LGBT
25/06/2018 18:18 -03 | Atualizado 27/06/2018 18:18 -03

Esta mãe carrega o mesmo cartaz desde 1971 na Marcha do Orgulho LGBT em Nova York

Frances Goldin faz parte da história do Orgulho de Nova York.

Sally Goldin
Frances Goldin is a staple at NYC Pride.

"Adoro minhas filhas lésbicas. Protejam a segurança delas."

Para muitas pessoas em Nova York, este cartaz é algo imediatamente reconhecível no meio do mar de rostos que lotam a marcha do Orgulho em Nova York todos os anos. Ela é carregada por Frances Goldin, 94 anos, mãe de duas lésbicas. Ela participou da marcha quase todos os anos desde 1971, o ano em que suas filhas saíram do armário.

"A primeira vez que vi a reação das pessoas ao meu cartaz, fiquei incrivelmente comovida", contou Goldin ao HuffPost. "As pessoas chegavam em mim com lágrimas nos olhos e me agradeciam por dar esse apoio. Diziam: 'Você poderia telefonar ao meu pai/ minha mãe? Você poderia ser minha mãe?' Esses jovens querem desesperadamente que seus pais os amem e apoiem pelo que eles são."

A recepção dada ao seu cartaz – que originalmente dizia apenas "Adoro minhas filhas lésbicas" – levou Goldin a voltar à Marcha do Orgulho ano após ano. Ela decidiu acrescentar "Protejam a segurança delas" ao cartaz quando tomou parte da Marcha a Washington pelos Direitos Iguais e a Liberação de Lésbicas, Gays e Bissexuais, em 1993, porque achou que seu cartaz precisava reivindicar uma ação.

O verso do cartaz diz "As diferenças nos enriquecem".

Gina Kaysen
Frances Goldin holds her sign at an early Pride march.

Goldin tem um histórico longo de ativista. Ela foi apresentada à política radical quando se casou, aos 20 anos, com Morris Goldin. Entre muitas outras causas, ela se tornou ativista pela habitação quando se mudou para o Lower East Side, em 1945. Desde então, ela participa da luta por habitação acessível.

Goldin se candidatou a senadora estadual em 1953 pelo Partido Trabalhista Americano, um partido socialista, ao lado do Dr. W.E.B. Du Bois. Ela se envolveu em protestos em defesa dos direitos civis e no movimento contra a guerra no Vietnã. "Meu sonho é que o regime/paradigma/máquina de guerra seja derrubado e que possamos viver em um mundo onde todos tenham comida, abrigo e dinheiro para viver vidas produtivas e realizadas", disse Goldin.

Ao longo de sua vida de ativista ela tem sido defensora destacada dos direitos das pessoas queer, como suas filhas.

"Minha vida foi enriquecida pelo fato de eu ter conhecido pessoalmente a comunidade LGBT e feito parte dela. Graças a isso, fiz muitos novos e queridos amigos e ampliei meu ativismo político", ela comentou.

Ryan Joseph
Frances Goldin at an Occupy Wall Street protest.

Apesar de estar ficando mais velha, Goldin ainda faz um esforço para assistir às marchas do Orgulho todos os anos, sempre com seu cartaz memorável na mão.

"Sempre digo a outros pais que não há filhos que se entregam mais que os filhos gays e lésbicas", Goldin disse anteriormente ao HuffPost. "E que eu tenho as filhas mais amorosas, prestativas e úteis do mundo, porque eu apoio minhas filhas e elas me apoiam. Por isso, por favor, amem e valorizem seus filhos gays e lésbicas."

Courtesy of Frances Goldin.
Frances Goldin with her daughters.
Courtesy of Frances Goldin.
Frances Goldin shows the other side of her sign.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.