NOTÍCIAS
25/07/2017 09:31 -03 | Atualizado 25/07/2017 09:31 -03

Planejamento estuda implantar PDV para servidores públicos

Expectativa é que Programa de Desligamento Voluntário gere economia de R$ 1 bilhão ao ano.

Protesto contra reformas do governo de Michel Temer no Dia do Trabalhador.
Bloomberg via Getty Images
Protesto contra reformas do governo de Michel Temer no Dia do Trabalhador.

Por Heloisa Cristaldo e Camila Maciel

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão está preparando uma proposta que define regras para um Programa de Desligamento Voluntário (PDV) de funcionários públicos federais.

A medida inclui também a redução da jornada de trabalho com remuneração proporcional para servidores públicos do Poder Executivo Federal. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (24) pela pasta.

A proposta é oferecer uma indenização correspondente a 125% da remuneração do servidor na data de desligamento multiplicada pelo número de anos de efetivo exercício. A iniciativa do governo federal busca reduzir gastos públicos com a folha de pagamento dos servidores públicos federais. A expectativa é que a medida gere uma economia de cerca de R$ 1 bilhão ao ano.

Redução de jornada

Segundo o ministério, a proposta prevê também que os servidores efetivos poderão requerer a redução da jornada de trabalho de 8 horas diárias e 40 semanais para 6 ou 4 horas diárias e 30 ou 20 horas semanais, respectivamente, com remuneração proporcional, calculada sobre o total da remuneração.

Será assegurado ainda, a quem optar pela redução de jornada, o pagamento adicional de meia hora diária, calculada conforme regulamentação a ser editada pela pasta.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que a expectativa do PDV a ser feito pelo Ministério do Planejamento é de que 5 mil servidores sejam desligados. "Vamos ver se é viável, se haverá essa adesão", disse, ao destacar que se trata de um projeto para cortes de custos.

É um processo onde o funcionário aceita ou pede exoneração dentro de uma estrutura combinada em relação à saída dele.

Meirelles participou de reunião com investidores na tarde desta segunda. Ele listou, entre as principais preocupações do mercado, a aprovação da reforma da Previdência e um cronograma de reformas microeconômicas, como a criação de um cadastro positivo, a duplicata eletrônica e a lei de recuperação judicial.

"Essa é a agenda de produtividade importante para o país. Há um consenso de que o Brasil está voltando a crescer. A ideia agora é consolidar a agenda de reformas na área macroeconômica e microeconômica, visando alcançar uma trajetória de desenvolvimento sustentável para o país."

Photo galleryProtesto contra Temer em Brasília See Gallery

LEIA MAIS:

- A relação entre 'moradia compartilhada' e trabalho escravo, segundo uma auditora do trabalho

- Por que a reforma trabalhista precariza o trabalho formal no Brasil