MULHERES
27/04/2018 16:56 -03 | Atualizado 27/04/2018 16:57 -03

A campanha do Corinthians para combater machismo no futebol

Jogadoras usarão camisas com frases machistas nos lugares reservados a patrocinadores. Ideia é encontrar empresas dispostas a cobri-las.

Divulgação
Milene Domingues abraçou a causa e é a embaixadora da ação #CaleOPreconceito.

"[Lugar de] mulher é na cozinha e não jogando futebol", "Futebol feminino só vai ser bom quando acabar", "Mulher não entende de futebol". Essas e outras frases de conteúdo machista e preconceituoso foram tiradas de comentários postados em redes sociais ou em sites de noticiário esportivo. Agora, estamparão a camisa das jogadoras do time feminino do Corinthians.

A razão? Bastante simples, conforme explicado por Grazi, meio-campista do alvinegro do Parque São Jorge. "São frases verídicas, situações que já vivemos. A gente espera que sirva de exemplo para outros clubes e que ações como essa aconteçam mais e mais."

Divulgação
Time feminino de futebol do Corinthians usará as camisas da ação no Brasileiro e no Paulista.

A ação citada por Grazi é a #CALEOPRECONCEITO. Idealizada pelo departamento de marketing do Corinthians, a iniciativa tem como principais objetivos debater o preconceito e o machismo exagerados no esporte — especialmente no futebol — e discutir a falta de incentivos financeiros à categoria feminina.

Segundo levantamento publicado pela Unisinos, a diferença de investimento nas categorias masculina e feminina é gritante, tanto em termos de mídia quanto financeiro. Os dados apontam que apenas 2,7% da cobertura da mídia é destinada ao futebol feminino, que recebe em prêmios da CBF um valor 141 vezes menor do que o dado aos homens que conquistaram o Brasileirão 2017 — R$ 120 mil contra R$ 17 milhões.

Ousadia na busca por parceiros

Além da falta de espaço na mídia e da abismal diferença nas premiações, o que parece empacar o futebol das mulheres no Brasil é a ausência de patrocinadores.

Divulgação
Jogadoras do Corinthians mostram camisetas da campanha #CALEOPRECONCEITO.

Por conta disso, o outro propósito da ação #CALEOPRECONCEITO é encontrar patrocinadores dispostos a se unir à causa. De que forma? Estampando o logo deles justamente em cima do local em que estarão as frases com cunho preconceituoso.

"Com isso, esperamos movimentar marcas, torcedores, amantes do futebol e personalidades em torno da causa, mudando para melhor, quem sabe, o cenário do futebol feminino no Brasil", diz Rafael Pitanguy, VP de Criação da Y&R, agência responsável pela campanha.

Milene Domingues, ex-Rainha das Embaixadinhas, é corintiana apaixonada e, por conta disso, foi escolhida como embaixadora do projeto.

É importante mudar esse pré-conceito das pessoas sobre o futebol feminino. Muitos pensam que não vai dar lucro, que não vai adiante, que as pessoas só olham para o esporte em Copa e em Olimpíadas. Esperamos que as pessoas tenham consciência e nos ajudem a calar o preconceito. Será uma ajuda a toda a modalidade.Milene Domingues, embaixadora do #CALEOPRECONCEITO

Em conversa com o HuffPost Brasil, Milene se mostrou orgulhosa em participar desse projeto.

"Uma honra estar participando deste momento do futebol feminino. Essa ação precisa deixar uma mensagem clara, que é a de que nos dias de hoje ainda há essa mentalidade, esse preconceito. Essas mensagens farão as pessoas pensarem sobre o quanto o futebol feminino é visto dessa maneira equivocada."

O Corinthians estreou as camisas personalizadas com as frases da campanha nesta quarta-feira (25), diante do São Francisco, em seu primeiro jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. Veja abaixo os gols da vitória por 4 a 1.

A ação continua no sábado (28), diante do Taubaté, pelo Paulistão da categoria. Assista abaixo o vídeo oficial da campanha #CALEOPRECONCEITO.

Mais informações sobre a campanha #CALEOPRECONCEITO podem ser encontradas no site oficial.