MULHERES
03/01/2018 17:11 -02 | Atualizado 03/01/2018 17:11 -02

10 mulheres compartilham suas histórias de amor-próprio

“Sou diferente, sou singular. Não existe ninguém como eu.”

Mulheres de várias origens e profissões compartilharam os relatos comoventes e instigantes de suas jornadas de autoaceitação.

Harnaam Kaur tem barba, pelo fato de sofrer de síndrome do ovário policístico (POS). Fatemah Dhanji é sujeita a racismo chocante por usar hijab. Joanné Dion foi vítima de bullying por ter albinismo. Elas são algumas das mulheres que vieram a público contar como aprenderam a se amar.

Essas dez mulheres incríveis são destaques de uma campanha intitulada "Em Nossa Pele", encomendada pela Stoosh, uma plataforma que incentiva todas as mulheres negras, de origem asiática e de minorias étnicas no Reino Unido a serem autoconfiantes, ter o direito de expressar-se livremente e não sentir que precisam pedir desculpas por ser quem são.

Fatemah disse ao HuffPost Reino Unido: "Todas as mulheres que participaram da série fotográfica nos mostram que aprender a abraçar as dificuldades que enfrentamos com nosso corpo e a nos expressar livremente pode ser a força que move nossas conquistas, felicidade e sucesso em todos os aspectos da vida."

  • Harnaam
    Stoosh

    "Recebi o diagnóstico de ovários policísticos aos 12 anos de idade. Isso quer dizer que tenho mais hormônio sexual masculino que hormônio sexual feminino no meu corpo. E isso me permitiu ter esta barba maravilhosa.

    No começo, não foi fácil me adaptar às mudanças. Eu sofria bullying implacável e vivia cabulando aula. Com 16 anos cheguei ao fundo do poço, e então pensei: 'Por que estou sendo punida? Meu corpo está crescendo desse jeito naturalmente. Eu não fiz nada de errado.'

    Resolvi deixar minha barba crescer, abraçá-la e festejá-la. Resolvi chamar minha barba de 'ela' e lhe dei um nome, Sundari, que significa 'bela'. Se você ama realmente uma pessoa, não a chama de 'essa coisa'. Não é assim que você chamaria sua mãe ou sua melhor amiga, então por que eu deveria chamar minha barba de 'essa coisa'? De jeito nenhum.

    E sabe de uma coisa? Ter barba tem vantagens surpreendentes, além de me deixar com cara de sarada. Graças a ela, tenho mais confiança, sou muito mais resiliente, muito mais forte. Posso usar minha história pessoal para ajudar outras pessoas que passam por dificuldades próprias. Elas podem encontrar inspiração em minha voz e minha postura na vida. Estou aqui para contestar estereótipos, para derrubar barreiras na sociedade. Foi para isso que nasci deste jeito. Se eu não me enquadro na sociedade, que se dane, estou feliz assim. E as pessoas precisam enxergar isso."

    - @harnaamkaur
  • Naomi
    Stoosh

    "Sendo eu a única aluna mestiça na minha classe, eu era sempre 'a garota diferente', aquela que tinha pele negra, coxas grossas e usava dreads.

    Mesmo hoje há quem me julgue por minha aparência. Outro dia postei um vídeo e recebi uma mensagem de um cara dizendo 'você devia tentar perder um pouco de peso'. Houve comentários do tipo 'essa gorda não sabe dançar', coisas desse tipo. As pessoas foram super mal-educadas.

    Mas eu me olho e não me acho gorda. Não é uma coisa profunda. Sou metade jamaicana e fui criada do jeito rastafari. Somos gente de bem com o corpo. Qualquer um de nós, com qualquer tipo de corpo, sai por aí de shortinho e regata, e ninguém te olha torto. As pessoas não dão a mínima para isso. O importante é ser feliz. É liberdade. Esse é meu modo de vida.

    Então quando ouço comentários desrespeitosos ou que magoam, eu desconsidero e pronto. Não deixo que me afetem. Porque, que diferença vão me fazer? Eu amo meu corpo. Quando ouço um ritmo, eu mexo a cintura, rebolo, saracoteio meu bumbum. Fica bonito. Quando vou sair, visto uma roupa que mostre meu corpo, e eu me destaco, as pessoas me notam. Dizem que estou bonita. É bom a gente se sentir bem na própria pele."

    - @_naomimt
  • Tammy
    Stoosh

    "Quando eu era mais jovem, detestava ter braços tão peludos. Odiava mesmo. A nós que somos indianas, nos dizem que ter muitos pelos dá uma aparência suja e pouco feminina. Tem que depilar tudo: do queixo, buço, braços, pernas. Dizem para a gente coisas tipo 'nenhum homem vai lhe querer se você for peluda', ou 'você nunca vai se casar'. É uma coisa maluca.

    Minha mãe sempre ia ao salão depilar os braços e ela meio que me deixou com sentimento de culpa por não fazer o mesmo. Então comecei a fazer depilação. Mas quando fui para a faculdade, parei com tudo. Era muito trabalho, muita manutenção, e, vivendo com orçamento de estudante, eu não tinha dinheiro para isso. Além do mais, não é normal ficar fazendo depilação a vida inteira. Os pelos crescem por alguma razão, certo? E eu não gostava da sensação das roupas em cima de minha pele depilada.

    Desde então, deixei de enxergar meus pelos como problema. Na verdade, eu hoje adoro meus pelos. Eles me conservam quentinha no inverno. São macios, fofinhos. Gosto da sensação dos meus braços peludos. E, não ria, é verdade – gosto de alisar meus pelos. Quando estou estressada, isso me relaxa. É tipo meu pequeno hábito pessoal para me tranquilizar no meio de minha rotina corrida. E ninguém mais faz a mesma coisa que eu."
  • Rochelle
    Stoosh

    "Quando comecei na escola secundária, tinha acabado de me mudar para uma cidade nova com minha família. Eu não tinha amigos ali, eu tinha um sotaque diferente e era uma das poucas garotas negras da escola. Foi uma fase difícil. E para piorar, o fato de eu ter vitiligo meio que me fazia chamar a atenção.

    O vitiligo é um problema não contagioso que cria manchas claras na minha pele. Não é um problema sério, na verdade. Mas nas aulas de educação física, ninguém queria me dar a mão. O pessoal me chamava de 'panda' ou 'vaquinha'. Era um sofrimento.

    Por sorte eu fiz algumas sessões de terapia com uma pessoa incrível, e isso, mais o apoio da meus amigos e família maravilhosos, me ajudou a superar tudo isso. Comecei a mudar meu modo de pensar e a ficar um pouco menos criança. Então, dois anos atrás num encontro em Stratford, conheci @winnieharlow, e aquilo meio que mudou minha vida. Pensei: "Se ela pode superar, eu também posso". O vitiligo não afeta minha saúde nem nada, então não vou deixar que me prejudique. Levei anos para entender isso, 15 anos, para ser exata, mas a partir do momento que entendi isso, me dei conta do meu poder.

    "Meu vitiligo é minha força, é o que me está ajudando a alcançar meu potencial pleno. Tenho orgulho do meu vitiligo, que me faz ser eu. Sou diferente, sou singular. Não existe ninguém como eu. Outras pessoas têm vitiligo, mas, dentro do 1% da população que tem vitiligo, ninguém jamais terá o mesmo padrão de vitiligo que eu. Isso é especial e merece ser festejado."

    - @msroch88
  • Saima
    Stoosh

    "A puberdade foi uma fase difícil para mim. Eu estava passando por muita coisa e, de modo geral, me sentia muito mal comigo mesma. Para não precisar encarar meus outros problemas, comecei a voltar toda minha atenção ao meu peso. Comecei a pensar: 'Se eu conseguir resolver meu peso, todo o resto da minha vida vai se resolver.' Comecei a pesquisar lipoaspiração, laxantes, remédios para emagrecer e todas essas coisas bestas. Qualquer coisa para eu não me sentir uma baleia.

    Mas, depois de um tempo, chegou um ponto em que fiquei farta de todas essas negativas e de eu mesma me criticar tanto sem razão. Comecei a reaprender a gostar do meu corpo – incluindo minha barriga, coxas grossas e rosto rechonchudo. Hoje eu me curto exatamente do jeito que sou. Olho minha barriga e penso: 'Está ótima, é normal'. Afinal, onde mais meus órgãos poderiam ficar, senão na minha barriga? Estou de bem com meu corpo. Se eu comer pizza demais e ganhar peso, vou poder dar um jeito. É só abrir o zíper do meu jeans. Não é uma coisa tão séria, não mesmo.

    O importante é você aprender a se amar tanto que não se importa mais com as coisas pequenas, tipo se uma espinha saiu na sua testa ou se sua barriga está um pouco grande. O importante é encontrar paz interior e se sentir bem dentro da sua própria pele."

    - @saimasmileslike
  • Tallula
    Stoosh

    "Desde pequena, sempre vi minha mãe deixar os pelos do corpo crescerem livremente. Sempre. Ela tem 'matagais' debaixo dos braços e até um matagal grande lá embaixo. Quando ela levava a gente para a piscina, no verão, dava para ver uns pelinhos saindo do biquíni dela. Eu achava lindo. Quando era garota, isso me deixava com a maior vontade de chegar à puberdade logo. Eu não via a hora de ter pelos em todo lugar e ficar parecendo uma mulher de verdade.

    Foi só quando comecei a sair com garotos que percebi que nem todo o mundo curte pelos. Digamos simplesmente que encarei algumas reações malucas de alguns garotos. Pensei em raspar meus pelos, mas disse a mim mesma: 'Ei garota, deixe esse barbeador de lado. Por que eles têm que decidir o que você vai ou não vai fazer com seu corpo? Que se dane. O corpo é meu, quem decide o que fazer com ele sou eu.' É normal que mulheres também tenham pelos, sabe? Às vezes tem gente que me olha torto na rua, que faz comentários, coisas desse tipo. Mas não ligo. E acho importante o que estou fazendo. Quando ostento meus pelos abertamente e fico linda assim, mostro às outras garotas que elas também podem fazer o mesmo.

    Você pode fazer o que quiser, pode fazer o que te deixa feliz, com ou sem pelos. Talvez eu esteja abrindo o caminho para mais mulheres sentirem orgulho de seus pelos e deixar que cresçam e apareçam. Imagine só!"
  • Genna
    Stoosh

    "Quando cheguei à puberdade, meus quadris cresceram de repente. Foi uma coisa muito tosca. Não recebi nenhum aviso prévio, ninguém me avisou que ia acontecer. E com os quadris grandes vieram estrias enormes. Em todo lugar. Como eu odiava aquelas estrias!

    Você olha para as mulheres nas revistas e elas são perfeitas, impecáveis – sem estrias, sem pelos, pele lisinha, nenhum problema. Com as minhas estrias, eu parecia um pacote com defeito. Como se meu corpo fosse diferente, imperfeito e feio.

    "Mas com o passar do tempo, percebi que eu não era a única garota no mundo com estrias. Minha melhor amiga, que é belíssima, tinha estrias. Minha mãe lindíssima tem estrias. Outra garota alta como eu, @chrissyteigen, tinha estrias (e até postou fotos delas no Instagram). Então comecei a aceitar minhas estrias completamente e até a gostar delas. Porque já entendi que marcas no corpo – sejam elas cicatrizes, estrias ou qualquer outra coisa – não deixam a gente imperfeita. Elas mostram que você é uma mulher forte. Uma mulher que cresceu e viveu a vida. Uma mulher corajosa e destemida. Uma mulher que já enfrentou o mundo.

    Sinto o maior orgulho dessas medalhas de honra que o tempo deixou marcadas no meu corpo. Digo que são minhas tatuagens naturais. E, para ser totalmente franca, não consigo mais imaginar meu corpo sem elas. Eu as abraço completamente. Até me sinto reconfortada por tê-las. São os sinais de minha jornada nesta terra."
  • Fatemah
    Stoosh

    "Quando eu tinha 11 anos meus pais me matricularam numa escola nova no subúrbio. Eu era a única garota de cor na escola e a única que usava hijab. Foi difícil. Não se passava um dia sequer sem eu ouvir algum comentário negativo sobre minha aparência. Eu vivia chorando por causa disso. As pessoas me xingavam de "terrorista" quando eu passava ao lado. Houve gente que cuspiu em mim, que jogou comida em mim, e certa vez uma pessoa tentou arrancar meu hijab de minha cabeça e o apertar em volta do meu pescoço.

    Não apenas eu me sentia horrorosa – sentia medo também. Pensei em deixar de usar o hijab. Isso teria sido fácil, mas parecia errado. Para mim, usar o hijab é empoderador. É uma coisa realmente libertadora. Sinto orgulho quando o uso. Faz parte de mim, parte de minha identidade, minha cultura e meu legado. Não é apenas um sinal de minha religião, mas também símbolo de minha força e disposição de encarar qualquer coisa que a vida coloque diante de mim. O hijab me fortaleceu. Me deu o pique para varrer aquela negatividade para longe e seguir em frente para me formar em teatro e começar a atuar. Ele me ajudou a conquistar minha paixão. Me deu impulso para fazer todas as coisas que hoje me fazem sentir orgulho em ser mulher. E tem mais: com o hijab meu cabelo nunca está feio."

    - @tvo_hijabi / @fatemahhhxo
  • Desiree
    Stoosh

    "Não foi fácil ser a única criança africana na escola primária. Eu sempre era vista como a outsider, a diferente. Um dia um de meus colegas de classe perguntou à professora porque minha pele era castanha, enquanto o resto da classe tinha pele cor de pêssego. Aquele comentário me deixou tão mal que comecei a usar uma loção clareadora.

    Mas não demorei a ter sentimentos ambíguos sobre essa decisão. Usar aquela loção branqueadora era como tentar virar outra pessoa, e isso não me parecia certo. Pensei: 'Esta não sou eu. Sou de origem completamente africana, tenho mais é que assumir.' Aquilo foi uma virada na minha vida.

    Hoje sinto o maior orgulho de minha cor de pele. Minha melatonina excepcional me define. Ela me torna tão singular, tão especial, que me sinto como se estivesse brilhando. Quando entro em um lugar, as pessoas me notam. Eu me destaco. É bacana. Adoro minhas feições naturais e cada centímetro do meu corpo. Mas, quer saber a parte mais bizarra da minha trajetória? Meus lábios. Me lembro de ser ironizada por causa de meus lábios. Todo o mundo achava minha boca grande demais, meus lábios cheios demais. Mas, com o tempo, pessoas como Kylie Jenner ganharam destaque e gastaram milhares de dólares para conseguir lábios como os meus. Hoje em dia pessoas desconhecidas vêm falar comigo no ponto de ônibus para perguntar quanto gastei para conseguir esses lábios lindos. E eu respondo apenas: 'São naturais, querida'."

    - @iamthedesiree
  • Joanné
    Stoosh

    "Nasci com albinismo, uma condição que reduz a quantidade de pigmento na minha pele. Isso me deixa incrivelmente pálida, apesar de eu ser nigeriana. Afeta minha saúde um pouco, deixando minha pele mais sensível ao sol e meus olhos mais sensíveis à luz. Mas o maior problema é o bullying.

    "Sofri bullying em todo lugar, desde a pré-escola até a faculdade. Mas o mais louco é que eu sofria bullying também de pessoas negras, meu próprio povo. Isso porque, na cultura negra, quanto mais branco você é, melhor, exceto quando você é branca demais. E eu tenho pele clara demais para ser considerada negra. isso mostra como não faz sentido valorizar a cor da pele.

    "Mas minha pele é uma bênção disfarçada, de certa maneira. Ela me mostrou tudo que sou capaz de resistir e superar. Me mostrou como sou forte. Quando parei de tentar me enquadrar nos moldes, nos estereótipos, nas premissas, desisti de tentar agradar aos outros. Isso me deu liberdade. Liberdade de ser eu mesma, de me amar. Hoje eu abraço meu próprio corpo e curto minha beleza singular. Gosto da minha cor de pele, mostro minha pele aos outros com orgulho. E é engraçado: recebo comentários no Insta dizendo que minha aparência é icônica. Se estou fazendo fotos hoje, é para que alguém veja minhas fotos e pense 'yes!'. Porque se identificam comigo e estão passando por algo semelhante. É uma questão de ter metas."

    - @joannedion_

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.

Photo gallery super-heroínas da vida real que lutam em nome da imagem positiva do corpo See Gallery