NOTÍCIAS
27/05/2018 16:20 -03 | Atualizado 27/05/2018 16:20 -03

Greve dos caminhoneiros: Maioria aprova paralisação no Twitter

Especialista em redes sociais analisou mais de 8 mil tweets.

Caminhoneiros bloqueiam Régis Bittencourt, a 30 km de São Paulo.
NELSON ALMEIDA via Getty Images
Caminhoneiros bloqueiam Régis Bittencourt, a 30 km de São Paulo.

A maioria dos brasileiros apoia a greve dos caminhoneiros — ao menos, no Twitter. No total, 55,9% aprovam de forma explícita a paralisação que já dura 7 dias, de acordo com análise feita pela jornalista Ana Célia Costa, diretora da Escola de Redes Sociais, em Brasília.

Foram examinados 8.243 tweets de 8.163 perfis de sábado (26). Mais de 99% dessas postagens são de cidadãos comuns. A minoria é de imprensa, governo federal e empresas. Perfis falsos foram descartados.

O suporte de quase 56% não indica que a outra parte do público estudado reprova o protesto — isso porque boa parte dos tweets tinha apenas o link de reportagens, mas sem demonstração clara de apoio. Ou seja, foram tweets neutros.

"São subtemas [de tweets] como Política, Forças Armadas, Rodovias. Entrando no subtema Grevistas (caminhoneiros), o sentimento é 99,2% positivo", conta a especialista em redes sociais que utilizou a plataforma Scup para fazer o monitoramento.

Foram 1.142 posts sobre as Forças Armadas e 1.135 sobre Política. Boa parte foi de críticas à forma como o governo de Michel Temer conduziu as negociações com a categoria.

Também foram registradas centenas queixas e publicações de ceticismo sobre o uso das forças federais.

Greve dos Caminhoneiros no 7º dia

Os caminhoneiros cruzaram os braços desde segunda-feira (21) por conta dos sucessivos aumentos no preço do diesel. Os efeitos foram sentidos em aeroportos, postos de gasolina, hospitais, restaurantes e supermercados.

O governo tentou acordo com a categoria, mas a paralisação prosseguiu pelo País.

A hipótese de locaute, quando a greve é iniciada pelo empregador, está sendo investigada pela Polícia Federal. O locaute é ilegal.

No sábado (26), o governo anunciou que vai aplicar multa de R$ 100 mil a empresas de transporte por hora parada dos caminhoneiros.

O governo paulista diz que os bloqueios nas estradas já caíram 80%.