NOTÍCIAS
01/05/2018 17:12 -03 | Atualizado 01/05/2018 17:14 -03

Como ajudar as famílias que moravam no prédio que desmoronou em São Paulo

Cerca de 92 famílias estão desabrigadas. Cruz Vermelha diz que itens prioritários são água, fraldas, roupas e produtos de higiene.

Montagem/Reprodução/Reuters
As famílias moravam de forma irregular há alguns anos no local e acabaram perdendo tudo nas chamas.

O desabamento de um prédio no Largo do Paissandu, centro de São Paulo, na madrugada desta terça-feira (1), deixou 92 famílias desabrigadas, de acordo com a Secretaria Municipal de Assistência Social.

Após o incêndio do edifício de 24 andares e seu desabamento, as famílias foram socorridas e devem ser levadas para um centro de acolhimento da Prefeitura da capital paulista. Ao menos um homem morreu. Ricardo, de 30 anos, tinha saído do prédio, mas voltou para ajudar os outros. Ele já estava com os equipamentos de segurança para ser resgatado quando o prédio desmoronou.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o incêndio teria começado na madrugada de hoje, por volta de 1h30. Moradores relatam que as primeiras chamas foram vistas no 5º andar e se espalharam rapidamente pela estrutura. Em consequência das chamas, o desabamento ocorreu por volta da 3h.

As famílias moravam de forma irregular há alguns anos no local e acabaram perdendo tudo nas chamas. Se você quer ajudá-las e não sabe como, o HuffPost Brasil listou algumas maneiras:

Cruz Vermelha

A Cruz Vermelha de São Paulo está centralizando doações para encaminhar aos desabrigados que moravam no edifício. Segundo comunicado, os itens prioritários são fraldas descartáveis infantis, roupas e sapatos também infantis e água. Roupas em geral e material de higiene (como sabonete, desodorante, xampu, escova e pasta de dente) também estão sendo requisitados.

Onde doar: as doações devem ser entregues na sede da Cruz Vermelha, na avenida Moreira Guimarães, número 699, zona Sul de São Paulo.

No Largo do Paissandu

Também há uma equipe da Cruz Vermelha e de outras entidades recebendo doações no Largo do Paissandu.

Apesar das doações serem recebidas no Largo, todas estão sendo levadas para a sede da Cruz Vermelha para que haja una triagem e posterior distribuição aos desabrigados pela prefeitura paulistana.

"As doações já estão passando por triagem e sendo preparadas para retornar para a população", afirmou Débora Levy, coordenadora da ação de recebimento de doações da Cruz Vermelha. Segundo ela, a entidade está gerenciando as doações para que nenhum item seja perdido e que as vítimas possam receber os itens com segurança e qualidade.

Você também pode entregar as doações diretamente aos desabrigados. Muitos ainda se encontram no local. "Para quem puder trazer roupas, sapatos, cobertores, água, comida, fraldas, produtos de higiene. O momento é de luta, mas também de solidariedade", publicou uma internauta.

No Facebook

Há uma página sobre a tragédia no Facebook. Além da opção de se marcar como seguro, as pessoas podem oferecer ou pedir ajuda na plataforma. Até o momento, foram registradas 39 solicitações de ajuda e 1.065 ofertas de ajuda em todo o Estado de São Paulo. Para oferecer ajuda pelo Facebook, clique aqui.

Reprodução/Facebook

Além do Facebook, as redes sociais foram usadas para divulgar doações e ajuda para os desabrigados. Seguem abaixo algumas das entidades que recebem doações:

#urgente #desabamento #ajuda #institutoomindare #solidariedade ##saopaulo

Uma publicação compartilhada por Maúde Salazar - São Paulo (@maudesalazar1) em