NOTÍCIAS
30/01/2018 17:34 -02 | Atualizado 30/01/2018 18:22 -02

Dose única da vacina contra febre amarela protege por toda a vida

Até 2014, era recomendado tomar uma nova dose da vacina depois de dez anos.

Paulo Whitaker / Reuters
O tempo necessário para o organismo produzir os anticorpos contra a doença após a vacinação é de dez dias.

Você não precisa tomar vacina contra febre amarela de novo.

É isso mesmo.

Se você tomou a vacina há mais de dez anos e, na época, dizia-se que, após dez anos, você precisaria tomar de novo, você não precisa.

Essa mudança de entendimento ocorreu em maio de 2014 e, desde então, é validada pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

Desde 11 de julho de 2016, a OMS não requer novo certificado nem uma nova dose da vacina.

Ou seja, seu certificado antigo é válido. E se você foi imunizado após essa data, o seu certificado já foi emitido com a atualização de que uma dose única protege por toda a vida.

Vacina fracionada

Agora se você tomou uma dose fracionada da vacina, que passou a ser aplicada este ano, você terá, sim, que tomar uma nova dose se precisar do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), exigido para viajar para alguns países como a China, Austrália e África do Sul.

A Anvisa esclarece que se você foi vacinado antes de 25 de janeiro ou não mora em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia com certeza você tomou a dose única, inteira, que protege por toda a vida.

Perdi o certificado

"Você deve marcar um novo agendamento nos postos da Anvisa. A partir dos seus dados no cadastro será possível emitir uma nova via do documento", explica a Anvisa.

Em uma página específica, a Anvisa responde 23 perguntas sobre o certificado de vacinação contra a febre amarela.

Quem nunca tomou

Se você ainda não tomou a vacina e vai visitar alguma área de risco ou algum país que exige o certificado, o Ministério da Saúde reforça que a vacina deve ser aplicada dez dias antes da viagem - "tempo necessário para o organismo produzir os anticorpos contra a doença".

Aqui a lista da OMS dos países que exigem a imunização e aqui a dos municípios brasileiros com recomendação de vacinação.

E é sempre bom lembrar que os macacos não têm culpa!