POLÍTICA
29/01/2018 11:29 -02 | Atualizado 03/04/2018 14:45 -03

Auxílio-moradia pago ao juiz Marcelo Bretas se torna alvo de questionamentos

"Pois é, tenho esse 'estranho' hábito. Sempre que penso ter direito a algo eu vou à Justiça e peço", se defende o juiz.

Montagem/Agência Brasil
O auxílio-moradia que o juiz Marcelo Bretas e a esposa gerou comoção nas redes sociais.

O Brasil acordou com a notícia de que o juiz Marcelo Bretas, responsável pela Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, e a esposa dele, uma juíza, recebem auxílio-moradia. Só que, como informa a Folha de S.Paulo, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) proíbe o pagamento do benefício a casais que morem sob o mesmo teto.

A remuneração extra, no entanto, não foi alvo de queixas só na Ouvidoria da Justiça Federal - como publicou a Folha. O pessoal ficou pistola, e o questionamento dominou as redes sociais.

O juiz tem fama pelo rígido combate à corrupção. Foi ele quem autorizou a operação que prendeu o empresário Eike Batista e pediu a transferência do ex-governador Sérgio Cabral para um presídio federal.

Agora, tem gente achando que o juiz perdeu a autoridade para "cobrar moralidade".

Mas tem gente que acha que justifica porque deve ser ~difícil~ viver com salário de juiz...

Não parece ser isso. O próprio juiz respondeu. Alegou ter "estranho hábito" de sempre que pensa ter direito à algo ir à Justiça pedir.

Nem todo mundo ficou satisfeito com a resposta.

Sobrou até para a morosidade da Justiça.

E não faltaram sugestões...

No fim, o juiz ficou indignado e saiu bloqueando todo mundo.

O auxílio-moradia lhe rendeu a fama de "o novo Lobão" do Twitter.

Nas mãos do Supremo

De qualquer forma, o futuro do auxílio-moradia de R$ 4,3 mil aos juízes está nas mãos do Supremo Tribunal Federal e deve ser decidido em breve. No fim do ano passado, o ministro Luiz Fux liberou o processo que trata sobre o tema.

Um juiz federal, como Bretas, ganha salário de R$ 28,9 mil e pode receber o benefício mesmo se tiver imóvel na cidade onde trabalha.

Apesar da polêmica, no próximo dia 1º juízes vão à Brasília lutar pela manutenção do penduricalho.