MULHERES
13/01/2018 17:11 -02 | Atualizado 13/01/2018 17:11 -02

Apps de transporte buscam mulheres motoristas na Arábia Saudita

Rei autorizou cidadãs a dirigirem carros a partir de junho.

Atualmente, a maioria dos clientes dos dois serviços na Arábia Saudita é formada por mulheres: 80% no Uber e 70% na Careem.
REEM BAESHEN via Getty Images
Atualmente, a maioria dos clientes dos dois serviços na Arábia Saudita é formada por mulheres: 80% no Uber e 70% na Careem.

Após a histórica permissão para mulheres dirigirem na Arábia Saudita, os aplicativos de transporte, como o Uber, estão procurando motoristas do sexo feminino no país.

A multinacional norte-americana Uber anunciou há alguns meses um plano para abrir centros dedicados ao recrutamento de mulheres "parceiras" do serviço.

Já a Careem, com sede em Dubai e forte presença no Oriente Médio, prevê contratar 10 mil motoristas do sexo feminino até junho, quando entrará em vigor o decreto do rei Salman bin Abdulaziz al Saud que autoriza as mulheres a dirigirem.

Atualmente, a maioria dos clientes dos dois serviços na Arábia Saudita é formada por mulheres: 80% no Uber e 70% na Careem. No entanto, 100% dos motoristas são homens. A companhia dos Emirados Árabes já abriu aulas de formação em diversas cidades sauditas, voltadas àquelas que tiraram a carteira de habilitação no exterior.

O objetivo é familiarizar as alunas com o código de trânsito do reino e com a plataforma do aplicativo. A partir de junho, as mulheres sauditas também poderão guiar motos e veículos pesados no país, que é governado por uma vertente ultraconservadora do Islã sunita.