NOTÍCIAS
22/06/2018 07:44 -03 | Atualizado 22/06/2018 07:44 -03

Alerta para o Brasil: Costa Rica deixou gigantes para trás na Copa da Rússia

Próxima rival da Seleção mandou Itália e Inglaterra para casa na primeira fase no Mundial 2014.

Keylor Navas é uma das armas da Costa Rica para voltar a surpreender rivais e complicar a vida do favorito Brasil.
Jamie Squire - FIFA via Getty Images
Keylor Navas é uma das armas da Costa Rica para voltar a surpreender rivais e complicar a vida do favorito Brasil.

Derrotada pela Sérvia na rodada inicial do Grupo E da Copa da Rússia, a Costa Rica não deverá ser um adversário fácil para a Seleção Brasileira nesta sexta-feira (22), às 9 horas (horário de Brasília).

Além de contar com o goleiro Keylor Navas, destaque do Real Madrid, o time manteve a base que disputou a Copa de 2014 e mostrou, em território brasileiro, que não tem problemas em deixar "gigantes" do futebol mundial pelo caminho.

Apontada como provável saco de pancadas antes do início da competição disputada há 4 anos, a Costa Rica surpreendeu e se classificou como primeira colocada em um grupo que contava com três seleções de peso, todas campeãs mundiais: Uruguai, Inglaterra e Itália.

Os costarriquenhos estrearam batendo o Uruguai por 3 a 1, bateram a Itália na rodada seguinte por 1 a 0 e fecharam a primeira fase empatando sem gols com a Inglaterra. A combinação de resultados mandou para casa as badaladas Itália e Inglaterra já na primeira fase.

Nas oitavas de final, os costarriquenhos despacharam a Grécia, nos pênaltis, após empate por 1 a 1 e chegaram pela primeira vez, ao grupo das oito melhores seleções do mundo.

Adeus invicta

Apenas nas quartas deram os costarriquenhos deram adeus à competição, mas, como se diz na gíria futebolística, "caíram de pé".

A Costa Rica foi eliminada de forma invicta, após segurar empate diante da Holanda no tempo normal e na prorrogação.

A queda foi consolidada na "loteria" dos pênaltis, com uma derrota por 4 a 3 para os europeus, que terminariam a competição na terceira colocação, com uma vitória por 3 a 0 sobre o Brasil.

Tite estudou rivais

Para não ser surpreendido e correr o risco de dar adeus à Copa já na primeira fase, o técnico Tite estudou de perto o poderio da Costa Rica, e acompanhou o desempenho da rival no amistoso diante da Inglaterra, às vésperas da Copa. Os europeus levaram a melhor e venceram por 2 a 0.

Oscar Ramirez, comandante da Costa Rica, também pareceu estar preparado para o desafio e, em entrevista coletiva, disse estar acompanhando de perto o Brasil desde que Tite assumiu o comando do time verde-amarelo.

"Estamos vendo o Brasil desde o que fez na Eliminatória quando assumiu o senhor Tite. Eu tinha em mente o trabalho de 2014, mas, ao ver o trabalho de Tite, constatei que a equipe tem um meio-campo bastante equilibrado".