MULHERES
31/05/2016 17:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Este post DESTRÓI qualquer argumento que culpabilize uma mulher vítima de estupro

GettyImages/Reprodução/Facebook

"Se ela estivesse em casa isso não aconteceria!"

"Se ela tivesse um namorado fixo isso não aconteceria!"

"Se ela estivesse lavando uma louça isso não aconteceria"

Quantas vezes argumentos como os citados acima não foram usados para justificar um crime de estupro?

Para destruir de vez todos eles, a publicitária Marina Ferreira, de 25 anos, teve uma ideia brilhante.

Ela publicou na última quinta (26), em seu perfil do Facebook, uma lista destas falas e as relacionou com notícias sobre casos que desmontam completamente qualquer argumento.

Na publicação, Ferreira compilou uma série de justificativas falaciosas que são comumente usadas para tentar justificar um caso de estupro. Logo abaixo de cada frase, ela refutou o argumento linkando uma matéria sobre um caso de violência sexual.

Os exemplos buscam quebrar de vez com a ideia de que a vítima tem culpa em casos de violência sexual:

A postagem viralizou nas redes sociais e já tem mais de 120 mil curtidas e 100 mil compartilhamentos e chegou a ser noticiado até pelo jornal espanhol El País.

Em entrevista ao G1, Marina disse que as pessoas acabam se esquecendo dos casos e julgam de forma precipitada.

"Acredito que as pessoas ficam impactadas por cada caso individualmente, mas acabam esquecendo dele pouco tempo depois. Então, peguei todas as 'desculpas' ou 'motivos' que vi algumas pessoas usando em postagens para provar que eram mentiras com fatos. Todas as matérias juntas tiveram esse impacto"

Ela ainda contou que não esperava que viralizasse tanto e está feliz por isso, porque desta forma o assunto "sai da panelinha de pessoas que já sabem que não há desculpa pra estupro".

Em um novo post em seu perfil, publicado no último dia 27, ela diz que ficou "muito feliz de levar as ideias dele [do post] pra frente, ver prints e versões diferentes em vários lugares que eu admiro muito e que atingem muita gente todos os dias".