24/06/2018 00:00 -03 | Atualizado 25/06/2018 10:45 -03

Karoline Portela 'Kalibre': A tatuadora que enaltece o poder da história e da pele negra

Dona da Diáspora Tattoo, em Brasília, ela trabalha com temática africana e é especialista em peles negras: "Se tatuagem é uma parada tão ancestral, por que eu não posso trazer pros dias de hoje e pra pele preta?"

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
Karoline Portelo "Kalibre" é a 109ª entrevistada do projeto "Todo Dia Delas", que celebra 365 Mulheres no HuffPost Brasil.

A grande deusa africana Oyá é conhecida por ser rainha dos ventos: ora suave como a brisa, ora poderosa como um ciclone. Ela é a mulher que, como conta a mitologia africana, derruba a porta velha com um machado para abrir novos caminhos. Assim também é a tatuadora Karoline Portela "Kalibre", de 27 anos: ao mesmo tempo em que passa calma e tranquilidade em sua fala, tem força suficiente para quebrar barreiras e correr na direção de seus objetivos. Com a determinação e acompanhada por seus orixás, ela idealizou e abriu um estúdio de tatuagem na periferia de Brasília que tem como premissa enaltecer temática negra e africana.

Ela é especialista em tatuar peles negras e, nelas, deixa as marcas das histórias que cada cliente busca não esquecer. Filha de uma artesã, Karol aprendeu com a mãe a desenvolver seu lado artístico. Na escola em Planaltina — cidade satélite do DF — percebeu que tinha um lado artístico quando ganhou um concurso de desenho e depois acabou indo pro grafite, que a mostrou que tudo era possível. "Foi o que me trouxe a coisa de ser mais livre, de fazer um personagem com a cabeça e desenho maior, sem medo do padrão", relembra. Começou a frequentar os estúdios de tatuagem perto de casa e ficou encantada. Logo estava trabalhando com bodypiercing e nas horas vagas, desenhava.

O que sempre me encantou na tatuagem é a autonomia para modificar seu corpo independente da sua personalidade ou caráter.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
Em cada cliente, Karol deixa as marcas das histórias que cada um deles busca não esquecer.

Aos 20 anos, começou a receber incentivos pra tatuar, mas demorou para acreditar em si mesma. "Eu achava aquilo um trabalho surreal, que era uma coisa mágica, dos deuses; mas peguei uma máquina e fiz minha primeira tattoo em uma pele de porco e fui pintando minha irmã, amigos e foi indo", conta em entrevista ao HuffPost Brasil. Apesar do incentivo inicial, ela começou a ver que rolavam competições entre tatuadores e acabou se afastando um pouco; sentiu que não se encaixava em nenhum grupo. "A partir deste momento eu comecei a ver minha autonomia pra certas coisas e ir atrás do meu próprio espaço". Foi então que resolveu se mudar pra Ceilândia, outra cidade satélite do DF, e criar seu público.

Meu trabalho como mulher preta da quebrada é ir entrando e introduzir a minha arte... quando você vê, já foi.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
Foi a inquietação de não encontrar especialistas em tatuagem para peles negras que ela escolheu trilhar o próprio caminho.

Quando começou a tatuar, Karol sabia que queria se especializar em peles negras. Ela não se conformava quando ouvia alguém dizer que tatuagens só foram feitas para determinado tipo de pigmentação de pele. "Ainda existe muito esse conceito que uma boa tatuagem só pode ser feita em pele clara. E eu estava promovendo uma arte também; por que eu não poderia fornecer um trabalho de boa qualidade? Aquilo foi me incomodando". A inquietude de não conhecer meios ou nenhuma tatuadora executando alguma técnica específica para peles negras fez com que ela fosse atrás das próprias experiencias e experimentos.

Se tatuagem é uma parada tão ancestral, por que eu não posso trazer pros dias de hoje e pra pele preta? Então, fui aprendendo com meus meios.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
"O pessoal acha que só porque somos um estúdio na quebrada, ele não pode ser limpo ou bom."

Karol nunca foi de ficar parada. Ela se movimenta onde vai e tenta fazer acontecer. Quando mudou pra Ceilândia, começou a morar em um lote com outras mulheres e, a partir desse contato, ela criou um agito pra nascer um espaço de cultura, chamado Casa Dandara. "Sempre fui pro-ativa e percebi que faltava uma movimentação com arte, música, pra trazer um senso mais coletivo, então comecei a catar pessoas", lembra. No local, eram ministradas aula de capoeira, cultivo de horta, produção grafite, de poesia -- além de um cineclube com documentários de cineastas independentes.

Depois de se envolver com cultura, ela começou a buscar iniciativas do governo para incentivar a arte. E foi aí que resolveu, de fato, de arriscar. Karol se inscreveu com um projeto do estúdio de tatuagem com foco apenas em peles negras. Se não havia lugar pra ela, ela fez, e ele aconteceu. "Com a aprovação do projeto, eu comprei macas, material e aluguei o espaço onde eu tive a oportunidade de ser acolhida. Porque é meu, entende?". Assim nasceu o Diáspora Tattoo. Um lugar de resistência com paredes amarelas, repleto de desenhos de mulheres negras, com a placa "Permitido respeitar as rainhas", que ela divide com o tatuador Wellington "Rasta" Nascimento.

Encontrei várias pedras no caminho nesse processo, mas não desisto. Só quero curtir a minha arte.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
A grande deusa africana Oyá é conhecida por ser rainha dos ventos: e Karol é como ela, forte e ao mesmo tempo leve.

Empreender, no entanto, tem sido uma batalha. Não só na parte financeira, mas para realizar o projeto em si. "Você chega num estúdio onde ninguém é chefe, um espaço onde se respeita as mulheres, onde você vai tatuar gente preta e de tudo quanto é lugar. É difícil a galera se disciplinar dentro disso, porque a gente é criado pra obedecer regras e escutar vários 'nãos'. E nós precisamos de pessoas pró-ativas. O pessoal acha que só porque somos um estúdio na quebrada, ele não pode ser limpo ou bom", reclama. Outros cinco tatuadores já passaram pelo estúdio, que hoje tem quase uma no de funcionamento. "Já ouvi tatuador negro dizer: 'eu odeio tatuar pele preta' e eu falei 'negão, então o que você tá fazendo aqui?'"

A tatuagem é muito elitizada e ter esse espaço é uma oportunidade de mudar um pouco isso.

Tatiana Reis/Especial para o HuffPost Brasil
Em sua perna direita, Karol tem a silhueta de Angela Davis tatuada com a frase "Power to the people" (Poder para o povo, em português).

Com o tempo e experiência, Karol desenvolveu o próprio estilo. Para as peles negras, ela usa um pigmento mais forte. Em seus desenhos, estão mulheres fortes, com cabelos altos, encaracolados e que transpiram força. "Todas elas têm um pouco de mim, tenho feito muitas com um padrão de deixar o olho sem íris para remeter à questão da ancestralidade, pelas mulheres que foram, das que são e das que irão".

Ficha Técnica #TodoDiaDelas

Texto: Tatiana Sabadini

Imagem: Tatiana Reis

Edição: Andréa Martinelli

Figurino: C&A

Realização: RYOT Studio Brasil e CUBOCC

O HuffPost Brasil lançou o projeto Todo Dia Delas para celebrar 365 mulheres durante o ano todo. Se você quiser compartilhar sua história com a gente, envie um e-mail para editor@huffpostbrasil.com com assunto "Todo Dia Delas" ou fale por inbox na nossa página no Facebook.

Todo Dia Delas: Uma parceria C&A, Oath Brasil, HuffPost Brasil, Elemidia e CUBOCC