POLÍTICA
27/11/2017 09:55 -02 | Atualizado 27/11/2017 10:00 -02

Luciano Huck anuncia que não será candidato a presidente em 2018

"Contem comigo. Mas não como candidato a presidente", disse o apresentador da Globo em artigo à Folha de S. Paulo.

SAO PAULO, BRAZIL - JUN 22: Luciano Huck poses before a benefit auction at Hotel Unique on June 22, 2017 in Sao Paulo, Brazil. (Photo by Mauricio Santana/Getty Images)
Mauricio Santana via Getty Images
SAO PAULO, BRAZIL - JUN 22: Luciano Huck poses before a benefit auction at Hotel Unique on June 22, 2017 in Sao Paulo, Brazil. (Photo by Mauricio Santana/Getty Images)

O apresentador Luciano Huck, anunciou sua decisão de não ser candidato a presidente em 2018. Após meses de mistério, sondagem de partidos e reuniões com políticos, o apresentador da do programa da TV Globo, "Caldeirão do Huck", publicou um artigo no jornal Folha de S. Paulo na manhã desta segunda-feira (27) com o ultimato: "Contem comigo. Mas não como candidato a presidente".

No artigo, Luciano Huck diz que carrega uma "enorme paixão e curiosidade pelo outro" e que sempre gostou muito "de gente". Vendo o Brasil sofrer com a crise econômica e política, continuou, ele decidiu sair da zona de conforto e participar ativamente de movimentos cívicos, em busca de conhecimento sobre as soluções para o País. "Foram meses que produziram em mim uma pequena revolução, um aprendizado enorme", escreveu.

Ao ver seu nome apontado, ele afirma que preferiu não tomar uma posição precipitada. "Minha reação natural foi tentar entender melhor do que se tratava", disse. "Gosto de aprender, de saber o que não sei e penso que cultivo um bom hábito desde muito cedo: tentar descobrir e encontrar quem sabe."

Huck ainda diz ter convicção de que seria mais útil e potente se ajudasse o País a "se mover para um lugar mais digno" em outras posições no front nacional, não só como apresentador do programa global, "mas ampliando meu raio de ação ainda mais".

Porém, esse anseio não significa concorrer à presidência no próximo ano.

Com a mesma certeza de que neste momento não vou pleitear espaço nesta eleição para a Presidência da República, quero registrar que vou continuar, modesta e firmemente, tentando contribuir de maneira ativa para melhorar o país. Vou bem além da voz amplificada enormemente pela televisão que amo fazer, do eco monumental das redes sociais que aprendi a tecer, do instituto que fundei há quase 15 anos e de todos os meios que o carinho das pessoas me proporcionou.

Por ora, o apresentador diz que vai fazer o que ele acredita saber fazer de melhor, que é "agregar". "Vou trabalhar efetivamente para estruturar e me juntar a grupos que assumam a missão de ir fundo na elaboração de um pensamento e principalmente de um projeto de país para o Brasil", disse, enfatizando novamente sua decisão: "e, para isso, não são necessários partidos, cargos, nem eleições."

Ele também convoca a sociedade a tomar consciência da importância da política e a necessidade de se se movimentar para que ninguém seja mais "vítima passiva e manobrável de gente desonesta". Huck acrescenta, porém, que é hora de focar no coletivo e não em si mesmos.

A hora é de trabalhar por soluções coletivas inteligentes e inovadoras para o país, e não de focar o próprio umbigo ou de alimentar polêmicas pueris e gritas sem sentido.

Desde outubro, o apresentador Luciano Huck era considerado presidenciável. Ele usou 20 parágrafos da coluna Tendências e Debates, da própria Folha de S.Paulo, para deixar claro que seria uma força protagonista em 2018.

Ele não verbalizou explicitamente o desejo de uma candidatura específica, mas em diversos momentos do texto usou expressões que revelam sua pretensão. "Quero e vou participar deste processo de renovação política no Brasil." Desde então, seu nome começou a ser testado pelos institutos de pesquisa do País.

Leia o artigo de Luciano Huck na íntegra publicada no jornal Folha de S. Paulo.

Photo galleryQuem são os presidenciáveis de 2018 See Gallery