NOTÍCIAS
23/05/2018 09:08 -03 | Atualizado 22/06/2018 11:20 -03

Quem é Keylor Navas: Goleiro ‘galáctico’ da Costa Rica que quase frustrou a Seleção Brasileira

Keylor Navas, que se transferiu para o Real Madrid após Mundial de 2014, é grande nome da seleção.

Keylor Navas é garantia de segurança no gol da Costa Rica e perigo para a Seleção Brasileira.
Kai Pfaffenbach / Reuters
Keylor Navas é garantia de segurança no gol da Costa Rica e perigo para a Seleção Brasileira.

Neymar, Gabriel Jesus e Philippe Coutinho perceberam que treinar a pontaria realmente quase não foi suficiente. A Seleção Brasileira enfrentou nesta sexta-feira (22) uma parada dura, no seu segundo jogo da Copa da Rússia, dia 22 de junho, diante da Costa Rica, no estádio Krestovsky, em São Petersburgo. Aos 45 do segundo tempo, Coutinho e Neymar fizeram 2 a 0 sobre os adversários.

Mas foi muito difícil furar o goleiro Keylor Navas. O camisa 1 da seleção da Costa Rica é também dono da meta de um dos clubes mais poderosos do futebol mundial, o Real Madrid. Ele conquistou o tricampeonato da Champions League contra o Liverpool.

Aos 31 anos, Navas chegou ao elenco 'galáctico' após ser um dos destaques da Costa Rica na Copa do Mundo disputada no Brasil, em 2014. Suas ótimas atuações ajudaram o país a chegar até as quartas de final e a ser um dos destaques da competição.

Mais maduro e experiente do que na Copa do Mundo realizada em território brasileiro, Navas vem colecionando elogios por suas atuações com a camisa do Real Madrid e espera, com atuações como a do vídeo abaixo, ajudar sua equipe a surpreender Neymar e companhia:


Trio perigoso

Além de Navas, outros nomes mereceram atenção dos comandados de Tite. Desta vez, no entanto, o recado é para Miranda, Marquinhos e todo o setor defensivo.

Eric Gaillard / Reuters
Bryan Ruiz, número 10 da Costa Rica, é um dos pontos fortes da segunda rival do Brasil na Copa da Rússia.

O primeiro perigo atendia pelo nome de Bryan Ruiz. O atacante do Sporting, de Portugal, também se destacou no time que chegou entre os 8 melhores da última Copa. Ao lado de Bolaños, forma uma dupla ofensiva que pode levar problemas aos defensores brasileiros.

A equipe treinada por Óscar Ramírez contou ainda com Marcos Ureña, atacante que atua no futebol dos Estados Unidos, como ponto de desequilíbrio.

A Costa Rica, que finalizou as Eliminatórias em segundo lugar na Concacaf, atrás somente do México, deve atuar na Copa no sistema 4-5-1, com Ureña mais avançado e sendo municiado por Ruiz e Bolaños.