MULHERES
19/04/2018 10:42 -03 | Atualizado 19/04/2018 10:42 -03

Lygia Fagundes Telles, protagonista na literatura brasileira: Escritora usou palavra como ponte entre as dores de todos nós

A autora celebra 95 anos nesta quinta-feira (19).

Getty Images
Lygia Fagundes Telles celebra 95 anos nesta quinta-feira (19).

"O escritor escreve, tentando recompor, quem sabe, um mundo perdido, os amores perdidos, a casa perdida, o paraíso perdido. Nesse paraíso perdido está a infância."

A fala é da autora paulistana Lygia Fagundes Telles, que comemora 95 anos nesta quinta-feira (19). Conhecida como a "1ª dama da literatura brasileira", a escritora teve grande influência na produção cultural do País. Seus livros se tornaram filmes, novelas e até peças de teatro.

Talvez a sua maior contribuição seja a incansável defesa da cultura nacional. Essa defesa foi celebrada quando Lygia tomou posse da 16ª cadeira da Academia Brasileira de Letras, em 1987.

A trajetória de Lygia como escritora começou em 1944, quando ela publicou o seu 1º livro. Praia viva era composto por contos escritos por uma jovem autora até então estudante de Direito do Largo São Francisco da USP.

Rodeada de colegas homens em um curso conhecido por seu conservadorismo, Lygia foi alertada por sua mãe: "você já entrou para uma escola de homens, vai publicar um livro, agora você não casa mais".

Mas o destino da paulistana não foi esse. A escritora casou-se duas vezes, teve 1 filho e continuou produzindo seus textos, agregados em mais de 20 livros e traduzidos para o inglês, o francês, o espanhol, o russo e outras línguas.

Escrever é revolucionário, ainda mais quando se é mulher em um contexto machista.

E Lygia não ignorou essas referências. Considerada feminista muito antes de aceitar esse rótulo, a autora se define como uma eterna "romântica": "o homem deve estar feliz vendo a mulher livre, os dois, lado a lado, nivelados, nem superior, nem inferior, nivelados", defende.

Amiga de Clarice Lispector, a dupla foi elogiada ao tratar do universo feminino de forma moderna em seus textos, superando os tabus e estereótipos que deixavam a mulher sempre à margem da figura masculina.

Além de dar vida a grandes protagonistas, Lygia tratou de temas como a vida em grandes cidades, problemas sociais, o medo, as drogas e o amor. Os seus personagens são conhecidos por serem representações irônicas da sociedade.

Gamma-Rapho via Getty Images

Para conhecer um pouco mais de Lygia Fagundes Telles, listamos 5 frases da autora que transbordam a sua paixão pelas palavras - e pelas pessoas. Os trechos foram retirados da participação da autora no programa Roda Viva, da TV Cultura:

Acontece que sem paixão, mesmo com competência, sem amor, mesmo com competência, você não consegue dar conta do seu ofício.
Essa luta com a palavra que exige também a luta com as pessoas. Eu prefiro ultimamente lutar mais com as palavras do que com as pessoas. As pessoas estão mais difíceis.
O nosso planeta, o nosso país principalmente, é um planeta enfermo. Está dificílimo lidar com as pessoas. Há um medo para começar, um medo que se espalhou no mundo, um medo, um medo físico, um medo universal. Esse medo faz com que as pessoas fiquem mais complicadas, embrulhadas. Esse embrulhamento das pessoas faz com que para desembrulhá-las seja mais complicado. Eu também teria de me desembrulhar, me dar a elas. Essa doação e essa recepção humana entre os seres eu estou achando mais difícil.
Eu procuro fazer com que a palavra seja como uma espécie de ponte que se estende para o próximo. E eu, através dessa ponte, eu digo: vem até onde eu estou. Se eu puder ajudar o meu próximo, veja bem, no seu sofrimento, no seu medo, na sua luta que é a minha luta também, que é o meu medo, que também é o meu sofrimento, se eu puder ajudar o outro com essa palavra, missão cumprida. Quando a morte olhar nos meus olhos e disser: vamos?, eu direi: estou pronta, eu fiz o que pude.
O escritor pensa em ambigüidade, o escritor contorna, ele também não abre muito o jogo, ele joga, o leitor fica um cúmplice, fica um conivente, como um criminoso que vai cometer o seu crime e que precisa então de toda aquela circunstância que vai ajudá-lo a fazer a coisa o mais perfeitamente possível.

Biografia

Nascida no interior de São Paulo, em Sertãozinho, Lygia Fagundes Telles é filha de pai advogado e mãe pianista. Ainda jovem, ela manifestou sua paixão pela literatura incentivada por grandes autores-amigos como Carlos Drummond de Andrade e Erico Verissimo.

Ela já recebeu diversos prêmios literários, como o Grande Prêmio Internacional Feminino para Contos estrangeiros, França (1969) por Antes do Baile Verde e o Prêmio Jabuti por A Noite Escura e Mais Eu (1995).

18 livros para entender mais sobre feminismo e direitos das mulheres