POLÍTICA
16/04/2018 11:00 -03 | Atualizado 16/04/2018 14:00 -03

MTST ocupa tríplex no Guarujá, pivô da condenação de Lula

"Se é do Lula, é nosso. E se não é, por que prendeu?"

Nove dias depois da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto e integrantes da Frente Povo Sem Medo invadiram o tríplex no Guarujá, pivô da condenação do petista. Eles permaneceram no local por 3 horas.

De acordo com sentença do juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na 1ª instância, a empreiteira OAS pagou mais de R$ 2 milhões em propina ao petista por meio da reserva e reforma do apartamento.

Os ocupantes reiteram a defesa de Lula de que o imóvel não pertence a ele e desafiaram quem vai reivindicar a reintegração de posse.

Não chegou a ser necessário acionar a Justiça para retirar os ocupantes do local. No Twitter, o líder do MTST e presidenciável pelo PSol, Guilherme Boulos, explicou a "desocupação":

Mais cedo, ele havia afirmado que o imóvel se transformaria no "tríplex da resistência".

"Se o tríplex é do Lula, o povo está autorizado a ficar lá e vai se transformar no tríplex da resistência. Se o triplex não é do Lula, então Sérgio Moro vai ter que mandar o alvará de soltura hoje mesmo porque ele foi preso por algo que não é dele."

De acordo com a Folha de S.Paulo, cerca de 30 manifestantes ocuparam o local. Eles escalaram a grade e subiram até o imóvel em uma ação que durou menos de 5 minutos. Outras 100 pessoas, divididas em 20 ônibus chegaram ao local.

Leilão

Em março, Moro marcou a primeira data para leilão do imóvel para 15 de maio e a segunda para o dia 22. O apartamento foi avaliado pela Justiça em R$ 2,2 milhões.

De acordo com a defesa de Lula, o apartamento sempre pertenceu a OAS. "A prova final é que o mesmo juiz Sérgio Moro reconhece que os recursos do leilão podem ir para a OAS", disse o advogado de defesa do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins, em nota de março deste ano.

No início deste mês, o UOL visitou o apartamento que fica na praia das Astúrias. Com 215 metros quadrados, o imóvel que nunca foi usado tem 4 quartos, sendo duas suites. Na cobertura, há uma churrasqueira e piscina rasa.