MULHERES
06/06/2017 12:25 -03 | Atualizado 06/06/2017 12:35 -03

'Este dia não é só meu': Luiza Brunet dedica condenação de Lírio Parisoto às mulheres

"Não foi fácil me expor e conviver com as marcas dessa violência. Não existe aqui a Luiza. Existem mulheres."

Reprodução
Luiza Brunet dedica condenação de Lírio Parisoto às mulheres.

Na última terça-feira (05), uma sentença do Tribunal de Justiça São Paulo decidiu que o empresário Lírio Parisotto foi condenado a um ano de prisão por ter agredido Luiza Brunet.

A condenação da juíza Elaine Cristina Monteiro Cavalcanti também determinou que Parisotto deverá ficar dois anos sob vigilância, sendo obrigado a cumprir serviço comunitário durante 12 meses.

A decisão põe fim ao ciclo de violências vivido por Brunet. Ela foi espancada pelo ex-namorado no ano passado, em uma viagem do casal para Nova York.

Desde que tornou público o caso, Brunet tem se posicionado contra o silenciamento de agressões às mulheres.

Ela chegou a lançar campanhas, como a da hashtag #CoragemPraMudar em seus perfis nas redes sociais.

Ao tomar conhecimento da decisão, ela dedicou a sentença à todas as mulheres.

"Este dia dia não é só meu - que atravessei esse doloroso caminho pessoal até aqui e precisei romper tantos medos. É um momento muito maior pelo que significa para tantas mulheres na mesma condição. Não existe aqui a Luiza. Existem mulheres", escreveu em um post no Instagram.

Em seu perfil na mesma rede social, Parisotto afirmou que vai recorrer a decisão.

No Brasil, a cada hora, mais de 500 mulheres são violentadas, espancadas ou ameaçadas. Em 2016, foram 4,4 milhões de mulheres vítimas de alguma agressão.

Apesar do alto índice de ocorrências, 52% das mulheres não denunciaram a violência sofrida. Ainda, das mulheres que denunciam, cerca de 70% retiram as denúncias contra seus agressores.

Isso porque as mulheres que resolvem não se calar enfrentam o medo, a insegurança e o desamparo.

Ao HuffPost Brasil, a promotora de Justiça Gabriela Mansur chamou a atenção para a ausência do Estado como um dos fatores que perpetua casos de agressão e feminicídio no País.

"Enquanto não for prioridade de investimento público, destinação de verba, aprimoramento dos atendimentos, credibilidade da palavra da vítima, deixar pessoas especializadas em estratégias de políticas públicas e criminal, não vamos conseguir diminuir os índices de violência contra a mulher."

LEIA MAIS:

- Os feminicídios que já ocorreram 2017 e a lacuna na conscientização dos homens

- Mais de 60% dos brasileiros já presenciaram uma mulher sendo agredida, diz pesquisa

- O caso Victor Chaves, violência contra a mulher e a manifestação do 'gaslighting'

- Luiza Brunet fala sobre violência sofrida em entrevista à Claudia: 'É duro criar coragem e pôr um ponto final'

Galeria de Fotos Famosas contra cultura do estupro e violência doméstica Veja Fotos