POLÍTICA
18/05/2018 18:17 -03 | Atualizado 21/05/2018 20:22 -03

O que faz Bolsonaro cogitar uma mulher para vice?

Conhecido por comentários misóginos, presidenciável do PSL estuda chapa com a advogada Janaina Paschoal na tentativa de se aproximar do eleitorado feminino.

Montagem/Agência Brasil/Agência Senado
O presidenciável Jair Bolsonaro e a advogada Janaina Paschoal devem conversar nos próximos dias.

O deputado federal e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ) disse não descartar a possibilidade de compor sua chapa com a advogada Janaina Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment que derrubou a ex-presidente Dilma Rousseff.

Embora afirme que o senador Magno Malta (PR-ES) é sua primeira opção, o presidenciável disse ao UOL que também se prepara para uma chapa "puro sangue" com Paschoal, que se filiou ao PSL em abril.

Mas o que faz Bolsonaro, figura conhecida por comentários misóginos, cogitar a possibilidade de governar o País ao lado de uma mulher?

Pesquisas mostram que o deputado tem dificuldade de crescer entre o eleitorado feminino. E é por isso que aliados têm defendido que ele escolha uma mulher para compor sua chapa.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, divulgada em 15 de abril, Bolsonaro tem, entre as mulheres, metade das intenções de voto que alcança entre os homens. Enquanto de 9% a 11% das mulheres declaram voto em Bolsonaro nos 9 cenários pesquisados pelo Datafolha, entre o eleitorado masculino esse percentual salta para a faixa de 22% a 24%.

O deputado é réu no STF (Supremo Tribunal Federal) por apologia ao crime de estupro e injúria contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). Em 2014, Bolsonaro afirmou que a parlamentar "não merece" ser estuprada por ele.

"Ela não merece [ser estuprada] porque ela é muito ruim, porque ela é muito feia, não faz meu gênero, jamais a estupraria. Eu não sou estuprador, mas, se fosse, não iria estuprar, porque não merece", disse Bolsonaro.

Em abril de 2017, o deputado voltou a chocar ao expor seu menosprezo em relação à própria filha.

Eu tenho 5 filhos. Foram 4 homens, a 5ª eu dei uma fraquejada e veio uma mulher.Jair Bolsonaro, em 2017

Apesar da pressão de aliados por uma vice mulher, Bolsonaro diz que prefere escolher seu companheiro de chapa com base nas qualidades do candidato.

Foi o que indicou, por exemplo, em um evento em Pouso Alegre (MG) em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, ao ser questionado sobre aumentar a participação feminina em um eventual governo.

"Não é questão de gênero. Tem que botar quem dê conta do recado. Se botar as mulheres, vou ter que indicar quantos afrodescendentes?", rebateu.

O aceno a Janaina Paschoal, contudo, pode ser um sinal de que o presidenciável está cedendo às pressões dos aliados. "Ela está filiada, não sei o interesse dela. E devo conversar com ela nos próximos dias. Não sei se ela quer, se ela não quer", disse Bolsonaro ao UOL.

A advogada também comentou: "Não houve nenhuma conversa nesse sentido. E eu realmente não pretendo entrar para a política". Mas Paschoal pode mudar de ideia até o dia 15 de agosto, quando acaba o prazo para o registro de candidaturas junto à Justiça Eleitoral.