LGBT
02/03/2017 20:57 -03 | Atualizado 02/03/2017 23:51 -03

Boicote de Malafaia à 'agenda gay' da Disney é a melhor propaganda para a gigante do entretenimento

Nesta semana, a Disney exibiu primeiro beijo entre pessoas do mesmo sexo em um desenho e anunciou cena exclusivamente gay no filme 'A Bela e a Fera'.

Lula Marques/Agência PT

Nos últimos dias, a Disney deu um passo importante para a história da promoção de diversidade. Pela primeira vez, a gigante do entretenimento exibiu um beijo entre pessoas do mesmo sexo em um desenho animado e anunciou que o filme 'A Bela e a Fera' terá a primeira cena "exclusivamente gay" da história do estúdio.

A estratégia da empresa ganhou uma dimensão ainda maior com ajuda do pastor Silas Malafaia. Com um canal de diálogo direto com seus seguidores, o pastor fez a mensagem da empresa chegar aos seus 1,8 milhão de fãs no Facebook e 1,3 milhão se seguidores no Twitter.

Na voz do pastor, o que seria apenas um anúncio da Disney gerou uma série de memes e uma explosão de reações. As imagens do pastor foram replicada por outros usuários com comentários em favor da Disney fazendo com que a mensagem do estúdio alcançasse ainda mais pessoas.

Com isso, é possível dizer que foi cumprido o objetivo da empresa de fortalecer a relação com movimentos que pedem visibilidade e o fim dos estereótipos de pessoas LGBTs na mídia, além de propagar empatia e tolerância por essa comunidade.

Já a intenção de Malafaia de atingir os faturamentos do estúdio estão em xeque. No Twitter, os principais comentários dão conta de que a missão do pastor vai naufragar.

Este tweet vai no ponto.

Outros fazem o alerta com ironia.

Tem quem ainda tenta avisar ao pastor que ele está passando vergonha.

A verdade é que o boicote de Malafaia não é uma missão fácil.

Além de ter tido efeito contrário, o pedido do pastor gerou comentários negativos e lembrou a investigação contra ele. Malfaria é investigado pela Polícia Federal em uma operação contra fraude em cobrança de royalties.

Boicote

No vídeo em que pede o boicote e "desce o sarrafo" na Disney, o pastor diz que o estúdio "comprou a agenda gay", alega ainda que "não tem coisa mais asquerosa, mais nojenta que erotizar criança" e que "ensinar sexualidade à criança é a coisa mais covarde que tem".

O pastor pede às pessoas que deixem de comprar produtos e serviços da Disney. Segundo ele, "tem que doer no bolso dessa cambada". Em 2015, o pastor fez o mesmo pedido contra O Boticário por campanha LGBT no dia dos namorados.

Vale ressaltar que orientação sexual não se trata de escolha. Logo, não sofre influência externa.

Photo gallery 10 gays assumidos que já ganharam Osc See Gallery