ENTRETENIMENTO
15/07/2017 12:07 -03 | Atualizado 15/07/2017 12:08 -03

'O sertanejo sempre foi o nicho mais machista da música', diz Roberta Miranda

À revista Veja, cantora diz que enfrentou muito machistas no ramo e que está orgulhosa de suas "sementinhas", as novas sertanejas.

"Tenho muito orgulho de ver as novas cantoras ocuparem um espaço tão grande hoje."
Reprodução
"Tenho muito orgulho de ver as novas cantoras ocuparem um espaço tão grande hoje."

Mulher, nordestina e sertaneja.

Roberta Miranda enfrentou muito preconceito para ter um lugar ao sol entre os mais famosos cantores sertanejos do Brasil, ainda mais um ambiente dominado por duplas "bota e chapéu", como ela diz. Hoje, com a onda do "feminejo", a cantora se diz orgulhosa de suas "sementinhas", como Simone e Simaria, Maiara e Maraísa, Marília Mendonça, Naiara Azevedo, entre outras cantoras da atualidade.

Em entrevista à revista Veja, a cantora lembrou de sua dificuldade ao entrar neste ramo: "era inconcebível uma mulher nordestina ser consagrada pelo povo como rainha da música sertaneja. Hoje temos uma onda de meninas no sertanejo, minhas sementinhas, como gosto de chamá-las."

Miranda conta que tem muito carinho e amor por cada uma das novatas da música. "Elas têm consciência de tudo que fiz pelas mulheres nesse mercado, o quanto lutei, falei e insisti que faltavam vozes femininas no sertanejo. Elas podem contar comigo, e sabem disso", disse à revista.

Questionada se se considera feminista, Roberta Miranda diz que sim, se o movimento entende-se como a luta pelo espaço da mulher, a busca por respeito e tratamento igualitário. "Mas não sou a favor de colocar os homens para baixo, de magoá-los ou fazer com eles o que eles fizeram com a mulher", acrescentou. Para ela, a música sertaneja sempre foi o "nicho mais machista da música."

"Nós temos muitos exemplos femininos no samba, na MPB, mas antes de mim, e agora das meninas, tínhamos poucos nomes de mulheres que fizeram carreira no sertanejo, como Inezita Barroso e Nalva Aguiar. Tenho muito orgulho de ver as novas cantoras ocuparem um espaço tão grande hoje."

Miranda pondera, porém, que não é só na música que o movimento feminista está gerando mudanças. "Mas esse movimento de empoderamento feminino não é exclusivo da música, a mulher tem descoberto seu poder em diversas áreas da vida. O homem precisa ficar antenado, a mulher não depende mais do dito cujo nem para fazer filho", disse, dando risada.

LEIA MAIS:

- Esta é a prova que existe uma música da Marília Mendonça para cada fase do luto de um relacionamento

Photo gallery22 filmes que contam a história de astros da música See Gallery