07/07/2018 00:00 -03 | Atualizado 07/07/2018 00:00 -03

Da publicidade ao posto de gasolina: O combustível de Veruschka Fonseca

Ela precisou largar a carreira de publicitária e assumir a empresa do pai sem saber nada sobre o negócio: um posto de gasolina com 40 funcionários. "Da noite pro dia eu era funcionária e virei empregadora."

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
Veruschka Fonseca é a 122ª entrevistada do projeto "Todo Dia Delas", que celebra 365 Mulheres no HuffPost Brasil.

Depois de 20 anos no ramo da publicidade, ela achava que a vida estava estável e amava trabalhar com mídia. Até que um dia, tudo mudou. Há dois anos e meio, depois de um problema familiar, Veruschka Fonseca, 47 anos, teve que largar a carreira e assumir a empresa do pai: um posto de gasolina com 40 funcionários, loja de conveniência, troca de óleo e lavagem sem saber nada sobre o negócio. Foi uma reviravolta e ela teve que ultrapassar barreiras que nunca antes imaginara. Mas aceitou o desafio e hoje sente que pode ir além e que cada um pode transformar sua realidade para melhor.

"No início foi bem difícil porque além de eu pegar a empresa e ter que tocar sozinha, o cenário do País era de crise e estávamos passando por uma fase terrível, várias empresas fecharam e demitiram horrores. Então tive que enxugar, cortar custos, sem saber nada e aprendendo na marra". Apesar do pai ser o dono da empresa, ela não sabia muito a fundo sobre o trabalho, então precisou começar do zero. "Da noite pro dia eu era funcionária e virei empregadora. Sempre dei pitaco na publicidade do posto, mas as funções são muito mais amplas e a responsabilidade é muito grande. Tem que saber de recursos humanos, financeiro, além da legislação que envolve e vai desde o recebimento do combustível até as preocupações ambientais", conta Versuchka.

Eu parto do princípio de que pra você comandar, precisa saber, então eu vinha pra pista aprender a mexer na bomba.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
O posto que funciona há 46 anos no centro de Brasília nunca tinha tido uma mulher no comando.

Em suas novas funções, a publicitária fazia o controle da troca de óleo, tentava entender como funcionava a lavagem à seco, como eram os procedimentos preventivos da pista de combustível, coordenação de estoque da loja de conveniência, gestão pessoal, além da comunicação e programação visual. Para aprender, ela conta que é necessário não ter vergonha de perguntar. "Quando os meus fornecedores vinham, por exemplo, fazer o recolhimento de resíduo, eu perguntava: você pode vir aqui me dar uma aula? Se dava um problema na bomba eu enchia todo mundo de pergunta: pra que serve isso, como funciona aquilo? Eu tinha que ser humilde. E muitos me ajudaram", relembra.

O posto que funciona há 46 anos no centro de Brasília nunca tinha tido uma mulher no comando. Entrar num universo tão masculino foi o que pegou Versuchka de surpresa. "No início alguns homens me olhavam meio desconfiados, mas sempre houve uma questão de respeito. Só em alguns poucos casos esporádicos, tive que me impor". Agora ela acredita que seu trabalho na gerência deve entrar por uma outra fase. "Fiquei aqui e acabei gostando. Antes eu tinha muita demanda, agora posso entrar mais afundo em outras questões. Tenho algumas ideias inovadoras na gaveta que nenhum posto fez ainda", revela.

Nunca imaginei que eu daria conta, olho pra atrás e penso: 'como eu consegui?' Mas às vezes a nossa única opção é ser forte.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
Vida de Verushka deu uma "virada de 360 graus" que a fez se sentir capaz de enfrentar qualquer coisa.

Na última greve dos caminhoneiros que causou filas em diversos postos do País, Veruschka encarou a crise como uma chance de se aproximar dos clientes e proporcionar um outro tipo de serviço. "Foi muito tempo que todos passaram aqui e quando chegava o combustível, temos um procedimento de teste de qualidade que demora 40 minutos até descarregar. Então, colocamos um músico tocando jazz no saxofone enquanto tinha fila, o que acalmou todo mundo. E também foi uma ótima oportunidade de falar com cada cliente".

A minha vida deu uma virada de 360 graus, mas agora me sinto mais segura. Posso encarar qualquer coisa.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
O novo desafio fez com que ela se interessasse por outras questões que vão além do combustível.

Veruschka acredita que as mulheres devem cada vez mais ocupar os espaços antes preenchidos exclusivamente por homens. "Acho que as mulheres são mais detalhistas no controle e nos processos. E até no cuidado geral mesmo, de ter um café ali na pista de abastecimento, de decorar o banheiro, porque não precisa ser impessoal porque você está num posto de gasolina. As mulheres está dominando tudo porque cada vez mais elas estão descobrindo que podem sobreviver sozinha e isso é maravilhoso".

As mulheres estão conquistando o mundo e todas as áreas por causa desta sensibilidade e do nosso detalhamento.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
Veruschka acredita que as mulheres devem cada vez mais ocupar os espaços antes preenchidos exclusivamente por homens.

A nova função também trouxe novas perspectivas pra ela profissionalmente. "Esse trabalhou despertou algumas coisas em mum que eu nem sabia nem que gostava, especialmente parte de compostagem de resido sólido de reciclagem, então ainda penso em fazer uma pós graduação na área ambiental", aponta.

Ficha Técnica #TodoDiaDelas

Texto: Tatiana Sabadini

Imagem: Tatiana Reis

Edição: Andréa Martinelli

Figurino: C&A

Realização: RYOT Studio Brasil e CUBOCC

O HuffPost Brasil lançou o projetoTodo Dia Delas para celebrar 365 mulheres durante o ano todo. Se você quiser compartilhar sua história com a gente, envie um e-mail para editor@huffpostbrasil.com com assunto "Todo Dia Delas" ou fale por inbox na nossa página no Facebook.

Todo Dia Delas: Uma parceria C&A, Oath Brasil, HuffPost Brasil, Elemidia e CUBOCC.