NOTÍCIAS
23/03/2018 07:31 -03 | Atualizado 23/03/2018 07:31 -03

Copa do Mundo: 7 motivos para prestar atenção no amistoso entre Brasil e Rússia

Duelo contra país-sede do Mundial será nesta sexta-feira (23) às 13h, no horário de Brasília.

Um dos maiores desafios a serem enfrentados pela equipe de Tite é o frio. A temperatura no estádio Lujniki, em Moscou, deve estar na casa dos 8ºC negativos.
AFP/Getty Images
Um dos maiores desafios a serem enfrentados pela equipe de Tite é o frio. A temperatura no estádio Lujniki, em Moscou, deve estar na casa dos 8ºC negativos.

A Seleção Brasileira entra em campo nesta sexta-feira (23) às 13h (no horário de Brasília) para encarar a Rússia, país-sede da Copa do Mundo que terá início no dia 14 de junho, com uma missão: iluminar a cabeça do técnico Tite. O jogo será transmitido pela TV Globo e pelo canal fechado SporTV.

O treinador já tem pronta a base que levará ao Mundial para tentar a conquista do hexacampeonato, mas, a julgar pela convocação feita para os amistosos contra russos e alemães, ainda tem pontos de interrogação a serem respondidos: da escolha do goleiro à escalação do setor ofensivo.

Ver Tite definir a lista de convocados – ou se aproximar dela –, no entanto, não é a única atração do duelo desta sexta. Veja abaixo ao menos 7 bons motivos para acompanhar atentamente o amistoso da Seleção Brasileira contra a Rússia.

1. Vida sem Neymar

Divulgação
Neymar está machucado e não joga contra Rússia e Alemanha. Como ficará a seleção?

A propalada "Neymardependência", que tanto incomodou a Seleção nos tempos de Felipão e Dunga, diminuiu bastante desde que Tite assumiu o comando da equipe, mas, quando o assunto é Copa do Mundo, preocupa. Como o atacante do Paris Saint-Germain está contundido e só deve voltar aos campos um mês antes do início da competição, todos os olhos do mundo certamente estarão voltados para o comportamento da equipe sem a presença de seu camisa 10.

2. Frio intenso

A temperatura no estádio Lujniki, em Moscou, deve estar na casa dos 8ºC negativos. Na última vez em que atuou em condições semelhantes, em março de 2006, antes da convocação para a Copa da Alemanha, o Brasil encarou um frio de 17ºC negativos contra a mesma Rússia e venceu por 1 a 0. Na ocasião, o técnico Carlos Alberto Parreira e os jogadores reclamaram bastante do amistoso, marcado por vontade da CBF. Desta vez, no entanto, foi o técnico Tite quem pediu a realização do jogo na capital russa.

3. Nova camisa

Divulgação
Camisa amarela será usada na terça, contra a Alemanha.

A CBF lançou na quarta-feira (21) as novas camisas do Brasil para a Copa do Mundo. A amarela (foto acima) será usada contra a Alemanha, terça-feira (27). Contra os russos, a ideia é ficar de olho no modelo azul, que promete muitas novidades ao torcedor.

4. Briga no gol

Divulgação
Neto, do Valencia, briga por vaga de terceiro goleiro.

A presença de Neto, goleiro do Valencia, na lista de 25 convocados, mostra que Tite ainda não sabe quem será o terceiro homem da posição na convocação final. O titular (Alisson) e o reserva (Éderson) já estão assegurados. Resta saber quem ficará com a última vaga. Neto briga diretamente com Cássio (Corinthians), velho conhecido do treinador gaúcho.

5. Briga na defesa

Outro setor que ainda não está fechado para a lista final do Mundial da Rússia. Se Marquinhos, Miranda e Thiago Silva praticamente estão com seus passaportes carimbados, a 4ª e última vaga está aberta e, ao que parece, disputada por Rodrigo Caio (São Paulo) e Pedro Geromel (Grêmio). O são-paulino tem sido convocado com mais frequência, mas a melhor fase do gremista pode equilibrar a disputa e manter o jogador no páreo até o minuto final antes do anúncio oficial.

Nas laterais, além dos confirmados Daniel Alves e Marcelo, Tite tem mostrado a tendência de levar o corintiano Fagner para ocupar a reserva do lado direito. No setor esquerdo, sem Filipe Luis e Alex Sandro, ambos machucados, vale ficar de olho no pouco conhecido Ismaily, do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, surpresa de última hora na lista para os amistosos.

6. Briga no meio

No meio-campo a disputa também está aberta e a grande novidade é Anderson Taliska, do Besiktas (Turquia). O jogador entra na briga com Diego (Flamengo), Giuliano (Fenerbache) e Lucas Lima (Palmeiras) para fechar o setor que já conta com nomes garantidos, casos de Willian, Fernandinho, Casemiro, Renato Augusto, Paulinho e Philippe Coutinho.

7. Impasse no ataque

Se há disputa e novidades em todos os setores, por que não haveria no ataque? Setor que conta com nomes certos como Neymar, Gabriel Jesus e Roberto Firmino, o ataque da seleção tem uma vaga em aberto: Willian José, do Real Sociedad, é a novidade entre os convocados, mas Taison e Douglas Costa correm por fora por um lugar ao sol... Ou melhor, no frio russo.