NOTÍCIAS
14/04/2018 12:03 -03 | Atualizado 14/04/2018 13:29 -03

Ataque dos Estados Unidos à Síria opõe 'orgulhoso' Trump e 'perseverante' Assad

Inglaterra e França também participaram da ofensiva aérea, em resposta a ataque químico atribuído a ditador sírio.

Presidente Donald Trump faz pronunciamento à nação sobre ataque à Síria.
Yuri Gripas / Reuters
Presidente Donald Trump faz pronunciamento à nação sobre ataque à Síria.

O bombardeiro contra a Síria na noite desta sexta-feira (13) foi uma resposta dos Estados Unidos e aliados ao ataque químico atribuído ao ditador sírio, Bashar al-Assad, que matou cerca de 70 pessoas em Douma, cidade próxima à capital Damasco, na semana passada.

Em seu pronunciamento na Casa Branca, Donald Trump alegou o avanço do uso de armas químicas pelo "regime terrível". Ele disse que essas não são ações de um homem, mas "crimes de um monstro". E destacou o papel das "nações civilizadas", que há exatamente 1 século, seguindo o horror da 1ª Guerra Mundial, se uniram para banir a guerra química do mundo.

O ataque mau e desprezível [de Assad] deixou mães, pais, bebês e crianças se contorcendo de dor e com falta de ar.Donald Trump

Mais de 100 mísseis foram lançados contra a Síria — praticamente o dobro empregado em abril do ano passado, quando os EUA atacaram o país pela 1ª vez.

Na manhã deste sábado (14), Trump comemorou pelo Twitter a ação coordenada com Inglaterra e França:

"Um ataque perfeitamente executado na noite passada. Obrigado, França e Reino Unido, por sua sabedoria e poder de seus militares. Não poderia ter um resultado melhor. Missão Cumprida!"

"Tão orgulhoso de nossos grandes militares que logo logo serão, após o gasto de bilhões de dólares totalmente aprovados, o melhor que nosso país já teve. Não haverá nada ou ninguém nem perto disso!"

Resposta da Síria e da Rússia

Trump também fez uma advertência a Rússia e Irã, os aliados da Síria. "As nações do mundo só podem ser julgadas pelos amigos que mantêm."

Por sua vez, o governo sírio divulgou um vídeo de 10 segundos mostrando que o ditador Bashar Al-Assad caminha por seu gabinete neste sábado. A legenda é "manhã de perserverança", segundo a Ansa. Uma fonte do Ministério das Relações Exteriores sírio repudiou "a agressão bárbara e brutal" dos Estados Unidos.

Autoridades sírias informam que as ações empreendidas pelo governo são necessárias contra rebeldes e "terroristas" do país.

A Rússia condenou o ataque conjunto de Estados Unidos, Inglaterra e França. Em nota divulgada neste sábado, o presidente Vladimir Putin classificou de "ato de agressão" com "influência destrutiva sobre o sistema inteiro das relações internacionais".

O Kremlin avisou que convocará uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Social Media / Reuters
Esta imagem de vídeo obtido pela Reuters mostra uma criança tendo o rosto lavado após suposto ataque químico em Douma.

Suporte da Inglaterra e da França aos ataques

A premiê britânica, Theresa May, explicou em vídeo que os aliados buscaram todos os canais diplomáticos possíveis para interromper o uso de armas químicas pela Síria. "Mas nossos esforços foram frustrados repetidamente", contou.

Um significativo conjunto de informações, inclusive da inteligência, indica que o regime sírio foi responsável pelo último ataque. Esse padrão de comportamento persistente precisa ser impedido.Theresa May

Em comunicado, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que o ataque dos aliados é uma resposta "limitada" diante da capacidade de produção de armas químicas da Síria.

"Nós não podemos tolerar a normalização do uso de armas químicas, o que é uma ameaça direta à segurança do povo sírio e da nossa segurança coletiva", criticou.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, mais de 500 mil pessoas já morreram na guerra civil na Síria, desde 2011.