POLÍTICA
26/02/2018 14:08 -03 | Atualizado 26/02/2018 15:24 -03

Líder do PT na Câmara sobre operação da PF na casa de Jaques Wagner: 'Ação ilegal e criminosa' 

O ex-governador, tido como plano B de Lula, é suspeito de ter recebido R$ 82 milhões em propina e caixa 2. 

Na casa do ex-governador em Salvador, a Polícia Federal apreendeu  documentos, mídias e 15 relógios de luxo.
AFP/Getty Images
Na casa do ex-governador em Salvador, a Polícia Federal apreendeu documentos, mídias e 15 relógios de luxo.

O jeito como foi conduzida a Operação Cartão Vermelho, da Polícia Federal, que apura irregularidades na construção da Arena Fonte Nova, é para os petistas mais uma prova de que o Brasil vive em estado de exceção.

O que indignou os integrantes do PT foi o fato de a polícia ter cumprido mandado de busca e apreensão na casa do ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) e ter inclusive pedido ao TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) a prisão temporária do petista - que foi negado.

Wagner é tido como plano B à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência, que deve ser barrada na Lei da Ficha Limpa. Na operação, o ex-governador é suspeito de ter recebido R$ 82 milhões em propina e caixa 2

"Ele se negou a prestar depoimento? Não. Se negou a colaborar? Não. Qual é o elemento jurídico que justifica que alguém que não tenha se negado a colaborar seja vítima de uma operação com essas características", questiona o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS).

Ao HuffPost Brasil, o deputado compara a situação a de um senador que foi gravado pedindo propina e não foi vítima de operação semelhante, na sua opinião. "Você tem a materialidade do fato e nunca foi feito qualquer tipo de ação de busca e apreensão. Não tem parâmetro. A Justiça funciona em função de quem é a pessoa investigada e envolvida", avalia.

"Isto se chama estado de exceção. O poder Judiciário atua conforme o interesse político, partidário e ideológico. Uma ação como essa é completamente ilegal, criminosa e está em desacordo com o estado democrático de direito e a legislação brasileira. Basta ser eventual candidato para politizar o processo judicial e se tornar alvo do estado policial que hoje tomou conta das instituições do País."

O poder Judiciário atua conforme o interesse político, partidário e ideológico.

Operação Cartão Vermelho

A operação deflagrada na manhã desta segunda-feira (26) investiga desvios de recursos envolvendo a reforma da Arena Fonte Nova, em Salvador. A estimativa da Polícia Federal é que o valor desviado seja de aproximadamente R$ 450 milhões, em valores atualizados.

"Grande parte [do dinheiro desviado] era destinada à doação de campanha", disse o superintendente da PF na Bahia, Daniel Justo Madruga, segundo o UOL.

Um dos sete alvos de busca e apreensão em Salvador foi a casa do ex-governador Jaques Wagner. Lá, os agentes apreenderam documentos, mídias e 15 relógios de luxo. Com as conduções coercitivas suspensas pelo STF (Supremo Tribunal Federal), a PF pediu a prisão temporária do petista, negada pelo TRF-1.

"Entendíamos que, nesse momento, seria importante a condução dos investigados sem que eles depusessem sem possibilidade de combinar nenhum tipo de resposta", explicou Madruga.