MUNDO
01/01/2018 10:51 -02 | Atualizado 01/01/2018 10:54 -02

16 fotos que capturam o romance da rainha Elizabeth com o príncipe Philip

Aparentemente foi amor à primeira vista para a rainha.

Você pode achar que o príncipe William e a duquesa de Cambridge são um "casal modelo", ou então que o príncipe Harry e Meghan Markle saíram de um conto de fadas. Mas há um outro casal da realeza britânica que também merece sua atenção: a rainha Elizabeth II e o príncipe Philip.

O casal real – avôs de William e Harry – não é o par mais expressivo em público (você não vai vê-los mostrando afeto publicamente, como Meghan e Harry, mas a história deles é romântica como poucas.

Eles se conheceram quando eram crianças, num casamento real, em 1934. Em julho de 1939, Elizabeth, então com 13 anos, encontrou Philip Mountbatten, na época com 18 anos, no Royal Naval College, em Dartmouth. Tempos depois, eles começaram a se corresponder, diz Ingrid Seward, editora-chefe da revista Majesty e autora de My Husband and I: The Inside Story of 70 Years of the Royal Marriage(Meu marido e eu: a história secreta do casamento real, em tradução livre)

PA Images via Getty Images
A princesa Elizabeth dança com o então noivo, Philip Mountbatten, julho de 1947.

"Ele era diferente de todos os aristocratas ricos que Elizabeth tinha conhecido. Não tinha dinheiro nem propriedades, mas tinha sangue real em abundância – eles eram primos por meio da rainha Vitória, bisavó de Elizabeth", disse Seward ao The Huffington Post. (Originalmente Philip era príncipe da Grécia e da Dinamarca, mas abandonaria os títulos reais dos dois países para entrar para a família real britânica.)

Elizabeth se apaixonou.

"Philip era bonito, quase lindo", diz Seward. "Quando Elizabeth o reencontrou aos 13 anos, e ele com 18 anos, ela nunca mais olhou para outro homem."

Mirrorpix via Getty Images
O casal caminha de braços dados, novembro de 1947.

Eles se casaram em novembro de 1947, quando Elizabeth tinha 21 anos. A história do casamento é contada em The Crown, série da Netflix que inclui alguns detalhes que vale a pena conhecer: a segunda temporada sugere que, em meados dos anos 1950, Philip teve um caso com a bailarina Galina Ulanova.

Apesar de a fidelidade de Philip sempre ter sido alvo de especulações, Seward disse que a trama da bailarina é mais ficção que fato.

"Galina Ulanova de fato dançou 'Giselle' para a rainha em sua primeira e única visita ao Reino Unido, mas ela estava acompanhada pelo marido na viagem", diz Seward. "Ela nunca encontrou o príncipe Philip, que saiu do país para uma viagem de cinco meses uma semana depois da chegada de Ulanova ao Reino Unido."

KEYSTONE-FRANCE/GAMMA-RAPHO VIA GETTY IMAGES/NETFLUX
O casal real e os atores que os representam na série

Seward observa que a rainha de verdade e seu marido são muito mais interessantes e cheios de nuances que as caracterizações da série.

"A rainha tem muito mais humor que a personagem interpretada por Claire Foy, e o príncipe Philip é muito mais determinado, real e masculino que o personagem da série", disse ela. "Eles são de uma época em que emoções não se mostravam em público, mas na vida privada eles riam muito mais."

O que mais podemos saber sobre a história de amor pública e privada de Elizabeth e Philip? Veja abaixo o que dizem Seward e outros especialistas na família real sobre os principais momentos dos 70 anos do casamento.

  • O noivado
    Bettmann via Getty Images
    Elizabeth achou Philip, que entrou para a Marinha e serviu na Segunda Guerra, "vistoso" e um sopro de ar fresco, diz Seward.

    Da esquerda para a direita: princesa Elizabeth, Philip, rainha Elizabeth (depois rainha-mãe), o rei George VI e a princesa Margaret.
  • O casamento
    Getty Images
    Elizabeth e Philip se casaram em 20 de novembro de 1947, na abadia de Westminster – um evento muito esperado no Reino Unido, depois dos anos sombrios e austeros da Segunda Guerra Mundial.

    "Durante meses, o público foi conhecendo detalhes sobre o vestido das madrinhas, o bolo e assim por diante", disse ao HuffPost Sarika Bose, especialista em família real e professora de literatura vitoriana na Universidade da Colúmbia Britânica. "Você tinha um casal jovem, que representava a esperança de uma era nova e mais feliz depois da guerra."
  • Getty Images
    Com as medidas de austeridade ainda em vigor, Elizabeth teve de economizar os cupons de racionamento fornecidos pelo governo para comprar o material do seu vestido de noiva. Aqui, Elizabeth e Philip entram na abadia de Westminster, Londres.
  • Visitas reais
    Keystone via Getty Images
    Philip e Elizabeth dançam em Ottawa, Canadá, em 1951, uma das muitas visitas reais que eles fizeram. Depois do casamento, Philip teve de abrir mão de muitas de suas ambições de carreira, diz Bose.

    "Philip relutou em abandonar sua carreira na Marinha, pois ele estava progredindo bem por conta própria", diz ela. "Ao casar-se com a mulher que seria rainha, ele sempre seria obrigado a fazer concessões, começando por sua carreira na Marinha."
  • A família
    PA Images via Getty Images
    Em 1948, Philip e Elizabeth deram boas vindas ao primeiro filho, o príncipe Charles. Eles teriam outros três filhos: Anne, a única filha, Andrew e Edward.

    Como marido e consorte da rainha, Philip sempre levou a função a sério. Seu amigo e secretário particular Michael Parker disse certa vez: "Ele me disse que sua função, em primeiro e último lugar, era jamais decepcioná-la".
  • A morte do pai
    Getty Images
    Como mostra a série "The Crown", Elizabeth soube que seria rainha quando estava em visita oficial ao Quênia, em 1952. Seu pai, o rei George VI, tinha morrido, a Philip teria de dar a notícia, diz Marlene Eilers Koenig, historiadora real e autora do blog Royal Musings.

    "Não consigo imaginar como deve ter sido difícil para Philip ouvir a notícia de que seu sogro estava morto e ter de levar Elizabeth para uma caminhada para contar", diz Eilers Koenig. "Agora ela não só era rainha, mas seu amado pai estava morto."
  • A coroação
    Keystone via Getty Images
    A recém-coroada rainha Elizabeth II e Philip, duque de Edimburgo, acenam para a multidão da sacada do Palácio de Buckingham. A coroação, em 1952, aconteceu seis anos depois do casamento, e deixou Philip um pouco inquieto. Muitos relatos sugerem que o casal tinha uma visão muito tradicional a respeito dos papeis do homem e da mulher no casamento, apesar da posição de Elizabeth.

    "De repente, Elizabeth era a chefe", diz Seward. "Ela tomou cuidado para não emascular o marido e, nos bastidores, permiti que ele tomasse todas as decisões. Ele ainda era o macho alfa e, segundo todos os relatos, eles tinham um relacionamento muito cheio de amor e paixão, mas privado."
  • A adaptação aos papeis
    PA Images via Getty Images
    O casal, retratado em uma partida de pólo em 1957, teve dificuldades para se ajustar à nova vida.

    "Elizabeth teve muito o que aprender como rainha, e também tinha trabalhos diários, além de inaugurações de hospitais e outros deveres reais", diz Bose. "Ela estava preocupada com a necessidade do marido de um senso de identidade e deu tarefas a ele. No fim das contas, ele estabeleceu várias iniciativas de caridade, como o Prêmio do Duque de Edimburgo."
  • O último filho
    Keystone via Getty Images
    Em 1964, Elizabeth II e Philip tiveram o quarto e último filho, Edward.
  • Protegendo a monarquia
    Anwar Hussein via Getty Images
    Philip sempre protegeu a esposa e a posição da família real no mundo, diz Seward. Isso foi particularmente verdade depois dos divórcios de seus filhos Charles, (da princesa Diana, retratada aqui em rosa) e Andrew (de Sarah, a duquesa de York), em 1996.

    "A rainha sempre valorizou as opiniões fortes do marido, e ele sempre a protegeu e à monarquia", diz Seward. "Ele considerava o comportamento de Diana e Fergie prejudicial para a monarquia e, portanto, para sua esposa. Ambos dedicaram sua vida ao dever a grande custo pessoal, mas era o que ambos sentiram que tinham de fazer."
  • Celebrações mais tarde na vida
    PA Archive/PA Images
    Elizabeth -- retratada aqui com Philip na St. Paul's Cathedral, no seu aniversário de 90 anos -- reconheceu a dedicação de seu marido a ela num discurso que marcou seus 60 anos como rainha.

    "O Príncipe Philip é, acredito, conhecido por declinar qualquer tipo de elogio. Mas ele tem sido uma força e um guia constante", disse ela em 2012.
  • O 70º aniversário de casamento
    James Devaney via Getty Images
    O casal real -- retratado em junho de 2017 com seus filhos, netos e bisnetos -- recentemente celebrou seu 70º aniversário de casamento.
    "Suas exibições de afeto foram em grande parte confinadas atrás das paredes do palácio, mas estou certo de que existe um grande romance", disse Eilers Koenig. "E esse romance ainda está lá, mesmo agora, depois de mais de 70 anos de casamento."

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

Photo galleryAs rainhas da Inglaterra See Gallery