POLÍTICA
22/01/2018 13:54 -02 | Atualizado 22/01/2018 19:01 -02

A história dos apelidos de Lula, Garotinho e Moreira Franco dados por Brizola

Líder da esquerda, ex-governador completaria 96 anos nesta segunda-feira.

Ministro Moreira Franco, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ex-governador Anthony Garotinho ganharam apelidos de Leonel Brizola.
Montagem / Getty Images
Ministro Moreira Franco, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ex-governador Anthony Garotinho ganharam apelidos de Leonel Brizola.

Líder da esquerda e militante contra a ditadura militar, Leonel Brizola completaria 96 anos nesta segunda-feira (22). Apesar de ter falecido há 12 anos, os ensinamentos do fundador do PDT continuam atuais. E os apelidos também.

Considerado o herdeiro político de Getúlio Vargas e de João Goulart, fez discursos veementes defendendo a implantação da reforma agrária e a distribuição de renda no Brasil, quando parlamentar.

Em 1964, após o golpe que tirou Goulart do poder, se exilou no Uruguai, de onde voltou em 1979, com a Lei da Anistia. Dez anos depois, ficou em terceiro lugar na disputa presidencial. No segundo turno, apoiou Luiz Inácio Lula da Silva, de que foi vice na chapa de 1998. Em 2003, Brizola rompeu com o PT.

Se o ex-governador do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul ficou conhecido pelo sotaque gaúcho e pelos bordões, como "Ele está costeando o alambrado" - para dizer que um aliado estava deixando o grupo político - não faltou criatividade também na hora de nomear os colegas.

Reuters Photographer / Reuters
Leonel Brizola com o então aliado Luiz Inácio Lula da Silva, em 1998.

Gato Angorá

À frente da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco era o "Gato Angorá" para Brizola. O peemedebista sucedeu Brizola no governo do Rio, em 1987.

A cabeleira grisalha precoce teria sido o motivo do apelido, mas o presidente do PDT, Carlos Lupi dá outra versão. "Brizola dizia que a característica do gato angorá é passar de colo em colo. Valia no passado e vale agora", afirmou ao Estadão.

Ministro de Michel Temer, Moreira integrou também o governo de Dilma Rousseff, como ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos e, posteriormente, de Aviação. Também foi já foi aliado dos ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso.

O codinome serviu ainda para identificar o peemedebista nas planilhas de propina da Odebrecht, de acordo com delatores. Moreira nega ter negociado os valores.

Sapo Barbudo

Ao anunciar o apoio a Lula em 1989, na corrida presidencial, Brizola não resistiu a um apelido. "A política é a arte de engolir sapos. Não seria fascinante fazer agora a elite brasileira engolir o Lula, este sapo barbudo", afirmou.

A alcunha inspirou militantes do PT de Pernambuco, que lançam neste ano, em Olinda, a Troça Carnavalesca Mista O Sapo Barbudo. Na letra, uma provocação ao juiz Sérgio Moro, responsável pela condenação de Lula no caso do tríplex do Guarujá. "Vai ter que engolir", diz o hino do bloco.

Queijo Palmira

Sobrou também para Anthony Garotinho (PR), ex-governador do Rio, o "Queijo Palmira". O tradicional queijo tipo Reino produzido em Minas Gerais é vendido em uma lata em formato de bola. Após o rompimento com o PDT, Brizola disparou: "Garotinho é como uma bola, não tem lado e é oco por dentro".

Brizola dizia que o ex-aliado "dava o beijo da morte", ao deixar destruição por onde passava, segundo relatos do livro Meu avô Leonel: Frases, "causos" e depoimentos de Brizola, escrito pela neta do ex-governador,Juliana Brizola, ao lado da jornalista Rejane Guerra.

Garotinho foi preso em 2016 e em 2017 em investigações de crimes eleitorais. Ele está solto desde novembro de 2017, após o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ministro Gilmar Mendes, conceder um habeas corpus ao ex-governador.

Filhote da Ditadura

Se aliados são contemplados com apelidos, os opositores não ficam de fora. Em um debate acalorado na campanha de 1989, Brizola chamou Paulo Maluf de "filhote da ditadura".

O deputado federal e ex-governador de São Paulo está preso desde dezembro de 2017. Aos 86 anos, Maluf foi condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a sete anos e nove meses de prisão por lavagem de dinheiro.

Photo gallery10 opiniões absurdas de políticos See Gallery