POLÍTICA
09/04/2018 16:35 -03 | Atualizado 09/04/2018 18:00 -03

Marina Silva dependerá de emissoras de TV para participar de debates

Rede, partido de Marina, não alcançou o número mínimo de parlamentares exigidos por lei para assegurar a presença nos debates eleitorais.

Essa será a 3ª vez que Marina Silva disputará as eleições presidenciais
Divulgação
Essa será a 3ª vez que Marina Silva disputará as eleições presidenciais

Finalizada no sábado (7), a janela que permite aos parlamentares trocar de partido em anos eleitorais deixou a Rede sem o número necessário exigido por lei para garantir presença nos debates de televisão.

Como a lei estipula o número mínimo de 5 representantes no Congresso Nacional para garantir direito automático aos debates, a pré-candidata à Presidência da República pela Rede, Marina Silva dependerá de convites das emissoras de TV que organizarão o evento para conseguir participar.

Aliel Machado (PR) e Alessandro Molon (RJ) foram para o PSB, e a Rede não conseguiu seduzir outros parlamentares para integrar a legenda – Cristovam Buarque (PPS-DF) e Reguffe (sem partido-DF) eram os mais cotados. Com isso, ficaram somente 3 representantes no Congresso: Randolfe Rodrigues (AP), João Derly (RS) e Miro Teixeira (RJ).

Confiança

Apesar da falta de quórum, a Rede mantém a confiança de que Marina Silva terá seu assento garantido nos debates televisivos – normalmente transmitidos pelas quatro principais redes do País (Record, Globo, SBT e Band).

"Deixar a Marina fora é transformar a programação em fraude", afirmou Miro Teixeira ao HuffPost Brasil em fevereiro. Ele ressaltou ainda que o objetivo da legislação é incluir e não excluir.

Em pesquisa realizada no início de março, Marina Silva apareceu com 7,8% de intenções de voto, atrás apenas de Jair Bolsonaro (16,8%) e Lula (33,4%). Essa será a 3ª vez que Marina disputará as eleições presidenciais