ENTRETENIMENTO
05/03/2018 03:01 -03 | Atualizado 05/03/2018 03:01 -03

Oscar 2018: Imigrantes e estrangeiros marcam cerimônia e sinalizam nova era em Hollywood

Vencedores, indicados e apresentadores do 90º Oscar ressaltam importância da representatividade.

Mexicano Guillermo del Toro vence Oscar de Melhor Direção por "A Forma da Água",  que também venceu Melhor Filme.
Getty Images
Mexicano Guillermo del Toro vence Oscar de Melhor Direção por "A Forma da Água", que também venceu Melhor Filme.

A esperada vitória de Guillermo del Toro nas categorias de Melhor Filme e Melhor Direção por A Forma da Água é um dos marcos mais relevantes do Oscar deste ano: os estrangeiros estão com tudo em Hollywood.

Vários imigrantes ou descendentes de estrangeiros apresentaram categorias. Lupita Nyong'o, Salma Hayek, Kumail Nanjiani, Rita Moreno, Oscar Isaac, Daniela Vega e Gina Rodriguez são alguns deles.

Gael García Bernal, dublador da animação Viva: A Vida É uma Festa, cantou a música-tema do filme em uma tocante performance. Viva é considerado o primeiro "filme latino" da Disney/Pixar.

Ao vencer o prêmio de Melhor Animação, o diretor Lee Unkrich subiu ao palco acompanhado de seu co-diretor, o descendente de mexicanos Adrian Molina, e da produtora Darla K. Anderson. Em seus discursos, ele agradeceu ao marido; ela, à esposa. Uma demonstração de que a representatividade LGBT também está em alta.

O drama chileno Uma Mulher Fantástica, protagonizado pela transgênero Daniela Vega, levou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. A atriz é a primeira pessoa trans a apresentar qualquer categoria do Oscar. Ela introduziu ao palco a performance de Sufjan Stevens por canção de Me Chame pelo Seu Nome.

O empoderamento da mulher na indústria do cinema

O paquistanês Kumail Nanjiani, comediante e roteirista indicado por Doentes de Amor, apareceu em um vídeo sobre a importância da representatividade de minorias e do igualdade de gênero da indústria do entretenimento.

Em sua fala, Nanjiani questionou: se os filmes prediletos dele foram feitos por homens brancos e héteros e são sobre homens brancos e héteros e, mesmo assim, ele pode se identificar com essas obras, por que homens brancos e héteros não poderiam se identificar, por exemplo, com um filme protagonizado por ele?

O discurso presente na fala de quase todos foi a celebração de uma nova era que se inicia em Hollywood — uma em que não se convive em paz com o assédio sexual e a desigualdade salarial a favor de homens.

Ao vencer o prêmio de Melhor Atriz por Três Anúncios para um Crime, Frances McDormand convidou todas as mulheres indicadas presentes no Dolby Theatre a se levantarem.

Elas se aplaudiram e McDormand, emocionada, disse: "Todas nós temos histórias para contar e projetos para serem financiados. Mas não venha conversar com a gente na festa, venha nos ouvir depois".

É a força das mulheres, que também marcou a cerimônia da 90ª edição do Oscar.