NOTÍCIAS
09/11/2017 16:24 -02 | Atualizado 09/11/2017 16:24 -02

CPI dos Maus Tratos recorre à força policial para obrigar artista e curador a depor

Magno Malta: "O que a gente nota é que tem muita gente querendo ser moderninha, mas na verdade estão é de libertinagem".

Senador Magno Malta preside a comissão que incluiu no seu escopo a apuração de possível crime em exposições de arte.
Montagem/Divulgação/Reuters
Senador Magno Malta preside a comissão que incluiu no seu escopo a apuração de possível crime em exposições de arte.

Um requerimento para a conduzir coercitivamente o artista Wagner Schwartz, responsável por uma performance de nudez artística no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), e o curador da mostra Queermuseu Gaudêncio Fidélix foi aprovado na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Maus-Tratos no Senado Federal na última quarta-feira (9).

Segundo informações da Agência Senado, como ambos não responderam ao convite para as audiências anteriores da comissão em São Paulo, eles serão conduzidos por força policial. A senadora Ana Amélia (PP-RS) disse que a comissão "não busca incriminar ninguém, mas precisa de informações". A comissão é presidida pelo senador Magno Malta (PR-ES), da bancada evangélica, que considera que a exposição e a performance foram uma violação à legislação de proteção ao menor.

Elizabete Finger, que acompanhou sua filha na performance "La Bête" com o artista Wagner Schwartz no, no MAM, compareceu a uma reunião reservada da CPI, mas preferiu não se pronunciar. "A minha indagação era se ela não tinha conhecimento do Estatuto da Criança e do Adolescente", afirmou Malta.

A decisão acontece na mesma semana em que o Ministério Público usou a capa de Nevermind, da banda grunge dos anos 1990, Nirvana, em uma nota técnica para explicar o que é pedofilia e liberar a exposição 'Histórias da Sexualidade', no Masp (Museu de Arte de São Paulo) para menores de 18 anos.

De acordo com a Agência Senado, a CPI também aprovou requerimento do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), que pede a constituição de grupo de trabalho com representantes do Ministério da Justiça, Polícia Federal, Secretaria da Receita Federal, Banco Central do Brasil, Ministério Público, Safernet e Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS).

O objetivo do grupo é elaborar mecanismos de investigação financeira para identificação e punição de quem compra material pela internet cujo conteúdo envolva maus tratos de crianças e adolescentes.

Outros requerimentos de convite a quatro psicólogas e a uma advogada que atuaram em processos de violência contra crianças em São Paulo também foram aprovados pela comissão. Também foram convidados a depor a delegada de polícia civil Viviane Costa Rios, Alexandra Barros Clemente e Daniela Pavan Mendes, que devem prestar esclarecimentos sobre um caso de maus-tratos e violência contra uma criança informado durante diligência da CPI em São Paulo.

O curador Gaudêncio Fidélis deveria ter sido ouvido na CPI no dia 4 de outubro, mas não compareceu. À época, uma liminar em Habeas Corpus concedida pelo ministro Alexandre Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), garantiu ao curador o direito de ser assistido por advogado e de se manter em silêncio durante o depoimento à CPI.

A defesa do curador pretendia que a convocação fosse suspensa alegando que ela estaria "eivada de vícios" e que teria sido apresentada de maneira precária, por e-mail. Alegou ainda que o requerimento da convocação "sugere claramente" que Gaudêncio será ouvido na condição de investigado por incitação à pedofilia.

Entretanto, ainda à época, o ministro explicou que o Supremo "já assentou a obrigatoriedade de comparecimento de particular, devidamente intimado, para prestar esclarecimento perante CPI" e ressaltou que "a intimação eletrônica cumpriu a sua finalidade".

Antes de ser convocado, Gaudêncio foi inicialmente convidado a depor, mas também se recusou. Nesta mesma reunião foi aprovado requerimento da senadora Ana Amélia (PP-RS) convocando os responsáveis pela performance no MAM a comparecerem em depoimento na CPI.

"Eles não dizem nada sobre a criança, estão tentando reverter o debate, tentam passar uma ideia de retrocesso no Brasil, uma onda conservadora. O que a gente nota é que tem muita gente querendo ser moderninha, mas na verdade estão é com licenciosidade, querem fazer isso nas exposições públicas, levar as crianças das escolas. A lei não aceita e a população brasileira também não", disse Malta à época sobre as intervenções artísticas realizadas em São Paulo e Porto Alegre.

A arte na mira

Em setembro, o Santander Cultural, situado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, cancelou a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte, que estava prevista para permanecer em cartaz até o dia 8 de outubro.

A decisão da instituição foi uma reposta à onda de protestos que ocorreu nas redes sociais sobre a mostra. Pessoas e grupos organizados consideraram a mostra ofensiva, destacando que algumas obras representavam "blasfêmia" e faziam "apologia à zoofilia e pedofilia".

Já em São Paulo, a performance La Bête que inaugurou a Mostra Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, também foi alvo de críticas e acusada de fazer apologia à pedofilia. Isso porque a obra trazia o artista carioca Wagner Schwartz nu e teve seus pés tocados por uma criança, na presença de sua mãe. A obra era uma releitura da série Bicho, considerada um clássico da artista brasileira Lygia Clark.

Para o curador do MAM Filipe Chaimovich, é posição do museu abrir o diálogo com a sociedade. "A compreensão do que é a arte, da história da arte, é parte da missão do museu. E para isso ser transmitido é preciso existir diálogo", explica em entrevista ao HuffPost Brasil.

Alavancadas por páginas do Facebook, como a do Movimento Brasil Livre (MBL), as críticas à performance consideraram a cena "contrária aos valores da sociedade brasileira". No Twitter, a hashtag #PedofiliaNaoEArte foi um dos assuntos mais comentados da rede social.

Em nota, o MAM esclareceu a repercussão. De acordo com o museu, a mulher que acompanhava a criança era a mãe dela. Ainda, a instalação possuía as devidas orientações sobre nudez.

"A sala estava devidamente sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística, seguindo o procedimento regularmente adotado pela instituição de informar os visitantes quanto a temas sensíveis. O trabalho apresentado na ocasião não tem conteúdo erótico e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, historicamente reconhecida pelas suas proposições artísticas interativas."

O que é pedofilia, de acordo com a lei?

A pedofilia é classificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um dos transtornos de preferência sexual. De acordo com o órgão, pedófilos são pessoas adultas, homens ou mulheres, que têm preferência sexual por crianças.

O código penal brasileiro considera crime a relação sexual ou qualquer ato de satisfação do desejo e apetite sexual praticado por um adulto com crianças ou adolescentes menores de 14 anos.

O artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente, ainda, considera como crime "adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente."

Photo gallerySexualidade e Ignorância: Até quando? See Gallery