NOTÍCIAS
01/05/2018 15:58 -03 | Atualizado 01/05/2018 16:41 -03

Tragédia em São Paulo: As imagens do desabamento de edifício no Largo do Paissandu, no centro de SP

Prédio de 24 andares localizado no Largo do Paissandu, em São Paulo, desabou durante um incêndio e deixou pelo menos um morto.

Stringer . / Reuters
Oficiais confortam um homem perto do local onde um prédio desabou com mais de 90 famílias no centro de São Paulo.

Quase 1,2 milhão de famílias vivem em situação de moradia precária em São Paulo, de acordo com dados da Secretaria Municipal da Habitação. Parte destas famílias fez de sua casa o prédio de 24 andares na região do Largo do Paissandu que, após um incêndio, desabou na madrugada desta terça-feira (1).

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o incêndio teria começado na madrugada, por volta de 1h30. Moradores relatam que as primeiras chamas foram vistas no 5º andar e se espalharam rapidamente pela estrutura. Em consequência das chamas, o desabamento ocorreu por volta da 3h.

Stringer . / Reuters
Alguns prédios próximos foram evacuados e toda área está isolada.

Até momento* o Corpo de Bombeiros informa a morte de uma pessoa, Ricardo, sem sobrenome divulgado, de 30 anos. Ele voltou para ajudar outras famílias a sair do prédio durante o incêndio e no momento que seria resgatado pelos bombeiros, o prédio em chamas desabou.

Stringer . / Reuters
Policial conforta uma mulher perto do local onde um prédio desabou no centro de São Paulo. Edifício era moradia para mais de 90 famílias.

A busca por sobreviventes segue durante a tarde desta terça-feira (1). As causas do incêndio ainda estão sendo apuradas. Em entrevista ao G1, o capitão Marcos Palumbo, porta voz do Corpo de Bombeiros, afirmou que várias hipóteses, desde explosão de botijões de gás, até curto-circuito estão sendo investigadas. "A única certeza até agora que temos é a de houve um incêndio e só análises aprofundadas dirão o que causou", disse. Cães farejadores também ajudam nas buscas e o local está interditado.

Stringer . / Reuters
Edifício era ocupado por um movimento social de defesa ao direito à moradia.

No momento, o Corpo de Bombeiros informa que o trabalho se concentrará vai se concentrar na refrigeração da estrutura que caiu. Apenas após 48 horas os bombeiros poderão começar a mexer nos escombros e buscar possíveis vítimas ou sobreviventes.

Paulo Whitaker / Reuters
Outros prédios no entorno do desabamento foram esvaziados sob o risco de possíveis danos e risco de colapso na estrutura.

A Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de São Paulo informou que havia 92 famílias cadastradas no prédio, totalizando 248 pessoas. O edifício já foi sede da Polícia Federal e hoje, é propriedade do governo federal e passou por diversas tentativas de revitalização.

Stringer . / Reuters
Cerca de 160 bombeiros trabalham no combates as chamas e buscam possíveis vítimas.

A imprensa internacional repercutiu o caso. O jornal The New York Times destacou a tragédia: "Fogo em São Paulo, Brasil, leva abaixo um arranha-céu", assim como a CNN e o jornal britânico The Guardian.

AFP/Getty Images
Bombeiros resfriam os escombros para, em seguida, buscarem por sobreviventes.

NELSON ALMEIDA via Getty Images
O edifício já foi sede da Polícia Federal e hoje, é propriedade do governo federal e passou por diversas tentativas de revitalização.

*Esta nota será atualizada com novas informações.