MULHERES
02/07/2018 19:09 -03 | Atualizado 02/07/2018 19:19 -03

O que você precisa saber sobre a vinda de Malala Yousafzai ao Brasil

A jovem paquistanesa participará de evento fechado para convidados e entidades no próximo dia 9 de julho, em São Paulo.

Em 2012, Malala foi atingida na cabeça em um atentado que chocou o Paquistão e o mundo.
AFP Contributor via Getty Images
Em 2012, Malala foi atingida na cabeça em um atentado que chocou o Paquistão e o mundo.

Ela tem só 20 anos. É a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da Paz. Está na lista dos 30 jovens mais influentes do mundo. Quer estimular a educação de meninas e criou uma organização para isso. Já fez um discurso na ONU. É dona do Prêmio da Paz para a Infância. Ganhou a Medalha da Liberdade, do Centro Nacional Constitucional, nos Estados Unidos. Foi reconhecida como cidadã canadense. Concluirá seus estudos em Oxford, na Inglaterra e, sobretudo, enfrentou o Talibã para que sua voz pudesse ser ouvida.

Ela é Malala Yousafzai.

A jovem paquistanesa virá pela primeira vez ao Brasil no próximo dia 9 de julho. Ela vai participar de um evento fechado para convidados, a convite do Itaú Unibanco, em São Paulo, para discutir o papel da educação no desenvolvimento infantil e das mulheres no Brasil. Alunos de escola pública e representantes de ONGs brasileiras também participarão do evento, que será transmitido pelas redes sociais do banco.

"Eu sou Malala"

AFP Contributor via Getty Images
Ativistas e estudantes seguram a biografia de Malala, "Eu Sou Malala", escrita por Christina Lamb.

Foi em 9 de outubro de 2012 que tudo mudou. De dentro de um ônibus escolar, ao lado de outras meninas, Malala voltava para casa depois de um dia letivo e foi alvo de um ataque a tiros por membros do Talibã. À época a jovem morava no Vale do Swat, uma região no norte do Paquistão, e defendia publicamente, em um blog, o direito à educação para meninas em seu país -- pensamento este que os talibãs não compartilham.

Malala foi atingida na cabeça em um atentado que chocou o Paquistão e o mundo. Com a repercussão, entidades internacionais foram acionadas e ela foi retirada de seu país ao lado de sua família e levada ao Reino Unido. Em uma cirurgia de sucesso, médicos conseguiram salvar a vida de Malala que, hoje, terminou o ensino médio e estuda filosofia, política e economia na Universidade de Oxford.

Recentemente, cercada por um forte esquema de segurança, a menina que hoje é uma das maiores ativistas mundiais, retornou ao seu país de origem. "Meu sonho se tornou realidade", escreveu em texto publicado no site do Fundo Malala. "Quando eu não voltei para casa da escola naquele dia em 2012, minha mãe se perguntou se eu um dia veria meu quarto de novo, se ela um dia teria um momento quieto com sua filha em nossa casa".

Hoje, a história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã virou símbolo.