COMPORTAMENTO
08/12/2017 19:47 -02 | Atualizado 09/12/2017 11:27 -02

Filmes para ouvidos ou livros de ouvir? Como a indústria dos audiolivros está se transformando

Entre 2015 e 2016, o número de downloads e assinaturas no mercado americano de livros em áudio aumentou quase 20%.

O mercado editorial tem apostado cada vez mais no "renascimento" dos audiolivros.
Getty Images
O mercado editorial tem apostado cada vez mais no "renascimento" dos audiolivros.

Apesar de o modelo nunca ter realmente pegado no Brasil, o mercado editorial tem apostado cada vez mais no "renascimento" dos audiolivros no País e no mundo. A discussão permeou a prestigiada Feira de Frankfurt, em outubro, e as apostas das editoras estão cada vez mais nas novas tecnologias para produção de verdadeiros shows imersivos.

Esqueça as fitas cassetes e os discos. Aplicativos e ferramentas atuais permitem a produção de não apenas um "livro para ouvir", mas uma experiência de entretenimento com direito a dublagem de atores famosos, efeitos sonoros em 3D e trilha original para cada produção. De acordo com a Nielsen, empresa que monitora as vendas de livros ao redor do globo, o audiolivro vive um momento de revolução.

Talvez o exemplo mais emblemático do modelo nacional seja a Bíblia narrada pela voz estrondosa de Cid Moreira, disponível no Youtube. Mas internacionalmente os parâmetros são outros.

Origens, o recente best-seller do autor inglês Dan Brown, vendeu 14 mil cópias em áudio somente em sua semana de estreia, de acordo com a editora Transworld. Entre 2015 e 2016, o número de downloads e assinaturas no mercado americano de livros em áudio aumentou mais de 18%, o que resultou em um faturamento de 2,1 bilhões de dólares.

Quem comanda o mercado dos Estados Unidos é a plataforma Audible, da Amazon. Em 2008, a gigante da internet comprou a plataforma por U$300 milhões de dólares. Atualmente, seu acervo conta com mais de 200 mil títulos disponíveis para os usuários do serviço em todo o mundo e a assinatura custa entre U$1 e U$30 dólares. Porém, a disponibilidade de livros narrados em português ainda é ínfima.

Isso deve mudar em 2018, contudo. Ainda não existe uma data oficial, mas a Audible tem preparado o terreno para a sua entrada no Brasil. Gisele Mirabai é escritora e está participando desse movimento. O seu livro Machamba venceu o Prêmio Kindle de Literatura e agora está sendo adaptado para a versão em áudio.

"Eu já terminei a gravação e para mim foi muito especial, já que também sou atriz. Foi uma experiência ótima poder narrar o livro que eu escrevi, já que pude direcionar a leitura do texto e colocar as emoções na minha voz, do jeito que imaginei na história", compartilhou a autora em entrevista ao HuffPost Brasil.

Essa tentativa de virada da indústria terá direito a todos os tipos de pirotecnias. Segundo o ator Alfred Molina, que narrou The Starling Project, livro vencedordo Audie Award em 2016, a indústria tem produzido "filmes para ouvidos" disponíveis em diversas plataformas, até mesmo no serviço de streaming Spotify. Playlists de "audiolivros" ou "audiobooks" já contabilizam mais de 150 mil seguidores.

No Brasil, a disputa será pela atenção dos brasileiros que ficam cada vez mais horas na internet - o País ocupa a terceira posição no ranking de tempo ativo on-line. Gabriela Gomes, estudante, costuma buscar os áudios dos livros pelos quais se interessa em canais do Youtube.

"Existem canais que oferecem até os clássicos da literatura, como Mario de Andrade e José de Alencar. Para mim, o áudio me ajuda a ter concentração, já que me distraio muito facilmente. E tem algo que eu carrego desde a infância. Lembro que os meus primeiros livros também eram narrados", explica em entrevista ao HuffPost Brasil.

O mercado nacional de audiobooks até então é incipiente e dominado pela Ubook, plataforma da Saraiva cuja assinatura custa R$24,90 por mês, e a startup Toca Livros, que também funciona por assinatura a partir de R$14,90.

De acordo com Marcos Costa, coordenador de marketing da Toca Livros, a plataforma já acumula 1,2 mil títulos em português e atende, em média, 250 mil clientes desde que foi fundada, em 2014.

Os livros mais vendidos são sobre de desenvolvimento pessoal, autoajuda e negócios. Segundo Costa, o público alvo são adultos entre 30 e 50 anos, interessados em otimizar o tempo na rotina e também em mudar de carreira.

"Temos um sistema multiplataforma. Você pode escutar no site ou no app. Mas precisamos educar as pessoas para entenderem o que é o audiolivro e como eles podem ser uma porta de entrada para a literatura", explica.

Para Mirabai, o crescimento do consumo de literatura em áudio não assusta, já que a ideia do que é uma narrativa pode ser "imensa". A escritora argumenta que audiolivro "também é uma plataforma válida para se fruir a literatura".

"A plataforma do livro tem a ver com a realidade que a pessoa está vivendo. O livro digital não precisa eliminar a estante de livros físicos. Penso que as pessoas possam consumir o audiolivro trânsito, na academia ou em uma caminhada. Ele vem para te ajudar em um momento que você não pode estar com o livro de papel. Não é um ou o outro. Eles coexistem", defende a autora.

A professora Neide Luzia Rezende, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), estuda a formação de leitores e hábitos de leitura no Brasil. Para ela, é importante prestar atenção a forma com que os audiolivris irão adaptar os textos originais de literatura.

"As práticas culturais não são estanques, portanto como produto social, os conceitos adquirem novos contornos, ainda que preserve em parte seu sentido de origem. É claro que o audiolivro é literatura: mudou o suporte, mas o texto é o mesmo; a leitura por alguém já imprime uma tonalidade, ou seja, um viés de interpretação, por isso é diferente da leitura no livro impresso. Agora, depende muito do que se fará com o texto integral: se ele for fragmentado, apresentado com objetivo não de leitura, mas de propaganda, por exemplo, deixará de ser literatura", explica em entrevista ao HuffPost Brasil.

Photo gallery5 novos livros para pensar sobre as condições do negro no Brasil See Gallery