MULHERES
07/02/2018 07:00 -02 | Atualizado 07/02/2018 11:18 -02

A explicação de Quentin Tarantino sobre o acidente que feriu Uma Thurman em 'Kill Bill'

Em entrevista à revista norte-americana Deadline, diretor diz se "arrepender" do ocorrido.

Tarantino na premiére do longa "Os Oito Odiados", na Leicester Square, em Londres.
Empics Entertainment
Tarantino na premiére do longa "Os Oito Odiados", na Leicester Square, em Londres.
Como diretor, você aprende coisas e algumas vezes você aprende com esses erros horríveis.

Após a repercussão da entrevista de Uma Thurman, 47 anos, publicada New York Times, Quentin Tarantino, 54, deu sua versão dos fatos à revista norte-americana Deadline. Ele explica que falhou ao não proteger a integridade da atriz no set de filmagens de Kill Bill. "Este foi um dos maiores arrependimentos da minha vida. Como diretor, você aprende coisas e algumas vezes você aprende com esses erros horríveis", disse.

À coluna da jornalista Maureen Dowd, Thurman revelou que é uma das mais de 70 mulheres que foi assediada pelo produtor Harvey Weinstein e que Quentin Tarantino 'quase a matou' durante as filmagens da franquia Kill Bill. Ela cita especificamente a cena em que sua personagem, Beatrix Kido, precisa dirigir em uma estrada de terra. Thurman sofreu um acidente que deixou sequelas e que ela classifica como sua "desumanização ao ponto de morte".

Mas para Tarantino não foi bem assim. À Deadline, o cineasta negou ter colocado Thurman em perigo obrigando-a a dirigir um automóvel que estava em condições ruins por um caminho sinuoso e no sentido contrário. Tarantino contou que ele mesmo testou o automóvel. "Nenhum de nós considerou como uma cena de risco. Talvez tivéssemos que ter feito isso, mas não fizemos. Eu disse que seria seguro. E não era. Estava enganado (...). Não a obriguei a entrar no automóvel. Ela entrou porque confiou em mim".

Tobias Schwarz / Reuters
Tarantino brinca com Thurman em premiére do Kill Bill Vol. 1, em 2003.

Tarantino disse que no último minuto decidiu que seria melhor Thurman dirigir no sentido contrário. Segundo diretor, o caminho fazia um "S" e o carro se descontrolou, diferente de quando ele testou o percurso. "Não sei como uma estrada reta vira uma estrada que não é reta, mas ela não era reta indo para o outro lado. Tinha uma mini curva que quase parecia abrir uma bifurcação", conta.

E completa: "Repito, esse é um dos maiores arrependimentos da minha vida. Como diretor, você aprende as coisas e às vezes precisa aprender a partir de erros terríveis. Esse foi um dos meus piores erros, não ter testado a pista mais de uma vez".

No vídeo divulgado pelo NYT, é possível ver a atriz acelerando por um caminho sem pavimentação antes de bater contra uma árvore. Thurman se assusta e fica atordoada durante vários minutos, antes de ser socorrida. O mesmo vídeo foi republicado no Instagram da atriz. Assista:

i post this clip to memorialize it's full exposure in the nyt by Maureen Dowd. the circumstances of this event were negligent to the point of criminality. i do not believe though with malicious intent. Quentin Tarantino, was deeply regretful and remains remorseful about this sorry event, and gave me the footage years later so i could expose it and let it see the light of day, regardless of it most likely being an event for which justice will never be possible. he also did so with full knowledge it could cause him personal harm, and i am proud of him for doing the right thing and for his courage. THE COVER UP after the fact is UNFORGIVABLE. for this i hold Lawrence Bender, E. Bennett Walsh, and the notorious Harvey Weinstein solely responsible. they lied, destroyed evidence, and continue to lie about the permanent harm they caused and then chose to suppress. the cover up did have malicious intent, and shame on these three for all eternity. CAA never sent anyone to Mexico. i hope they look after other clients more respectfully if they in fact want to do the job for which they take money with any decency.

A post shared by Uma Thurman (@ithurman) on

Em seu post, Thurman acusa os produtores do filme de "acobertar" o acidente. "Por isso considero Lawrence Bender, E. Bennett Walsh e o famoso Harvey Weinstein como os únicos responsáveis. Mentiram, destruíram provas e continuam mentindo sobre o dano permanente que causaram", escreve.

Ela ainda afirma que "Quentin Tarantino se arrependeu profundamente e ainda sente remorso pelo o que aconteceu". Segundo ela, o cineasta conseguiu as imagens do acidente anos depois para que ela pudesse expor esta situação. "O acobertamento teve intenções maldosas", conclui.

À Deadline, Tarantino explica que Thurman queria indiciar algumas pessoas pelo acidente e que ele deveria confirmar a história à jornalista do NYT. Mas a conversa nunca aconteceu.

"Dowd e eu nunca nos falamos. "Eu li o artigo e basicamente pareceu que os outros caras arrumaram advogados, então o nome deles não aparece. E, ao longo da maior parte do texto de Maureen Dowd, eu acabei levando os golpes".

Tarantino também falou sobre as acusações de ter cuspido em Thurman e pedido para enforcar a atriz em cenas de Kill Bill. Segundo ele, no artigo de Dowd, no NYT, não há uma fala de Thurman específica sobre as cenas. Para ele, cenas de cuspe são comuns no cinema, mas não confiava no ator para fazer a cena, então, escolheu fazer ele mesmo. "Eu posso explicar porque fiz o que fiz, mas minha questão é: qual o problema?".

Sobre a cena do enforcamento entre as personagens de Chiaki Kuryama e Uma Thurman em Kill Bill o diretor afirmou que a ideia foi da própria atriz e que ele usou a mesma técnica com Diane Kruger, em Bastados Inglórios. Segundo Tarantino, Thurman disse: "Eu posso fazer uma cara de estrangulada, mas se você quer minha cara vermelha e lágrimas caindo, então precisa me sufocar um pouco".