ENTRETENIMENTO
10/04/2018 18:09 -03 | Atualizado 12/04/2018 09:33 -03

'De Santo Amaro a Xerém': A turnê conjunta de Maria Bethânia e Zeca Pagodinho

Show da dupla passará por cinco cidades brasileiras até o final de maio.

Divulgação/Daryan Dornelles

Em tempos de Brasil conturbado, um sopro de alívio nas artes: Zeca Pagodinho e Maria Bethânia estão juntos no palco.

No último sábado (7), a dupla estreou em Olinda, no Grande Recife, a turnê conjunta De Santo Amaro a Xerém, cujo título faz referência às origens da cantora baiana e do sambista carioca.

A ideia do projeto surgiu a partir de um bem-sucedido encontro que os dois tiveram em 2016. Zeca convidou Bethânia para participar de seu CD/DVD O Quintal do Pagodinho, no qual fizeram um festivo dueto de Sonho Meu, famoso samba de Delcio Carvalho.

O entrosamento foi singular e agora a dupla está com viagens marcadas para cinco cidades brasileiras: Salvador (dia 14 de abril), Rio de Janeiro (21 de abril), Belo Horizonte (6 de maio), São Paulo (18 e 19 de maio) e Brasília (30 de maio).

A seguir, HuffPost Brasil reúne algumas provas de que esse espetáculo inédito de duas das maiores instituições da música popular brasileira é uma celebração imperdível ao samba.

Tem música inédita feita por Caetano Veloso

Bethânia pediu ao irmão Caetano uma composição inédita para acrescentar ao novo projeto.

Ele entregou Amaro Xerém, classificado pelo crítico Mauro Ferreira como um "samba de roda à moda baiana, mas que dialoga com o samba do Brasil, em sintonia com os versos de Caetano".

Zeca e Bethânia cantam a música em dueto no início e no fim do show. Infelizmente, os dois afirmaram que não têm intenção de registrar o espetáculo em CD ou DVD. Isso significa que para conhecer Amaro Xerém, os fãs precisam ter um assento na plateia do show.

Para os mais ansiosos, segue abaixo a letra do samba:

No alto brilha um

Risco raro

Que passa do mal ao bem

Por cima formando

Um aro

Por baixo

Um trilho de trem

De Guadalupe ao Amparo

De Xerém a Santo Amaro

De Santo Amoro a Xerém

(Zeca)

O que passa

É mais que claro

É todo mundo e é ninguém

Do generoso ao avaro

De Gaza a Jerusalém

Do bem barato

Ao bem caro

De Xerém a Santo Amaro

De Santo Amaro a Xerém

Aí amor amor amaro

Aí cheirinho de Xerém

Ai amor — paro

Ai amor — vem

(Zeca)

Com você nada comparo

Aquele seu vai-e-vem

Quando eu todo me descaro

Do Leblon a Buranhém

Desculpe o meu

Despreparo

De Xerém a Santo Amaro

De Santo Amaro a Xerém

(Maria Bethânia)

Por essa luz eu disparo

Sem repetir nhenhenhém

O Brasil é que é meu faro

Levaremos tudo além

É no samba que eu preparo

De Xerém a Santo Amaro

De Santo Amaro a Xerém

Aí amor amor amaro

Aí cheirinho de Xerém

Ai amor — paro

Ai amor — vem

Aí amor amaro

Ai cheirinho de Xerém

Ai amor - paro

Ai amor - vem

Por essa luz disparo

Sem Repetir nhennhennhém

O Brasil é que é meu faro

Levaremos tudo além

É no samba que eu preparo

De Xerém a Santo Amaro

De Santo Amaro a Xerém

O repertório tem QUARENTA músicas

Sim, entre clássicos do samba e do pagode, músicas inéditas e homenagens às escolas de samba carioca Mangueira e Portela, a dupla canta no palco 40 canções – 13 delas em dueto. O roteiro reúne algumas pérolas como Você não Entende Nada, Cotidiano, Desde Que o Samba é Samba e Deixa a Vida Me Levar.

Tributo às escolas de samba carioca

Portelense de coração, Zeca Pagodinho interpreta nesse show três sambas hitsóricos da agremiação carioca: Portela na Avenida (1981), Lendas e Mistérios da Amazônia (1970) e Foi um Rio que Passou em Minha Vida, clássico de Paulinho da Viola.

Bethânia também tem seu momento de homenagem à sua escola preferida, Mangueira. Sozinha, ela interpreta no palco seis canções ligadas à história da escola carioca. O destaque fica por conta de A Surdo 1, presente de Adriana Calcanhotto, que compôs o samba em 2016 depois de a Mangueira ser campeã celebrando a trajetória de Bethânia.

O clima é de celebração entre amigos

Em entrevista à revista Trip, Zeca Pagodinho contou que seu primeiro contato com Maria Bethânia foi por meio do disco Drama 3º Ato – Luz da Noite, lançado em 1973. Ele tinha 14 anos quando a ouviu declamar textos de Clarice Lispector e cantar joias nacionais como Volta Por Cima e Filhos de Gandhi.

Depois de iniciar sua carreira no samba, Zeca se tornou amigo de Bethânia.

No palco, o clima que se estabelece é de afeto e celebração dessa longa amizade. As declarações de carinho mútuas vistas pelo público no show de estreia provam isso.

"Foi tanta emoção que gastei com médico, com psicólogo. Sou fã dela, então tem que estar perfeito. Maria me fez ensaiar, me fez cantar coisas que eu nunca cantei. Ela mandou e eu tinha que obedecer, essa rainha", disse o sambista na noite de estreia

Para saber informações sobre os ingressos, basta clicar aqui.

Photo gallery
22 filmes que contam a história de astros da música
See Gallery