NOTÍCIAS
17/03/2018 16:35 -03 | Atualizado 20/03/2018 15:00 -03

Vereadora Marielle presente em 11 ilustrações na luta por direitos humanos

“Hoje vi uma multidão chorar e transformar você num símbolo de tudo que você foi. Foi não! É!”, escreveu o deputado Marcelo Freixo.

Montagem/Reprodução
Assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol) inspira ilustradores na luta por direitos humanos.

Morta com 4 tiros na cabeça na noite da última quarta-feira (14). O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol) no Rio de Janeiro marca a história da luta por direitos humanos no Brasil. Filha da Favela da Maré, a socióloga construiu uma trajetória de combate à violência policial e promoção da redução das desigualdades.

Relatora da Comissão da Câmara de Vereadores do Rio criada para acompanhar a atuação das tropas na intervenção federal na área de segurança do Rio, Marielle denunciou nos últimos dias ações truculentas da Polícia Militar em operações na Favela de Acari, na Zona Norte do Rio.

Desde quinta-feira (15), milhares foram às ruas em protesto contra o crime, considerado uma execução. Além de atos em pelo menos 19 estados brasileiros, cidades como Nova York (Estados Unidos), Montevidéu (Uruguai) e Barcelona (Espanha) também demonstraram solidariedade. Neste domingo (18), novas manifestações estão previstas.

"Hoje vi uma multidão chorar e transformar você num símbolo de tudo que você foi. Foi não! É!", escreveu o deputado estadual Marcelo Freixo (PSol), na noite de quinta-feira, após acompanhar os atos no Rio. Próximo à Marielle, os 2 trabalhavam juntos desde a campanha eleitoral de Freixo em 2006. A socióloga assessorou o deputado na CPI das milícias, encerrada em 2008.

A mobilização popular é vista como alguns como uma chance de mudança para o País. Em meio ao clima de luto e indignação, algumas ilustrações traduzem parte da comoção causada pelo assassinato da vereadora.

Assinada pela ilustradora Larissa Ribeiro, a arte faz uma referência à frase publicada por Marielle na última terça-feira (13). "Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?" questionou a vereadora.

A mesa frase serviu de inspiração para a llustradora Thaís Piontkewicz.

Já a ilustradora Nath Araújo uniu a imagem de Marielle à frase que se tornou popular entre feministas.

e nós vamos lutar com você

A post shared by Nath Araújo (@nanaths) on

A história brasileira mobilizou a argentina Ro Ferrer.

O cartunista Latuff levou sua arte para o protesto na Cinelândia, no Rio.

O cartunista Quinho, por sua vez, viu na morte de Marielle a chance de fortalecer a luta por direitos humanos no Brasil.

A página Políticas HQ, que reúne mulheres que fazem quadrinhos, convocou ilustradoras pela causa, como Anna Satie.

E Carol Ito.

A delicadeza marca a homenagem da ilustradora Beatriz França.

E a resistência está presente na arte de Mariana Souza.

Assim como no trabalho de Mariana Cheniaux.

Ilustrações da rotina de um casal apaixonado