POLÍTICA
09/07/2018 14:15 -03 | Atualizado 09/07/2018 14:34 -03

PT estuda ‘todas as formas possíveis’ de responsabilizar Moro pelo impasse no pedido de soltura de Lula

Para a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, imbróglio jurídico sobre a soltura de Lula mostra que a liberdade do ex-presidente é viável.

Adriano Machado / Reuters
"O governo brasileiro tem que explicar porque a Polícia Federal não cumpriu decisão judicial", diz Gleisi Hoffmann sobre pedido de soltura de Lula.

Em reunião nesta segunda-feira (9), o Conselho Político do Partido dos Trabalhadores decidiu partir para cima do juiz Sergio Moro, responsável pela condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 1ª instância.

O partido estuda "todas as formas possíveis" de responsabilizá-lo pelo impasse no pedido de soltura do ex-presidente, autorizado pelo desembargador de plantão do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4 Região) Rogério Favreto, mas negado pelo presidente da corte, desembargador Thompson Flores.

Ao longo do domingo (8), o desembargador de plantão emitiu 3 vezes a ordem para soltar o ex-presidente. Logo após a primeira decisão, o juiz Sergio Moro, que está de férias, publicou um despacho, no qual rechaçou a ordem de soltura e argumentou que o desembargador plantonista não tem competência para sobrepor a uma decisão de colegiado e do STF (Supremo Tribunal Federal).

Para o PT, a interferência de Moro mostra que há um arranjo contra o ex-presidente. "É extremamente grave o que ocorreu. É um ataque ao devido processo legal, que vai levar a maior instabilidade do País", argumenta a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR).

Ela garante que o partido "não vai arredar o pé da candidatura" do ex-presidente. "Não reconhecemos a decisão judicial [que prendeu o petista], que é uma decisão injusta. Lula é inocente, até agora não apresentaram prova concreta contra ele", disse a senadora, em coletiva de imprensa, após reunião do conselho.

Segundo ela, o petista chegou a porta da Polícia Federal, em Curitiba, onde está preso desde 7 de abril, esteva pronto para sair, mas descrente. "Ele já tinha dúvida porque está sendo vítima de perseguição constante, mas é frustrante."

A petista acusa o juiz Sergio Moro de conluio com desembargadores e a Polícia Federal para barrar a liberdade de Lula. "Falta isenção no Judiciário. Vamos, enquanto pessoas e movimentos sociais, representar contra Moro e os desembargadores envolvidos."

Gleisi disse ainda que vai exigir uma resposta do presidente Michel Temer. "O governo brasileiro tem que explicar porque a Polícia Federal não cumpriu decisão judicial." O impasse, na avaliação dela, mostra que a liberdade do ex-presidente é viável.

Oportunismo

Um dos autores do pedido de habeas corpus para soltar o ex-presidente, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) corroborou as afirmações da presidente do partido. "Ordem judicial não se questiona, se cumpre. Sergio Moro pediu para a polícia não cumprir uma ordem. Inauguramos uma Justiça que decide de férias."

A Constituição foi rasgada por um juiz de 1º grau e o tema foi assistido pelos tribunais superiores. O STF tem a obrigação de colocar os pingos nos i's.Deputado Paulo Teixeira

O deputado negou que tenha aproveitado que o desembargador de plantão é conhecido por ser crítico à Operação Lava Jato e já ter sido filiado ao PT. Segundo ele, o pedido judicial foi decidido às vésperas, a Justiça funcionou em horário alternativo por causa do jogo da Seleção Brasileira na Copa e o habeas corpus "caiu na mão desse desembargador".