POLÍTICA
18/07/2018 06:00 -03

PT divulga imagens inéditas de Lula enquanto espera que Justiça libere gravações

“Temos uma quantidade enorme de vídeos produzidos totalmente inéditos”, afirmou o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta.

Em vídeo para marcar os 100 dias de prisão, Lula reforça o discurso de perseguição judicial. "Parece que eu sou o sonho de consumo dos ministros que me julgaram e do juiz Moro", afirma.
NurPhoto via Getty Images
Em vídeo para marcar os 100 dias de prisão, Lula reforça o discurso de perseguição judicial. "Parece que eu sou o sonho de consumo dos ministros que me julgaram e do juiz Moro", afirma.

Após a Justiça negar permissão para o ex-presidente e pré-candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, gravar vídeos dentro da prisão, o partido decidiu divulgar imagens históricas e inéditas enquanto aguarda nova decisão. Condenado em 2ª instância por corrupção e lavagem de dinheiro, Lula está preso desde 7 de abril em Curitiba (PR).

Nesta terça-feira (17), foi publicado um vídeo para marcar os 100 dias de prisão em que o petista reforça o discurso de perseguição judicial. "Tem uma coisa muito grave acontecendo, porque parece que eu sou o sonho de consumo dos ministros que me julgaram e do juiz Moro, porque me parece que eles não querem, em hipótese alguma, junto com a Rede Globo de Televisão, e outros instrumentos de comunicação do Brasil, que a Lava Jato acabe ou que eu seja inocentado antes de ser preso", afirmou em referência ao juiz Sergio Moro, responsável por sua condenação em 1ª instância no caso do tríplex do Guarujá.

Lula também fez críticas aos juízes do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), a integrantes da Polícia Federal e do Ministério Público.

As imagens foram gravadas em São Bernardo do Campo (SP), horas antes da prisão. A estratégia do PT é divulgar conteúdos como este enquanto novas gravações não são liberadas. "Temos um quantidade enorme de vídeos produzidos totalmente inéditos que no momento adequado vamos usar", afirmou ao HuffPost Brasil o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS).

Algumas imagens foram produzidas originalmente para documentários e filmes. Outra parte do material foi gravado nas caravanas, inclusive a feita pelo ex-presidente no sul do País no início do ano.

Petistas também têm publicado vídeos em defesa do presidenciável. Dentro do PT, a aposta é de ampliar o número de aliados, incluindo um apoio do PSB e PCdoB no 1º turno. As conversas continuam entre as legendas, mas apesar de o esforço petista, a tendência é que o partido continue sozinho na corrida eleitoral. O PCdoB deve manter a candidatura de Manuela D'Ávila e o PSB está dividido entre apoiar Ciro Gomes (PDT) ou ser neutro na disputa.

FRANKLIN DE FREITAS via Getty Images
Petistas, como o líder da legenda na Câmara, Paulo Pimenta (RS), e o deputado Wadih Damous (RJ), têm publicado vídeos em defesa de Lula.

Permissão para Lula gravar vídeos

Em outra frente, a legenda espera para os próximos dias decisão do TRF-4 para que Lula possa gravar vídeos e participar de sabatinas eleitorais. O pedido foi negado pela juíza Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, na semana passada.

A magistrada afirmou que não há uma previsão expressa na Lei que permita as entrevistas. O artigo 41 da Lei de Execução Penal prevê o "contato com o mundo exterior por meio de correspondência escrita, da leitura e de outros meios de informação que não comprometam a moral e os bons costumes" como um dos direitos do preso, mas não diz expressamente se pessoas em privação de liberdade podem ser entrevistadas.

Críticos à decisão sustentam que o condenado mantém todos os direitos que não estejam vedados expressamente pela pena. "É uma pena adicional que não está prevista. Está sendo feita de maneira criminosa", afirmou Pimenta.

De acordo com o deputado, a jurisprudência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) estabelece que o cidadão não perde os direitos de liberdade de expressão até o trânsito em julgado na sentença, ou seja, até não ser possível mais recorrer. "O fato de STF (Supremo Tribunal Federal) ter autorizado o início do cumprimento da pena após decisão em 2ª instância não invalida a jurisprudência de questões como o direito de manifestação. A decisão da juíza é absolutamente ilegal", completou.

Sem permissão para Lula participar de sabatinas, o PT irá enviar representantes aos eventos, de acordo com o perfil de cada entidade que promover o debate. O principal nome é do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, coordenador do programa de governo petista e cotado como plano B do partido, caso a candidatura do ex-presidente seja barrada.

Apesar de a Lei da Ficha Limpa prever a inelegibilidade de condenados em 2ª instância, cabe à Justiça Eleitoral julgar. O PT promete registrar a candidatura de Lula em 15 de agosto, prazo final.