POLÍTICA
19/07/2018 09:04 -03 | Atualizado 19/07/2018 15:12 -03

Bolsonaro expõe ataques nas redes sociais e ironiza: 'Com o amor se combate o ódio'

Com pouco tempo de TV, ex-militar aposta na internet para interagir com eleitores e debocha do 'politicamente correto'.

Nelson Almeida/AFP/Getty Images e Reprodução/Twitter
Bolsonaro faz 'piada' com assuntos sérios para atrair militância e se manter em evidência.

O pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) tem usado as redes sociais para expor críticas e ataques que recebe de cidadãos comuns.

No dia 1° de julho, por exemplo, o deputado postou para 1,2 milhão de seguidores no Twitter a foto de um muro com a pichação "Morte aos bolsominions". À publicação, acrescentou o seguinte comentário: "O amor, a paz, a compreensão, o carinho, a educação..."

Famoso por declarações controversas a respeito de ditadura, tortura, mulheres, negros e LGBTs, o comentário do deputado sobre "amor" e "compreensão" soa como ironia. A incitação à violência, que deve ser rechaçada, vira alvo de deboche nas palavras do ex-militar.

Reprodução/Twitter

Com as postagens e declarações recentes, Bolsonaro também tenta desqualificar e expor o que seria uma contradição da esquerda, que, segundo ele, é a responsável pela disseminação do "politicamente correto".

Em sabatina realizada pelo Correio Braziliense no início de junho, Bolsonaro minimizou a importância de ações de combate ao discurso de ódio e disse que essa é uma "questão secundária" no Brasil.

"Essa historinha de ódio quem mais fala é o pessoal da esquerda. Sou uma das pessoas mais atacadas e não dou bola para isso", disse o pré-candidato.

"Sarcasmo"

Para o cientista político Pedro Arruda, professor da PUC-SP, as postagens de Bolsonaro evidenciam "sarcasmo" com a defesa dos direitos humanos.

"Beira o sarcasmo, porque o discurso dele é truculento e autoritário. Mas isso ajuda a atrair uma militância. Diante da ausência de conteúdo, acaba servindo para manter a atenção do público em geral", disse Arruda ao HuffPost Brasil.

"Levando em consideração que o Bolsonaro não tem propostas concretas para economia, saúde, educação, fazer brincadeira com assuntos que são muito sérios é uma forma de se manter em evidência", completou o professor.

Líder nas pesquisas de intenção de voto nos cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro aposta nas redes sociais para interagir com os eleitores. O PSL tem menos de 10 segundos de tempo de TV, e a proximidade do início oficial da campanha, em 16 de agosto, preocupa.

Reprodução/Twitter

Intolerância

Declarações controversas já renderam a Bolsonaro ações na Justiça e até condenações.

Por sua fala de que quilombola "não serve nem para procriar", foi processado por discriminação e condenado a pagar R$ 50 mil por danos morais. A decisão cabe recurso. O deputado também é réu no STF (Supremo Tribunal Federal) por apologia ao crime de estupro e injúria por dizer que a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) "não merece" ser estuprada por ele.

A polêmica mais recente envolvendo o presidenciável aconteceu na última sexta-feira (13). Em agenda em Eldorado do Carajás, no Pará, Bolsonarodefendeu policiais presos pela morte de 19 trabalhadores sem-terra em 1996, em massacre que marcou a região.

"Quem tinha que estar preso era o pessoal do MST [Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra], gente canalha e vagabunda. Os policiais reagiram para não morrer", afirmou.

O impacto negativo da declaração, no entanto, foi alto.

De acordo com o site de notícias jurídicas Jota, levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP-FGV) apontou que a fala de Bolsonaro sobre Eldorado dos Carajás repercutiu de maneira majoritariamente negativa nas redes sociais, o que é raro no histórico de engajamento do ex-militar.