MULHERES
21/02/2018 16:34 -03 | Atualizado 22/02/2018 15:17 -03

11 palestras de mulheres incríveis para tirar você da sua zona de conforto

Elas já participaram de Ted Talks para falar sobre sua experiência pessoal e, quem sabe, transformar o mundo.

A youtuber e estudante de Ciencias Sociais, Nátaly Neri, e a cientista brasileira Suzana Herculano-Houzel.
Reprodução/YouTube
A youtuber e estudante de Ciencias Sociais, Nátaly Neri, e a cientista brasileira Suzana Herculano-Houzel.

De palestras sobre mudanças sociais, percepções enquanto mulher em um mundo machista, até outras sobre como o cérebro funciona e o entendimento que temos sobre a morte. Todos esses temas já foram abordados em Ted Talks que, desde 1984, aborda uma infinidade temas em suas conferências.

E no Brasil não foi diferente.

Desde 2015, cientistas, ativistas, filósofas, personalidades e empreendedoras brasileiras já participaram do evento e compartilharam sua experiência com o público. Muitas delas, experiências que são capazes de mudar e ampliar a visão de mundo do expectador.

Aqui estão 11 vídeos de mulheres brasileiras compartilhando suas histórias -- e que certamente vão te inspirar.

1. Nataly Neri

Em "A Mulata Que Nunca Chegou", Nataly fala sobre racismo, estigmatização e todas as formas de sexualização e preconceito que uma mulher sofre por ser negra.

2. Suzana Herculano Houzel

O cérebro humano é um enigma até para a própria ciência. Em "O que o cérebro humano tem de tão especial?" a neurocientista brasileira Suzana Herculano-Houzel põe seu chapéu de detetive e nos conduz por esse mistério.

3. Jurema Werneck

Jurema Wernek é médica por formação, mas ativista porque a vida a fez assim. Atualmente, é diretora da Anistia Internacional no Brasil. Em "O Futuro do Futuro" ela, que é ativista desde a infância, usa referências da ficção cientifica para falar como lidamos com o presente -- e como a nossa noção de futuro é equivocada.

4. Ana Claudia Quintana Arantes

Como você se relaciona com a morte? Por um lado, aliviar a dor e o sofrimento de doentes e familiares. Por outro, resgatar a biografia de pacientes. Esse é o exercício diário de Ana Claudia Quintana Arantes em "A morte é um dia que vale a pena viver". Ela é médica formada pela FMUSP e especialista em Cuidados Paliativos pelo Instituto Pallium e Universidade de Oxford, além de pós graduada em Intervenções em Luto.

5. Juliana de Faria

A noção de que o corpo da mulher é público, e que isso precisa ser mudado. Juliana de Faria, em "Cantada não é elogio", faz um apelo contra o assedio sexual e a violência contra a mulher. Ela também fala sobre a campanha "Chega de Fiu Fiu", da qual é criadora e que tem o objetivo de combater o assédio sexual em locais públicos.

6. Monique Evelle

Ser feliz fazendo o que ama. Não ter um chefe. Ter um horário flexível. A ideia vendida pelo mundo "ideal" do empreendedorismo parece sedutora, mas está longe de pertencer à realidade de milhares de empreendedores da vida real. Em "O mito de ser feliz fazendo o que se ama", Monique Evelle, que é uma das vozes do feminismo negro no Brasil, fala da veia empreendedora das mulheres negras -- e sobre os equívocos que fórmulas prontas do sucesso trazem.

7. Helen Ramos

Ser mulher. Ser mãe. Ser julgada de todas as formas possíveis. E sobreviver a isso falando abertamente sobre o quão difícil e complexo é colocar um filho no mundo. Helen Ramos, dona do canal no YouTube "Hell Mother", em "Maternidade real", divide a sua experiência como mãe solo do Caetano.

8. Taís Araújo

A atriz Taís Araújo, em "Como criar crianças doces em um País ácido" fala do desafio de criar filhos no Brasil de hoje. Primeira atriz negra a ser protagonista de novela brasileira. Por esse trabalho, tornou-se conhecida internacionalmente e foi eleita um dos 50 rostos mais lindos do mundo pela revista People. Foi também a primeira protagonista negra de uma telenovela da Rede Globo em Da Cor do Pecado, a novela brasileira mais vendida para o exterior até 2012. A atriz é um ícone do empoderamento negro e militância por igualdade racial.

9. Jout Jout

Jout Jout, em "Vamos nos amar virtualmente", fala sobre seu vídeo viral "Não tira o batom vermelho", que alerta sobre relacionamentos abusivos, e sobre como se tornou amiga virtual de mais de 200 mil pessoas pelo seu canal do Youtube falando de temas triviais e "destabulizando" tabus.

10. Djamila Ribeiro

Em "Nós precisamos romper com os silêncios", a filósofa Djamila Ribeiro faz uma palestra sobre inclusão social e justiça e fala sobre questões como o direito à voz em uma sociedade que se silencia frente às desigualdades.

11. Jessica Tauane

Em "Acredite: Você é linda", a ativista e youtuber Jessica Tauane fala sobre a necessidade de desconstruir padrões de beleza e construir amor próprio. Jessica é comunicóloga com ênfase em novas mídias pela PUC-SP e Youtuber dos canais "Canal das Bee" e "Gorda de Boa", canais focados em ativismo LGBT, empoderamento feminino e humor.