ENTRETENIMENTO
12/03/2018 12:43 -03 | Atualizado 12/03/2018 17:41 -03

‘Questões ambientais são questões humanas’, avisa autor do livro de ‘Aniquilação’

Em entrevista ao HuffPost, Jeff VanderMeer comenta trilogia de ficção científica e adaptação lançada pela Netflix.

Peter Mountain/Paramount
Natalie Portman analisa a natureza estranha em 'Aniquilação', filme baseado no livro homônimo

O escritor norte-americano Jeff VanderMeer, 49, viveu uma situação no mínimo curiosa poucos anos atrás. Ele foi ao dentista fazer um tratamento de canal e remover os sisos e voltou da experiência com um romance. Entre o início e o fim da história, teve uma grave crise de bronquite. Por algum motivo, os analgésicos não faziam efeito. A dor foi tão grande que VanderMeer delirou — e teve um sonho esquisitíssimo.

Nele, o escritor descia uma espécie de "túnel-torre" com palavras escritas na parede com musgo verde brilhante ou algo do tipo. O escritor viu uma luz brilhante e algo o fez perceber que, se virasse em um corredor, veria o que (e não "quem") teria escrito aquelas palavras.

"Na manhã seguinte, eu acordei com todo um enredo e personagens na minha cabeça. Nas cinco semanas seguintes, ainda doente, levantava e escrevia por duas ou três horas e voltava a dormir depois", conta em entrevista ao HuffPost Brasil.

O romance vindo desses dias de dor e inchaço é Aniquilação (Intrínseca, 2014), cuja adaptação homônima para cinema tem recebido elogios rasgados mundo afora. Dirigido e escrito por Alex Garland (Ex Machina: Instinto Artificial) e protagonizado por Natalie Portman, o longa-metragem chega ao Brasil pela Netflix nesta segunda-feira (12).

Aniquilação é a primeira parte da trilogia Comando Sul, sucedida por Autoridade e Aceitação. Trata-se de uma série bestseller que mistura sci-fi e terror e tem sido associada a um recente gênero literário chamado "ficção estranha", do qual VanderMeer é considerado um expoente.

"Prefiro ser conhecido apenas como romancista, mas não me importo com esse título. A ficção estranha é um tipo incrível de literatura, que vê o desconhecido e monstruoso não apenas com horror, mas beleza", diz.

Eventuais preconceitos com rótulos à parte, até que faz sentido encarar a trilogia Comando Sul como uma obra do tal gênero. Aniquilação aborda uma expedição, a mando de uma agência governamental, à Área X, uma zona abandonada e distante da civilização que foi tomada por uma natureza exótica e de semblante alienígena, resultado de uma catástrofe ambiental.

Divulgação
Jeff VanderMeer: 'Se não tratarmos melhor as áreas de natureza selvagem, os próprios seres humanos ficarão em perigo'

Trata-se do 12º grupo que vai explorar o local. Desta vez são apenas mulheres: uma bióloga (a protagonista e narradora do romance), uma psicóloga, uma topógrafa e antropóloga. Todas vão com suprimentos e armas. Os membros da expedição anterior simplesmente desapareceram e retornaram misteriosamente, sem qualquer explicação. Um deles é o esposo da bióloga. Alguns meses depois, ele morreu de câncer assim como seus outros 11 colegas.

O grupo encontra uma escadaria como a que VanderMeer visualizou em seu sonho. A bióloga avista na parede a frase "De onde jaz o fruto asfixiante que veio da mão do pecador eu trarei as sementes dos mortos para partilhar com os vermes que...". O restante da frase é ocultado pela escuridão. No fim da escadaria se encontra, aparentemente, um monstro, o "Rastejador".

"Comando Sul com certeza aborda questões ambientais, incluindo a mudança climática. Nós pensamos na natureza como algo separado de nós quando, na verdade, somos parte dela", diz o autor.

"Se nós não começarmos a tratar melhor as áreas de natureza selvagem, se não pararmos de destruir habitats e matar tantos animais, os próprios seres humanos ficarão em perigo. Nós temos apenas esta Terra e nenhum outro lugar para ir. Questões ambientais são questões humanas."

Outras inspirações para VanderMeer conceber a trilogia são a trilha St. Marks National Wildlife Refuge, na Flórida, na qual observou em primeira mão variadas espécies de vegetação e animais; o "profundo amor" que ele tem pela natureza; e ter crescido com um pai entomologista e uma mãe ilustradora de livros de biologia. Já em relação ao túnel que apareceu no sonho, trata-se de um que ele viu em Sintra, Portugal, durante uma viagem, o que ele só foi perceber depois.

Sara Sklaroff, crítica de literatura do Washington Post, disse que Aniquilação a fez ter um início de ataque pânico ao chegar na página 50. "As melhores partes viram sua mente do avesso", escreveu.

No New York Times, Tom LeClair, em uma resenha menos entusiasmada, comentou que o livro traz uma alegoria metaficcional, pois "a bióloga é o leitor. O Rastejador é o subconsciente do processo criativo. E, com certeza, o zelador do farol tem uma semelhança incrível" com a de VanderMeer.

Simon Iggs, do jornal britânico The Guardian, escreveu que Aniquilação chega a ser aterrorizante ao ponto de dar medo de virar a página. Iggs opinou que, embora tenha entrado em um território já conhecido, o autor o faz "sem embelezamento, e com um foco impiedoso nos detalhes físicos e psicológicos".

O romance venceu o prêmio Nebula, um dos principais dedicados à ficção científica e fantasia; em 2013, antes mesmo de ter sido publicado, a Paramount e o produtor Scott Rudin bateram à porta de VanderMeer para comprar os direitos de adaptação.

Divulgação
A arte da capa é de Eric Nyquist, a mesma da edição original

Alex Garland, ainda prestes a colocar no mundo um clássico cult ao fazer Ex Machina, aceitou as funções de diretor e roteirista e escalou para os papéis principais Natalie Portman e Jennifer Jason Leigh.

Surgiram nesse momento acusações de whitewashing à produção do filme. As personagens vividas pelas atrizes são, respectivamente, uma asiática e uma descendente de indígenas. Garland reagiu às críticas dizendo que Aniquilação não descreve a etnia de nenhum dos personagens e este é o livro que lhe serviu de base para a adaptação — e os dois volumes seguintes sequer haviam sido escritos. Vale ressaltar que o elenco principal é bem diverso: Tessa Thompson, uma negra, e Gina Rodriguez, de descendência porto riquenha, são coadjuvantes.

Depois de concluído, o longa chamou atenção novamente quando seu trailer assustador (veja abaixo) foi lançado e, a distribuição, dividida entre a Paramount e a Netflix.

A revista The Hollywood Reporter conta que David Ellison, produtor executivo de Aniquilação pela Skydance, ficou preocupado após uma exibição teste malsucedida — o filme seria muito "complicado" e "intelectual" para um lançamento tradicional.

Rudin apoiou Garland na decisão de não fazer alterações. Ellison e a Paramount, desanimados com as projeções de bilheteria distantes dos altos padrões de Hollywood, decidiram não se arriscar e preferiram exibir Aniquilação em salas de cinema apenas dos Estados Unidos e da China. No restante do mundo, chegaria por streaming. Foi aí que a Netflix entrou na jogada. A plataforma teria pago uma quantia que cobre boa parte do orçamento de US$ 55 milhões (em torno de R$ 180 mi).

O diretor não gostou da resolução — ele defende que Aniquilação foi feito para ser visto no cinema, embora tenha enfatizado que não tem nada contra o streaming.

Ao ser perguntado a respeito das acusações de whitewashing e seu livro ter rendido uma adaptação para cinema mais "intelectual" do que devia, VanderMeer se abstém de responder. No entanto, está feliz com o filme e não o condena por não ser de todo fiel à obra original. "É surpreendente, surreal e lindo", conta.

Pouco antes de a distribuição de Aniquilação pela Netflix ser anunciada, o escritor mostrou ter ótimo relacionamento com a plataforma.

Em novembro de 2017, ele vendeu para a empresa os direitos de adaptação de seu novo romance sobre ecoterrorismo, o ainda inédito Hummingbird Salamander. O produtor é o mesmo de Spotlight: Segredos Revelados (2015), recente vencedor do Oscar de melhor filme. VanderMeer vai trabalhar na adaptação como consultor criativo e produtor executivo.

Nunca uma mistura de cirurgia odontológica e bronquite trouxe resultados tão positivos.

Trilogia Comando Sul, de Jeff VanderMeer:

  • Aniquilação — livro um. 2014. 200 páginas. Edição impressa: R$ 39,90, e-book: R$ 24,90;

  • Autoridade — livro dois. 2015. 384 páginas. Edição impressa: R$ 39,90, ebook: R$ 24,90;

  • Aceitação — livro três. 2016. 368 páginas. Edição impressa: R$ 39,90, e-book: R$ 24,90.

Todos foram lançados no Brasil pela Intrínseca com tradução de Braulio Tavares.

Aniquilação estreia na Netflix nesta segunda e tem duração de 115 minutos. Assista ao trailer abaixo: