NOTÍCIAS
04/03/2018 10:37 -03 | Atualizado 04/03/2018 10:37 -03

Tônia Carrero morre aos 95 anos no Rio de Janeiro

Atriz sofreu infarto durante cirurgia, de acordo com parentes.

Tônia Carrero morreu em decorrência de parada cardíaca durante cirurgia no Rio de Janeiro.
Divulgação
Tônia Carrero morreu em decorrência de parada cardíaca durante cirurgia no Rio de Janeiro.

Uma das maiores atrizes brasileiras, Tônia Carrero morreu aos 95 anos na noite de sábado (3). Ela sofreu parada cardíaca durante uma cirurgia em um hospital na Gávea, na zona sul do Rio de Janeiro.

Reprodução/Instagram
Tônia Carrero, uma das maiores divas do teatro e da teledramaturgia brasileira.

A diva estava afastada da TV desde 2004 e dos palcos desde 2007. Ela desenvolveu um quadro de hidrocefalia oculta, uma doença congênita que aumenta a pressão interna no cérebro e interfere na forma como a pessoa se comunica e se desloca.

De acordo com o G1, Tônia estrelou 54 peças, 19 filmes e 15 novelas. Foi uma seleção de personagens marcantes, como a prostituta Neuza Suely na peça A Navalha na Carne, de Plínio Marcos, em plena ditadura militar, ou Stella Simpson, na novela Água Viva, de Gilberto Braga, que foi ao ar em 1980.

Um de seus principais companheiros de palco foi o ator Paulo Autran, morto em 2007.

Reprodução/Facebook
Estreia de Paulo Autran e Tônia Carrero no teatro com a peça "Um Deus Dormiu Lá em Casa", de Silveira Sampaio, em 1949.

"Obrigado, minha avó", escreveu no Instagram o ator Miguel Thiré, neto de Tônia, na madrugada deste domingo. "Você foi uma mulher sensacional."

O jornalista e crítico de teatro Miguel Arcanjo Prado escreveu um texto bastante completo sobre a trajetória da diva, que "conjugou beleza e talento".

"A beleza lhe lançou nos palcos, onde demonstrou ser não só um rosto bonito, mas uma atriz de talento reconhecido pela crítica nas peças do histórico TBC, o Teatro Brasileiro de Comédia e depois nas companhias que teve, com as quais montou os mais importantes textos do teatro internacional e brasileiro."

Um nome que merece ser aplaudido na História das Artes Cênicas do País!