COMPORTAMENTO
11/07/2018 16:32 -03 | Atualizado 11/07/2018 16:36 -03

A diferença entre amor e tesão, segundo especialistas em relacionamento

Como saber se as sensações têm mais a ver com amor duradouro ou com o tesão passageiro?

Getty Images

Quando arrumei um emprego durante as férias da universidade, fiquei a fim de um cara muitos anos mais velho. Foi uma daquelas paixões que não te deixam comer nem dormir.

Se estava na máquina de xerox e ele passava olhando para mim, sentia um frisson que me deixava corada e com as pernas bambas. Cada mensagem que ele me mandava me fazia suar frio.

Eu tinha 20 anos, e achei que aqueles sentimentos intensos eram um bom sinal – não é assim que a gente se sente quando está se apaixonando? Hoje, quase dez anos depois, percebo que na verdade aquilo tudo tinha mais a ver com tesão que com amor.

Nos anos 1990, uma equipe de pesquisadores liderada pela bioantropóloga Helen Fisher estudou a ciência por trás do amor e do tesão. Eles dividiram o amor romântico em três categorias distintas: tesão, atração e apego, cada uma delas associada a uma química mental própria.

Os pesquisadores descobriram que o tesão, que tem origens no desejo de gratificação sexual, libera hormônios como testosterona e estrogênio, responsáveis pelo aumento da libido.

A atração descreve um tipo de sentimento que vai além do sexo – você não consegue parar de pensar na pessoa e passa o dia imaginando o que fazer para estar com ela. Neste caso, são liberados neurotransmissores como dopamina e norepinefrina, o que pode causar sensações de euforia, perda de apetite e do sono.

A terceira categoria é o apego, ou "amor com companhia". Em comparação com o tesão e a atração, o apego tende a ser mais forte e duradouro. Ele libera hormônios como oxitocina e vasopressina.

Química cerebral à parte, como saber se as sensações têm mais a ver com amor duradouro ou com o tesão passageiro? Para entender melhor as diferenças, procuramos especialistas em relacionamentos. Eis o que eles nos disseram:

Tesão tem a ver com conexão física. Amor, com conexão emocional.

"Tesão é a sensação intensa de querer transar com alguém. Amor é querer transar com a pessoa e também ter proximidade emocional. Amor significa querer passar tempo com o parceiro e ouvir as necessidades dele ou dela, para sentir a conexão. Você também está interessado em conhecer os amigos da pessoa amada. Tesão significa que você está mais interessado em transar do que em conversar de forma íntima ou conhecer os amigos daquela pessoa." – Judith Orloff, psiquiatra e autora de The Empathy's Survival Guide (o guia da sobrevivência da empatia, em tradução livre)

Tesão é impulsivo. Amor leva tempo.

"O amor tem raízes na recompensa retardada, enquanto o tesão tem a ver com o prazer instantâneo. O tesão é um sprint; o amor, uma maratona. Amor significa aceitação; tesão significa deleite." – Janet Brito, psicóloga e terapeuta sexual do Center for Sexual and Reproductive Health

Tesão fica na superfície. Amor vai fundo.

"Tesão é um estado mental focado em partes do corpo, sedução, poder, fantasia e excitação. Amor é arriscado e dá medo no nível emocional. Você se torna muito real e vulnerável, confia seus medos e esperanças ao outro, conta histórias de orgulho e de vergonha, esperança e decepção, permite-se ser conhecido. Amor é baixar a guarda e permitir que o outro acesse áreas que nem você mesmo gosta de visitar." – Ryan Howes, psicólogo

Tesão é curto e repentino. Amor é lento e constante.

"Amor significa comprometer-se com uma viagem longa. Quando o tesão está no controle, os parceiros podem ir ao pico e ao buraco mais fundo em uma noite, literalmente. O amor depende de comprometimento e resistência. O tesão tem raízes no desejo físico e muitas vezes resulta em ficadas que não satisfazem completamente. O amor é a chama-piloto reconfortante que, se alimentada direito, pode manter acesa a chama do casal por uma vida inteira. O tesão pode ser uma fogueira sexual intensa, mas o sexo sem relacionamento rapidamente vira cinzas." – Iris Krasnow, autora de Sex After: Women Share How Intimacy Changes As Life Changes (o sexo depois: as mulheres contam como a intimidade muda com a vida, em tradução livre)

Amor aumenta com o tempo. Tesão diminui com o tempo.

"O amor tem raízes no apego e na ligação que vão crescendo com o tempo. O tesão tem a ver com um desejo intenso, mas que vai diminuindo de intensidade. O tesão parece uma montanha-russa de emoções movida por forças biológicas e ativada pelo nosso centro de recompensas, que busca prazer e conexões. O amor parece o desejo e a necessidade de ligações – e fatores biológicos, socioculturais e psicológicos determinam seu desenvolvimento." – Shannon Chavez , psicóloga e terapeuta sexual

Tesão tem a ver com você. Amor tem a ver com o outro.

"Quando você sente tesão por alguém, precisa possuir a pessoa. Você precisa daquele corpo ou daquela presença em sua vida, como se sua sobrevivência estivesse em jogo. Você certamente vai querer amar alguém na vida, mas, se aquela pessoa for mais feliz sem você, é isso o que você vai querer para ela. Quando descobre que o bem-estar do outro está à frente dos seus desejos, você está apaixonado." – Howes

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.