticar o hábito, contarmos com um hábito alternativo ao qual prestamos atenção. Se você sentir vontade de comer um doce porque está estressado, opte por uma xícara de chá em vez disso."

3. Pense em sua meta

Para ajudá-lo a ficar focado sobre sua meta, Hansen diz que é importante ter uma visão clara dela.

"Pergunte a si mesmo não apenas 'o que quero alcançar, e até quando?', mas também 'como será quando eu alcançar minha meta e como vou me sentir?'."

Getty Images/iStockphoto

"Infunda vida à meta em sua cabeça. Para isso, utilize a visualização criativa e envolva suas emoções.

"Por exemplo: "Até dezembro terei deixado de fumar e terei me tornado uma pessoa mais saudável e em forma. Me sinto mais feliz, orgulhoso e autoconfiante."

4. Preste atenção ao novo hábito que quer formar

Já definimos a ideia de substituir seu mau hábito por uma ação nova e mais positiva. Hansen diz que, se você quiser que o novo hábito realmente deite raízes, é preciso investir nele.

"A atenção pode ser definida em termos de quantidade e qualidade: com que frequência prestamos atenção a algo e com que intensidade", ela disse.

Getty Images/iStockphoto

"Isso é importante porque a neuroplasticidade requer que seja prestada atenção ao novo caminho neuronal, para que ele possa se formar.

"Podemos colocar lembretes no nosso telefone, podemos ter um coach ou podemos compartilhar nossa meta com nosso companheiro. Todas essas são boas maneiras de criar lembretes frequentes daquilo que estamos querendo alcançar."

5. Dê-se feedback positivo

Isso pode soar um pouco tolinho, mas Hansen diz que é um elemento crucial no processo da neuroplasticidade.

"É crucial nos recompensarmos pelas pequenas vitórias, em vez de passar tanto tempo nos criticando pelas coisas que não estamos fazendo perfeitamente", ela disse.

"Esse feedback positivo nos ajuda – acaba virando uma espécie de injeção de ânimo para nosso cérebro. Quando dizemos 'boa, você fez bem!' a nós mesmos ou quando outra pessoa nos diz isso, liberamos dopamina. Então nosso cérebro fica 'viciado'. Assim nós nos damos nosso próprio incentivo."

Getty Images/iStockphoto

Quanto tempo se leva para quebrar um hábito?

"O tempo necessário para criar um novo hábito depende do indivíduo, na realidade", disse Hansen. "Isso realmente depende de quão forte é sua meta de criar o novo hábito e quanta atenção você presta aos novos hábitos que quer criar.

"Mas, para falar a verdade, nunca vi ninguém conseguir criar um novo hábito em menos que três a quatro semanas.

"O mais importante é reconhecer que podemos realizar mais o nosso potencial como humanos, como gerentes, como pais, como companheiros, se prestarmos mais atenção consciente a como reagimos às coisas e não reagirmos sempre de modo automático.

"Em vez de simplesmente tentarmos nos livrar dos maus hábitos, é importante reconhecer que podemos criar muitos hábitos novos e benéficos nesse processo.

"Isso é importante para viver a vida da melhor maneira e expressar o que temos de melhor."

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.