NOTÍCIAS
22/02/2018 18:52 -03 | Atualizado 23/02/2018 09:40 -03

Decisão da Gol de cobrar para adiantar voo e marcar assento irrita consumidores

A promessa é de tarifa mais barata, mas os consumidores ressaltam que não teve mudança quando passaram a cobrar para despachar bagagem.

Montagem/Twitter/Divulgação

Quem decidiu comprar uma passagem da Gol nesta quinta-feira (22) se deparou com uma novidade: a cobrança para marcar assento antecipado. Além disso, a empresa anunciou que também não permitirá ou cobrará para adiantar o voo.

As mudanças fazem parte das novas tarifas anunciadas pela empresa. O valor para marcar o assento é de R$ 20 na tarifa Promo e de R$ 10, na Light. No caso da tarifa Promo, o consumidor está proibido de antecipar o voo. Já na tarifa Light, a taxa é de R$ 50.

A Gol informou ainda que, na tarifa Promo, pretende oferecer descontos de até 30%. A marcação de assento segue gratuita no período de check-in, aberto 7 dias antes da viagem.

Quem quiser ter direito a marcar o assento com antecedência e antecipar voo sem pagar extra poderá optar pela tarifa Plus - outra novidade da empresa.

Entretanto, o reembolso é de apenas 40% da tarifa, caso o consumidor desista da viagem. A remarcação sem custo, além de direito a duas bagagens, faz parte dos benefícios da tarifa Max.

No total, a companhia aérea passa a ter 4 tipos de tarifa: Max, Plus, Light e Promo.

Críticas

A notícia não agradou aos consumidores. A lembrança recente é da promessa de preços menores com a cobrança para despachar bagagens, o que, aos olhos dos clientes, não se consolidou.

Pesquisa do site Reclame Aqui, divulgada no início do mês, mostra que reclamações de passageiros dobraram do primeiro para o segundo semestre de 2017, após as mudanças na regra do despache de malas.

Ao HuffPost Brasil, a empresa respondeu que a mudança na estrutura tarifária tem o objetivo de "oferecer produtos que atendam tanto as necessidades de quem busca a menor tarifa possível quanto aquele passageiro que exige maior flexibilidade e serviços adicionais na hora de viajar".

Sobre a cobrança pela bagagem, a Gol informa que tem a informação que cerca de 65% dos bilhetes já são vendidos na tarifa Light, que não dá direito à despachar, "e a aderência é grande principalmente entre o público corporativo e o jovem, que tradicionalmente viaja com menos bagagem".