MULHERES
04/04/2018 16:02 -03 | Atualizado 04/04/2018 16:13 -03

Um juiz de Nova Jersey perguntou a uma mulher se ela 'fechou as pernas para evitar ser estuprada'

O juiz John F. Russo está de licença administrativa remunerada desde maio de 2017.

Tetra Images via Getty Images

Um comitê de fiscalização judicial diz que um juiz de Nova Jersey violou regras de conduta durante uma audiência em maio de 2016, quando perguntou a uma alegada vítima de estupro se ela sabia que precisava fechar as pernas para evitar sofrer agressão sexual.

O Comitê de Assessoria de Conduta Judicial da Suprema Corte estadual detalhou o incidente, além de três outras alegadas violações das normas, em uma queixa movida na segunda-feira contra o juiz da Suprema Corte John F. Russo.

A vítima estava pedindo uma ação cautelar de afastamento contra o homem que a teria violentado.

Durante a audiência, a vítima disse que ela e o réu tinham acabado de voltar do Home Depot (loja de materiais de construção) quando ele a estuprou. Eles têm uma filha juntos.

Mais tarde, o juiz Russo levou adiante o interrogatório feito pelo advogado de defesa, visando ilustrar que a querelante poderia ter feito mais para impedir a agressão sexual. Quando ele indagou se ela sabia "como impedir uma pessoa de ter relações sexuais" com ela, a vítima deu várias respostas, dizendo que reagiria fisicamente contra o agressor, lhe diria "não" ou fugiria.

"Que tal fechar as pernas? Chamar a polícia? A senhora fez alguma dessas coisas?" prosseguiu o juiz, segundo a transcrição da audiência.

A queixa contra Russo alega que o juiz "destratou a vítima" com suas perguntas "irrelevantes" e "ofensivas".

Em outra instância citada na queixa, Russo teria violado regras de conduta quando julgou um caso de pensão alimentícia em que admitiu conhecer as duas partes. O juiz reduziu o valor atrasado em pensão devida pelo homem no caso de US$10 mil para apenas US$300.

"O juiz Russo quer uma audiência pública em que possa responder às alegações feitas contra ele", disse seu advogado, David Corrigan, em declaração transmitida à KPVI, filiada local da rede NBC. "Respeitamos o processo e também o comitê de assessoria de conduta judicial, logo, não daremos maiores declarações."

Russo foi colocado em licença administrativa remunerada pelo Tribunal do Condado de Ocean, em Nova Jersey, em maio passado. Segundo a Asbury Park Press, a decisão foi tomada depois que ele teria jogado uma pasta contra uma escrevente. Mas já havia queixas anteriores sobre seu comportamento.

Segundo o Park Press, a juíza da Corte Superior Marlene Lynch Ford disse a Russo que ele não poderá voltar ao trabalho enquanto não se submeter a uma avaliação psiquiátrica e for aprovado.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.