POLÍTICA
12/06/2018 10:10 -03 | Atualizado 12/06/2018 10:10 -03

Operação da Polícia Federal investiga Cristiane Brasil por fraude no Ministério do Trabalho

“Espero que as questões referentes sejam esclarecidas e meu nome limpo”, disse deputada que já foi cotada para ser titular da pasta no governo Temer.

Filha do deputado cassado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, Cristiane Brasil foi nomeada pelo presidente Michel Temer para assumir o Ministério do Trabalho em janeiro, mas sua posse foi barrada pela Justiça.
Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados
Filha do deputado cassado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, Cristiane Brasil foi nomeada pelo presidente Michel Temer para assumir o Ministério do Trabalho em janeiro, mas sua posse foi barrada pela Justiça.

O gabinete da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) foi alvo de operação da Polícia Federal nesta terça-feira (12). A suspeita é de participação em fraudes na concessão de registros sindicais no Ministério do Trabalho, pasta que a parlamentar quase assumiu no início do ano.

A operação na Câmara dos Deputados, autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) começou antes das 7h e faz parte da 2ª fase da Operação Registro Espúrio. A 1ª fase da investigação da organização criminosa responsável pelo esquema ocorreu em maio.

Nesta terça, a Polícia Federal também cumpre outros 2 mandados de busca e apreensão em endereços ligados à deputada no Rio de Janeiro. Segundo a PF, serão expedidas ainda medidas cautelares para impedir que os investigados entrem em contato com servidores do ministério.

Em nota, a deputada afirmou que se surpreendeu com a operação e não tem papel nas decisões tomadas pelo Ministério do Trabalho. "Espero que as questões referentes sejam esclarecidas com brevidade e meu nome limpo", afirmou.

De acordo com as investigações, os registros de entidades sindicais no ministério eram obtidos mediante pagamento de vantagens indevidas. Os valores teriam chegado a R$ 4 milhões pela liberação de um único registro sindical.

Conversas de WhatsApp do funcionário do Ministério do Trabalho Renato Araujo Júnior, preso na primeira fase da operação revelaram que a deputada o indicou para o cargo de chefia no ministério e controlava a aprovação dos registros sindicais, segundo a PF. A operação apontou um "loteamento" de cargos da pasta entre os partidos PTB e Solidariedade.

Cristiane Brasil quase se torna ministra

Filha do deputado cassado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, Cristiane Brasil foi nomeada pelo presidente Michel Temer para assumir o Ministério do Trabalho em janeiro, mas sua posse foi barrada pela Justiça.

A 1ª decisão foi da 4ª Vara Federal Criminal de Niterói, em resposta a uma ação popular que pedia a suspensão da posse devido ao fato de a parlamentar ter sido condenada a pagar R$ 60 mil por dívidas trabalhistas com dois ex-motoristas.

A disputa judicial continuou. A Advocacia-geral da União (AGU) recorreu e o STJ (Superior Tribunal de Justiça) chegou a autorizar a posse, mas ela foi suspensa posteriormente pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.

Em fevereiro, o governo cancelou formalmente a nomeação e Helton Yomura, então secretário-executivo no Ministério do Trabalho, assumiu o comando da pasta.